Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sócio do Clube de Cinema de Porto Alegre, frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 98 certificados) e ministrante do curso Christopher Nolan - A Representação da Realidade. Já fui colaborador de sites como A Hora do Cinema, Cinema Sem Frescura, Cinema e Movimento e Cinesofia. Sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para marcelojs1@outlook.com ou beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

sexta-feira, 3 de abril de 2020

Cine Dica: Durante a Quarentena Assista: 'Sing Street'

Sinopse: Conor encontra um raio de esperança em sua vida monótona quando conhece a misteriosa Raphina. A fim de ganhar seu coração, ele a convida para estrelar o vídeo musical de sua banda. Há apenas um problema: ele ainda não faz parte dela. 

Quando se houve as pessoas dizendo que os anos oitenta foi a melhor época da cultura pop isso não é exagero dizer isso, pois muitos tem boas recordações daqueles tempos mais dourados. O rock, por exemplo, foi a válvula de escape para o surgimento de inúmeras bandas e cuja as suas músicas entraram para a história. "Sing Street" sintetiza esses tempos, cuja aquela geração sentia a vida mais colorida quando determinadas músicas falavam sobre ela.
Dirigido por John Carney, do filme "Mesmo se Nada Der Certo" (2014), o filme se passa em Dublin, Irlanda, 1985. Conor (Ferdia Walsh-Peelo) é um jovem obrigado a mudar de colégio, devido à difícil condição financeira de seus pais, que ainda por cima brigam sem parar. Logo ele tem problemas com um valentão local, que passa a persegui-lo, e também com o padre que coordena a escola, devido à sua disciplina rigorosa. Desiludido, Conor tem um sopro de esperança ao conhecer Raphina (Lucy Boynton), uma garota que está sempre à espera na porta da escola. Disposto a conquistá-la, ele diz que está montando uma banda de rock e a convida para estrelar um videoclipe. Com o convite aceito, agora ele precisa fazer com que a banda existe de verdade.
Basicamente o filme nos faz relembrar dos bons e velhos tempos dos filmes adolescentes dos anos oitenta e, portanto, não se surpreenda se passar pela sua cabeça títulos como "O Clube dos Cinco" (1985) e "A Garota de Rosa Shocking" (1986). Ao mesmo tempo, o filme presta uma bela homenagem a música daquela época e, portanto, não se surpreenda também ao começar ouvir na trilha músicas das quais nós crescemos ouvindo na rádio e que fizeram a diferença naqueles anos. A música, aliás, serve como válvula de escape para os protagonistas da trama enfrentar diversos obstáculos que enfrentam em seu dia a dia e para assim conseguir um novo rumo na vida.
Basicamente o filme é dividido em três atos, onde ocorre a iniciativa, enfrentamento e a redenção em que os protagonistas terão que buscar acima de tudo. Basicamente é uma típica história amor e de superação, mas moldurada com carinho para aqueles que cresceram e testemunharam uma geração de jovens que estavam dispostos a fazerem a diferença em seu indefinido futuro próximo. Em tempos em que há uma nostalgia por aqueles anos o filme acaba se tornando um prato cheio e que merece ser degustado.
Com uma bela homenagem ao clássico "De Volta Para o Futuro" (1985) em um momento chave da trama,  "Sing Street" é uma singela carta de amor para aqueles que curtiam uma boa música nos anos oitenta. 

Onde assistir: Netflix,  Google Play Filmes. 

Joga no Google e me acha aqui:  
Me sigam no Facebook,  twitter, Linkedlin e Instagram.  

Nenhum comentário: