Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sendo frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 70 certificados),sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

quarta-feira, 10 de junho de 2015

Cine Dica: Em Cartaz: De Gravata e Unhas Vermelhas



Sinopse: O estilista Dudu Bertholini entrevista e revela as experiências peculiares de Laerte, Rogéria, Ney MatoGrosso, Johnny Luxo, Candy Mel e outras personalidades. Com depoimentos de grandes nomes de um mundo transgressor, onde a sexualidade é reinventada, o filme cria uma vertigem a partir do jeito que cada um encontra de se respeitar na construção do próprio corpo. No uso das roupas e na criação de contornos, vão surgindo formas desruptoras de vida.
Vencedor do Prêmio Félix de Melhor Documentário no Festival do Rio de 2014, o documentário nacional De Gravata e Unha Vermelha vem num momento cujo seu assunto esta na boca do povo e nas redes sociais hoje em dia: a escolha sexual, que se estende a transexualidade, a procura da identidade sexual da pessoa, preconceito e a intolerância que estas pessoas sofrem ontem e hoje. O estilista Dudu Bertholini é o entrevistador que houve alguns participantes da obra, além de claro deixar o seu próprio registro para câmera da diretora Miriam Chnaiderman. 
O ápice do documentário é a virada de mesa sobre o papel de hoje dos gêneros masculino e feminino.  Em De Gravata e Unha Vermelha, vemos de tudo um pouco, desde homens que viram mulheres, mulheres que viram homens, homens que se vestem como mulheres e não demonstram nenhuma timidez ao começar agir como uma.
Os entrevistados são pessoas também que se dividem pela escolha ou não da cirurgia da mudança de sexo. Uns por não achar nenhuma necessidade ou por evitar qualquer tipo de rotulo que a sociedade venha empregar. Entre os entrevistados famosos, se destacam Rogéria, Laerte e Ney Matogrosso (os dois, claro, com maior destaque).
Contudo, são as pessoas pouco conhecidas que realmente chama atenção durante o longa. Como no caso de João Nery, Letícia Lanz, Johnny Luxo, Candy Mel, Walério Araújo e Bianca Exótica, que nos brinda com depoimentos que dão o que pensar durante a projeção. Talvez por conta disso é que, talvez, se encontra o único erro do documentário, o de não se aprofundar um pouco mais nos entrevistados não conhecidos pelo público, pois dá a sensação de que tinham muito mais conteúdo a ser compartilhado para nós cinéfilos do que se possa imaginar.
Como um todo, o filme aborda as dificuldades causadas pela falta de aceitação pelo próximo, e é o que chama mais atenção nas declarações, já que a aceitação não é problema para a maioria. Como dizia Jean-Paul Sartre, “o inferno são os outros”, e é a discriminação desses outros que torna mais difícil a vida de quem decide fazer o que quer com o próprio corpo e a própria vida sem se importar com as regras sociais pré-estabelecidas. Em tempos em que políticos e pastores intolerantes como Feliciano, Malafaia e dentre outros, lideram um conservadorismo brasileiro dos mais imbecis, a proposta por Miriam Chnaiderman em seu mais recente projeto que, mais uma vez trata de um tema polêmico e de pessoas que vivem à margem da sociedade, é de estrema importância e que merece ser visto e revisto com mente aberta.  

 Me sigam no Facebook, twitter e Google+

2 comentários:

Nuno Soares disse...

Marcelo parabéns pelo post, pelo blog e pelo interesse em cinema! Se quiseres conhecer um blog onde o cinema também é assunto frequente, dá um salto ao Opina e deixa-nos a tua opinião. ;) http://opinaquenemumdoido.blogspot.co.uk/

Marcelo Castro Moraes disse...

Ok Nuno, abração