Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sócio do Clube de Cinema de Porto Alegre, frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 98 certificados) e ministrante do curso Christopher Nolan - A Representação da Realidade. Já fui colaborador de sites como A Hora do Cinema, Cinema Sem Frescura, Cinema e Movimento e Cinesofia. Sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para marcelojs1@outlook.com ou beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

terça-feira, 17 de junho de 2014

Cine Dica: Diálogos entre teatro e cinema na Sala P. F. Gastal


diálogos transversais entre o teatro e o cinema
de 19 a 22 de junho
quinta a domingo, sempre às 19h
na Sala P.F. Gastal – Usina do Gasômetro

Entrada franca
(Aos interessados será fornecido certificado)

Como acontece o trânsito entre a linguagem do Teatro e do Cinema? Quais os vestígios que se percebem entre eles? A proposta desses Diálogos transversais entre o teatro e o cinema  é tratar deste tema em quatro dias de conversas. O primeiro dia terá uma abordagem ampla da questão e os dias seguintes serão dedicados a observar como o teatro aparece em clássicos do cinema brasileiro.
A escolha dos três filmes que servirão de exemplo para as conversas sobre as relações entre o teatro e o cinema obedeceu a dois princípios: o primeiro foi de não trabalhar sobre filmes que tenham sido adaptados de algum texto dramático, para fugir da obviedade; o segundo foi de, a partir das imagens, chegar a identificação da presença do teatro na imagem cinematográfica, não centrando a análise unicamente no roteiro, como seria o caso das adaptações.
Os filmes pertencem a dois momentos distintos dentro da filmografia do cinema brasileiro. Carnaval Atlântida, de José Carlos Burle, de 1952, enquadra-se num gênero de filme, a chanchada, quando o cinema brasileiro se autofinancia ao atingir um público significativo, permitindo, assim, funcionar como indústria. O dragão da maldade contra o santo guerreiro, de Glauber Rocha, de 1968, e S. Bernardo, de Leon Hirszman, de 1972, se enquadram em outro momento, cinema novo, quando os filmes alcançam reconhecimento internacional, por suas características inovadoras.

Dia 19 de junho - Abertura // Transversalidades entre o teatro e o cinema
Uma conversa ampla sobre as transposições entre as duas linguagens, abordando as particularidades e similaridades de cada uma quanto ao texto, à atuação, à direção de arte, à música...

com Daniel Fraga, Flávio Mainieri, Gilson Vargas, Ismael Caneppele e Janaína Kremer
Mediação Roger Lerina

Dia 20 de junho // O espaço teatral transposto nas chanchadas
exibição do filme Carnaval Atlântida, do José Carlos Burle
após, conversa com Flávio Mainieri e Gilson Vargas

Dia 21 de junho // A teatralidade em Glauber
exibição do filme O dragão da maldade contra o santo guerreiro, do Glauber Rocha após, conversa com Flávio Mainieri e Milton do Prado

Dia 22 de junho // O dramático emerge na tela
exibição do filme S. Bernardo,  de Leon Hirszman
após, conversa com Flávio Mainieri e  Marcus Mello

 Me sigam no Facebook, twitter e Google+

Nenhum comentário: