Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sendo frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 70 certificados),sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

sexta-feira, 7 de novembro de 2014

Cine Dica: Próximas atrações na sala P.F. Gastal


 POLÊMICA OBRA-PRIMA CANADENSE NO PROJETO RAROS

Nesta sexta-feira, 7 de novembro, às 20h, o Projeto Raros da Sala P. F. Gastal exibe o filme canadense Les Bons Débarras (1979), de Francis Mankiewicz. A sessão será comentada pelo professor, montador e cineasta Milton do Prado, pesquisador do cinema quebequense, com mestrado em cinema na Concordia University, em Montreal. Com projeção em DVD e legendas em inglês, a sessão tem entrada gratuita.
Presença constante em listas de melhores filmes da história do Canadá, Les Bons Débarras (em tradução livre, “já vai tarde”) foi recebido imediatamente como um clássico, tanto pela crítica, quanto pelo público do país.
Nos Laurentides, pequena região montanhosa do Québec, Michelle vive modestamente, ganhando a vida com a venda de lenha a aldeões. Ela é ajudada pelo irmão Guy e pela filha de 11 anos Manon, que a ama apaixonadamente. Michelle também tem um caso com o chefe da polícia local. A notícia de uma possível gravidez perturba a garota, que tomará as decisões mais perturbadoras para manter o amor exclusivo da mãe. Escrito por Réjean Ducharme, o filme tem a direção de fotografia de Michel Brault, um dos pais do cinema moderno canadense.
Morto prematuramente aos 49 anos, em 1993, Francis Mankiewicz realizou o primeiro longa-metragem, Le temps d'une chasse, em 1972, já abordando seu tema favorito, a relação familiar, algo explorado de forma mais contundente em Les Bons Débarras, seu terceiro filme. Após sua obra-prima de 1979, Mankiewicz dirigiu apenas mais três longas-metragens, mas deixou seu nome na história do cinema do país. Em 2003, em uma enquete do jornal quebequense La Presse, Les Bons Débarras foi eleito o maior filme canadense de todos os tempos.

 
PROJETO RAROS
LES BONS DÉBARRAS
Direção: FRANCIS MANKIEWICZ
1979
120 minutos
Exibição em DVD com legendas em inglês
Elenco: Charlotte Laurier, Marie Tifo  , Germain Houde, Louise Marleau      





SESSÃO EXTRA DE O MÁGICO DE OZ + THE DARK SIDE OF THE MOON
 
Neste domingo, 09 de novembro, às 20h30, a Sala P. F. Gastal da Usina do Gasômetro (3º andar) promove uma reprise da sessão especial The Dark Side of Oz, com a exibição do blu-ray restaurado de O Mágico de Oz, de Victor Fleming, e execução ao vivo do famoso disco do Pink Floyd em sincronia com o filme. O valor do ingresso da sessão-show é R$ 15,00.
Tornou-se uma lenda urbana do Rock a famosa sincronia entre o filme O Mágico de Oz, que completa 75 anos em 2014, e o álbum Dark Side of the Moon, do Pink Floyd. Seria proposital, ou mera coincidência? O Dark Side of the Oz é um projeto que mistura um show de Pink Floyd ao vivo, projeção de cinema e a sincronia mítica entre as duas obras. Com Arthur Tabbal na guitarra e voz, Gabriel Sacks na bateria e voz, e Max Sudbrack no teclado e baixos, o trio se apresenta nas casas noturnas de Porto Alegre com essa proposta peculiar de cinema-show, que também inclui a parte final de 2001: Uma Odisséia no Espaço com Echoes, a obra prima do disco Meddle, além de outros números do repertório Floydiano.
 
O Mágico de Oz
 
Em Kansas, Dorothy (Judy Garland) vive em uma fazenda com seus tios. Quando um tornado ataca a região, ela se abriga dentro de casa. A menina e seu cachorro são carregados pelo ciclone e aterrisam na terra de Oz, caindo em cima da Bruxa Má do Leste e a matando. Dorothy é vista como uma heroína, mas o que ela quer é voltar para Kansas. Para isso, precisará da ajuda do Poderoso Mágico de Oz que mora na Cidade das Esmeraldas. No caminho, ela será ameaçada pela Bruxa Má do Oeste (Margaret Hamilton), que culpa Dorothy pela morte de sua irmã, e encontrará três companheiros: um Espantalho (Ray Bolger) que quer ter um cérebro, um Homem de Lata (Jack Haley) que anseia por um coração e um Leão covarde (Bert Lahr) que precisa de coragem. Será que o Mágico de Oz conseguirá ajudar todos eles?
 
The Dark Side of the Moon
 
The Dark Side of the Moon é o oitavo álbum de estúdio da banda britânica de rock progressivo Pink Floyd, lançado em 24 de março de 1973. O disco marca uma nova fase no som da banda, com letras mais pessoais e instrumentais menores. Os temas explorados na obra são variados e pessoais, incluindo cobiça, doença mental e envelhecimento, inspirados principalmente pela saída de Syd Barrett, integrante que deixou o grupo em 1968 depois que sua saúde mental se deteriorou. O conceito básico do disco foi desenvolvido quando a banda estava em turnê, e muito do novo material foi apresentado ao vivo, muito antes de ser gravado. A banda produziu o trabalho no Abbey Road Studios de Londres em diferentes sessões em 1972 e 1973 ao lado do produtor Alan Parsons, diretamente responsável pelo desenvolvimento dos elementos sonoros mais exóticos presentes no disco, e a capa, que traz um prisma sendo atingido por um feixe de luz o transformando em um arco-íris, foi desenvolvida para representar a iluminação de palco da banda, o conteúdo íntimo das letras e para atender os pedidos da banda por um trabalho "simples e marcante".
 
 
THE DARK SIDE OF OZ
Exibição + show
09/11
20:30
R$ 15,00
Arthur Tabbal - Guitarras, Voz
Gabriel Sacks - Bateria e Voz
Max Sudbrack -  Teclas e Voz
 
Sala P. F. Gastal
Coordenação de Cinema, Vídeo e Fotografia
Av. Pres. João Goulart, 551 - 3º andar - Usina do Gasômetro
Fone 3289 8133 / 8135 / 8137

Nenhum comentário: