Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sócio do Clube de Cinema de Porto Alegre, frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 98 certificados) e ministrante do curso Christopher Nolan - A Representação da Realidade. Já fui colaborador de sites como A Hora do Cinema, Cinema Sem Frescura, Cinema e Movimento e Cinesofia. Sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para marcelojs1@outlook.com ou beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

sexta-feira, 23 de setembro de 2011

Cine Especial: FILMES B QUE AMAMOS: Parte 3

Na primeira semana de outubro (do dia 04 a dia 08) participarei do curso do CENA UM, “Filmes B que Amamos” (Museu da Comunicação: Rua dos Andradas, 959, Porto Alegre) onde o tema principal serão sobre filmes baratos (baixo orçamento e de vários gêneros) feitos pelo cinema americano que acabou conquistando inúmeros fãs. Por aqui, irei postar sobre o que eu sei desse universo de baixo custo, mas com enorme imaginação.


O QUE TEM A DIZER OS FILMES B DE FICÇÃO?
A Guerra Fria deixou muitos americanos com medo e paranóia, principalmente aqueles que trabalhavam para o governo, e nisso nasceu o interesse pelo desconhecido, pêlos planetas distantes e possíveis raças alienígenas, que talvez fossem ou não os próximos inimigos de uma possível guerra. A década de 50 é o ápice desse cenário, de onde surgiram inúmeros filmes B de ficção científica, é desse cenário que nasceu nosso amigo 007. Tendo como 90% de tudo que era lançado eram filmes baratos, que ganharam o apelido de filmes B, feito para entreter num determinado tempo, mas alguns esquecidos.
A Guerra dos Mundos, é um dos mais lembrados. Tanto que Steven Spielberg lançou sua versão do filme conforme a sua visão do mundo de hoje com a paranóia do medo que o mundo tem dos terroristas. Em 1953 o diretor Byron Haskin ficou famoso levando esta, que é uma das mais famosas histórias de H. G. Wells, para as telas, isso com um orçamento de US$ 2 milhões, algo que para a época já era considerável. Na mesma década Ed Wood “criou” Plan 9 From Outer Space, filme que hoje é considerado pelos críticos como o pior já feito na história do cinema, mas com charme próprio que acabou ganhando o status de não só filme B como Cult. A Guerra dos Mundos e Plan 9 From Outer Space são dois exemplos entre os poucos tais que resistem até hoje deste gênero daquele tempo, cuja a regra era orçamento apertado mas imaginação fértil.
O Dia em Que a Terra Parou é anterior a eles, e também tem um bom nível de popularidade dentre o publico. Afinal o diretor desta obra é ninguém menos que Robert Wise, o mesmo dos musicais premiados Amor, Sublime Amor e A Noviça Rebelde. Ainda assim, muitos consideram este pequeno filme de aproximadamente US$ 1 milhão o melhor e mais importante do diretor até hoje. O mais impressionante é que os efeitos especiais ainda resistem ao tempo, isso porque o filme não era lotado deles como os filmes de hoje tem em costume. O efeito mais notável mesmo é o vôo da espaçonave de Klaatu no principio do filme – um efeito que não poderia ficar muito melhor nos dias atuais, devido à sua simplicidade e funcional.
A história também é simples e direta, mas de tamanha importância que dura hoje. Era um lembrete direto para as pessoas e principalmente para os governos de todo o mundo que viam-se ameaçados sob a sombra de uma devastadora e até provável guerra nuclear. O alienígena Klaatu viajou, juntamente do robô Gort, pôr 200 milhões de milhas para chegar à Terra e mandar uma mensagem a todos os seus representantes: se continuarem constituindo uma ameaça a outros planetas (com a criação de foguetes essa ameaça existiria em breve), todo o planeta deve ser exterminado! Porém, assim que chega à Terra – mais precisamente em Washington – as pessoas não parecem querer ouvi-lo, e fazem de sua presença uma grande ameaça. Acuado, Klaatu (de aparência igual à dos terráqueos) vai conviver pôr um tempo com uma típica família de classe média, para decidir se vale a pena ou não tentar realmente salvar nosso planeta da destruição iminente.
O final do filme certamente pode gerar inúmeras discussões e debates. Afinal, o sistema sugerido por Klaatu para garantir a paz universal é a opressão: ao mínimo sinal que os povos se digladiarão e ameaçarão outros planetas, a Terra seria exterminada sem dó nem piedade. A intenção é realmente boa, mas em uma época de grandes tiranos, pessoas que têm ou desejam ter controle mundial com a desculpa de tentarem assegurar a paz (Bush é um exemplo), podemos perguntar se essa é a maneira ideal de se fazer isso. O Dia em Que a Terra Parou levanta essa questão de forma genial e, mesmo que você não concorde com sua filosofia (é uma faca de dois gumes), já deve dar crédito a ele pôr fazer pensar. Enfim, é um típico filme de ficção científica dos anos 50 que fez as pessoas saírem das salas de cinema e ficarem ainda digerindo o que viram, e só com isso já é um grande feito para ser lembrado até hoje nos dias atuais.
O Dia em Que a Terra Parou pode ser considerada uma das mais importantes ficções científicas de todos os tempos no cinema. Um filme que mistura diversão com conteúdo e é dono de uma mensagem atemporal. Um clássico não tão popular que figure entre os maiores já lançados em Hollywood em todos os tempos, o que é uma pena, mas ainda assim deveria ser visto pôr quem curte pelo menos um pouco filmes sobre visitantes de outros planetas. É uma experiência no mínimo original.


Me Sigam no Facebook e Twitter:

Um comentário:

Carla Marinho disse...

Oi Marcelo, tudo certinho?

esse post foi indicado no links da semana:
http://blogsdecinemaclassico.blogspot.com/2011/09/links-da-semana-de-18-2509.html