Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sócio e Diretor de Comunicação e Informática do Clube de Cinema de Porto Alegre, frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 99 certificados) e ministrante do curso Christopher Nolan - A Representação da Realidade. Já fui colaborador de sites como A Hora do Cinema, Cinema Sem Frescura, Cinema e Movimento e Cinesofia. Sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para marcelojs1@outlook.com ou beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

sábado, 5 de março de 2011

Cine Dica: Em DVD e Blu-Ray: A Rede Social

UM FILME PARA DEIXA-LO CONECTADO DO COMEÇO AO FIM
sinopse: Numa noite da primavera de 2003 Mark Zuckenberg gênio da computação de Harvard senta-se à frente deu seu computador e começa a trabalhar em uma nova ideia. Num rompante de blogar e programar o que surge ali em seu quarto é uma rede social que revolucionaria o conceito de comunicação. Seis anos e 500 milhões de amigos depois Zuckenberg é o bilionário mais jovem da história. Mas tudo tem seu preço.
Os verdadeiros fatos de uma realidade ás vezes não é o suficiente, portanto cria-se o mito, no qual será muito bem melhor vendido. Foi isso que passou na minha cabeça ao assistir o inicio e o fim de A Rede Social, pois o que se viu ali foi apenas um pequeno e engenhoso artifício do diretor David Fincher para deixar a trama (baseado na obra Bilionários por Acaso) algo bem mais redondinho. Por conta disso, já circulou alguns dizendo de se tratar do novo Cidadão Kane. Exageros aparte, mas não a como negar que esse novo “Rosebud” serviu de ponta pé inicial para a criação de uma historia na qual boa parte dessa nova geração no mundo real esta envolvida e se essa ponta de iceberg realmente aconteceu isso é o que menos importa no momento.
Após ter perdido seu “Rosebud” (ou melhor, dizendo sua garota) em uma seqüência de diálogos fulminantes saídos da sua boca, Mark Zuckerberg (Jesse Eisemberg, brilhante) se fecha no seu quarto para criar no computador um meio de não só humilhar sua ex, como também todas as garotas da universidade. Tem inicio então a uma trama na qual é muito bem moldada graças à mão segura da direção de David Fincher. Vindo dos vídeos clipes dos anos 90, Fincher sempre soube dosar uma bela montagem de cenas nas quais faz o espectador jamais cansar. O filme esta sempre em movimento, sempre algo está acontecendo e muitos diálogos, mas que mesmo assim, o espectador é pego facilmente na montanha russa de imagens, no trajeto de Mark e da sua criação na qual se tornaria uma da marcas mais conhecidas do mundo, O Facebook.
O filme explora muito bem essa trajetória, não só de Mark, mas também de outros envolvidos na criação da criança como o brasileiro Eduardo Saverin (Andrew Garfield o próximo Homem Aranha do cinema) que de melhor amigo do criador, tornasse ex amigo, graças as artimanhas de Sean Parker (surpreendentemente bem interpretado por Justin Timberlake) que financiou o projeto do império, mas tirou Saverin do posto de co- fundador em uma bela jogada de gato e rato. A trama vem e volta no tempo embalado não só pela genial montagem de Fincher, mas pela ótima trilha sonora de Trent Reznor que soube casar bem a trilha com os momentos em que os personagens estão tanto na época do Harvard como após o crescimento do famoso império virtual.
No geral, o filme é um retrato dessa nova geração cada vez mais retraída e do difícil contato de uns com os outros, mas que dentre eles, alguém conseguiu criar uma ferramenta no qual todos se relacionassem virtualmente, mas que no fim, o próprio não consegue se relacionar com ninguém sem antes magoar o próximo devido ao seu intelecto superior que por hora nos fascina e por hora nos enoja e isso se deve graças ao ótimo desempenho de Jesse Eisemberg. Vindo do sucesso Zumbilandia, o jovem ator transmite todos os sentimentos que o personagem sente de tal maneira que não me espantou ter sido lembrado na temporada de prêmios que passou.
Vencedor de três Oscar (merecia bem mais) A Rede Social é um pequeno exemplo de que basta um pequeno artifício para entrelaçar o inicio e o fim da trama para torná-la perfeita e bem redondinha, mesmo que para isso se cria tal mito dentro da historia verídica.

Curiosidades:   A cena inicial da conversa entre os personagens de Eisenberg e Rooney Mara representaram oito páginas de roteiro e 99 tomadas.
Devido a dificuldade de encontrar dois atores gêmeos que pudesse interpretar os irmãos Cameron Winklevoss e Tyler Winklevoss, o diretor David Fincher optou por contratar dois atores diferentes, Armie Hammer (Cameron) e Josh Pence (Tyler). Como Hammer parecia mais com os verdadeiros irmãos, a opção do diretor foi fazer inúmeras cenas usando o seu rosto e, posteriormente, aplicando através da computação gráfica sobre as cenas de Tyler.




2 comentários:

Dilberto L. Rosa disse...

Ainda não vi "Scott Pilgrim", mas está na minha lista. Já "Rede Social" achei apenas um "Bom filme chatinho": competente e só! Extremamente endeusado, acho a estória dispensável (a "saga" do personagem é vazia de grandes dificuldades) e a boa atuação do jovem ator Jesse às vezes beira a imitação ao personagem de Dustin Hoffmann de Rain Man - o que jamais faria por merecer uma indicação ao Oscar... Enfim, de Fincher, continuo com o impactante "Seven" e a "laranja Mecânica dos novos tempos", "Clube da Luta" - sem esquecer o interessantíssimo e subestimado "Zodíaco", Abração e parabéns pelos ótimos posts!

ANTONIO NAHUD disse...

Concordo com Dilberto, Marcelo, os filmes citados de Fincher são bem melhores do que A Rede Social.
Abração,

Estou com novos posts. Apareça.

www.ofalcaomaltes.blogspot.com