Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sendo frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 69 certificados),sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

sábado, 20 de agosto de 2011

Cine Dica: Em Cartaz: Balada do Amor e do Ódio

OS DIAS RUINS QUE MOLDAM UM PALHAÇO 
Sinopse: Durante a Guerra Civil espanhola , o Palhaço Branco, recrutado a força pela milícia destrói a foiçadas os soldados do Exercito Nacional sempre vestido de palhaço. Muitos anos depois, Xavier, o filho do palhaço vai trabalhar como o Palhaço Triste num circo onde encontra figuras das mais extraordinárias. Ali ele encontra Sergio, outro palhaço. É o início da historia dos dois na luta pelo amor da mais bonita e sedutora mulher do circo.
Vencedor do prêmio de melhor roteiro e melhor direção do festival de Veneza de 2010, o filme de Alex de La Iglesia usa o cenário da Guerra civil Espanhola, com sua áurea e queda do governo presidente Carrero Blanco como pano de fundo para criar uma historia de perdas, amor, loucura e vingança, embalado com o mais puro humor negro a lá Tarantino, mas ao mesmo tempo que lembra elementos da trilogia Coreana da Vingança e umas pitadas de Sin City.
Nesta salada toda, se criou um retrato de pessoas que foram afetadas devido a governos com mão de ferro, guerras sem sentido, que fazem delas, por hora contidas e por hora se tornam verdadeiras bestas selvagens que nascem no mais fundo de suas almas. Isso é muito bem retrato nos personagens Javier (interpretado por Carlos Areces) e Sérgio (Antonio de La Torre). Se o primeiro tenta seguir os passos da profissão de seu pai em meio ao caos, o segundo unicamente se torna um palhaço para encontrar um sentido na vida ao ver as crianças rindo em vez de ficar matando para sobreviver. Mas tudo isso vai à ladeira baixo quando ambos perdem a cabeça quando se apaixonam pela mesma mulher, a bela trapezista Natalia (Carolina Bang). O que se tem a seguir é a briga e selvageria de dois homens um contra ao outro por causa de uma mulher, sendo que essa ultima, por vezes sente prazer ao ver o conflito que causa entre esses homens que chegam ao ponto maximo da loucura de um ser humano em meio a fatos históricos da Espanha.
Dividido em três atos distintos, todos muito bem amarrados e bem agilizados, graças a uma incrível montagem rápida e certeira, o filme se beneficia graças também a bela fotografia que por vezes chega ao ponto de ser em preto e branco, para unicamente retratar o lado  pálido do estado de espírito desses personagens em meio a um país que brincou com suas vidas e de pessoas cruéis que perderam o bom senso com o tempo. Se vocês se perguntam qual foi o dia ruim do Coringa (Heath Ledger ) de Batman: Cavaleiro das Trevas para ter se tornado uma entidade do caos, os palhaços de Balada do Amor e do Ódio podem muito bem lhe darem as respostas.


Me Sigam no Facebook e Twitter:



Nenhum comentário: