Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sendo frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 69 certificados),sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

quarta-feira, 12 de novembro de 2014

Cine Especial (Sessão Plataforma): Cavalo Dinheiro



Sinopse: Em "Cavalo Dinheiro", o diretor conta a história de Ventura, um cabo-verdiano envelhecido e doente que, entre momentos de delírio e razão, lembra passagens da sua vida entre as violentas manifestações que seguiram à Revolução dos Cravos, em 1974, o duro cotidiano como operário e imigrante e o desaparecimento da esposa.


Solidão, o escuro e uma tristeza profunda: esses foram os sentimentos que abateram ontem o cinéfilo na Sala P.F Gastal da Usina do Gasômetro ao assistir Cavalo Dinheiro, do diretor português Pedro Costa, que venceu o prêmio de melhor diretor no festival de Cinema de Locarno desse ano. No quarto ano consecutivo em que o festival acolhe um filme português numa das suas competições principais, os organizadores escolheram um nome de peso do cinema lusófono.
Autor de sete longas-metragens e cinco curtas, Pedro Costa se caracteriza por retratar na sua obra, de uma forma quase documental, o cotidiano de marginais e imigrantes dos bairros populares de Lisboa, especialmente Fontainhas, onde reside e encontra a grande parte dos seus personagens, atores amadores.O enredo não é baseado em uma ficção, mas foi improvisado ao longo da rodagem do filme e também anos de convívio.
"Tenho a mesma idade do protagonista, mas levei quarenta anos para descobri-lo. Enquanto eu ocupava fábricas na época da revolução, ele e outros imigrantes se escondiam com medo dos socialistas", segundo as palavras de Costa durante a época do festival.
Os cenários escolhidos para Cavalo Dinheiro metem medo. O protagonista passa de porões sombrios, quartos e salas de hospitais, onde algumas pessoas parecem caminhar como mortos vivos, para então sumir sem mais nem menos na mata escura. A trama que, mais parece fragmentos de registros de um tempo distante, permite desafiar a mente e os olhos do cinéfilo. Como no caso da sequência toda rodada dentro do elevador. Lá surge um soldado imóvel, pintado de chumbo e sem dizer (aparentemente) uma palavra. Ao fundo, gritos e agonia, moldado com uma trilha clássica  que nos deixa mais apreensivo. Segundo o próprio diretor, "é o filme que dita a sua lei e as suas regras: fomos eu e as pessoas que trabalharam nesse filme que pediram isso" segundo ele. 
Com um orçamento de apenas 150 mil euros e que teve o apoio de uma equipe de apenas  três pessoas, Cavalo Dinheiro perturba, inquieta, nos maravilha mas não é algo que tenhamos coragem de fazermos uma segunda visita. 


NOTA: O filme será novamente exibido as 16horas na sala P.F Gastal na Usina do Gasômetro de Porto Alegre.   

 Me sigam no Facebook, twitter e Google+ 

Nenhum comentário: