Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sendo frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 69 certificados),sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

quinta-feira, 10 de agosto de 2017

Cine Dica: Em Cartaz: Planeta dos Macacos: A Guerra



Sinopse: Após o grande confronto entre os humanos e os macacos, o símio Caesar (Andy Serkis) fortalece sua ascensão. Caesar se torna uma figura seminal na história dos macacos e lidera seu bando rumo a uma guerra que ele lutou para evitar.


O livro Coração das Trevas de Joseph Conrad é um dos maiores clássicos da literatura e serve sempre de inspiração para elaboração de outros contos literários ou até mesmo de tramas para determinados filmes. O clássico Apocalypse Now, por exemplo, é praticamente uma adaptação do conto, onde mostra o duelo do homem contra o pior do ser humano e que, por vezes, pode estar lutando contra consigo mesmo. O encerramento da trilogia Planeta dos Macacos, não só é o melhor filme dos três capítulos, como também bebe dessa rica fonte literária e nos brinda com uma guerra bem diferente do que a maioria imaginava.
Novamente dirigido por Matt Reeves (Cloverfield) acompanhamos as consequências após os fatídicos eventos do filme anterior. Cesar (Andy Serkis) tenta de todas as formas ao evitar uma guerra contra os humanos e proteger a todo custo a sua comunidade de macacos. Porém, os atos inconsequentes de alguém, que auto se intitula “Coronel” (Woody Harrelson), fazem com que ele desperte um desejo de vingança mas do qual faz com que ele trilhe um caminho sem volta.
Mais do que um mero filme de aventura/ficção, Planeta dos Macacos: A Guerra, não só nos brinda com efeitos visuais de ponta, como também nos surpreende com tamanha humanidade que se encontra em seus respectivos personagens. Embora com uma camada de efeitos visuais que moldam os macacos, a todo o momento sentimos vida neles, mas isso se deve graças aos seus respectivos atores que dão tudo de si, principalmente vindo do ator Andy Serkis. Se nos filmes anteriores sentíamos tamanha dedicação dele ao interpretar Cesar, aqui o ator atinge o seu ápice, onde nos brinda com a melhor interpretação de sua carreira e possivelmente uma das melhores que eu já vi neste ano. 
Desde o primeiro filme assistimos Cesar crescer, amadurecer, liderar e saber compreender que o mau não se restringe somente no mundo dos homens. Nesse filme, ao presenciar uma cena traumatizante, Cesar lutará contra suas próprias ações e das quais põem em risco toda a sua comunidade de macacos. O que vemos então, não é meramente uma simples guerra iminente a campal, como também uma luta contra os demônios interiores que o personagem sofre ao longo de sua encruzilhada de dor e descobertas.
Matt Reeves soube dosar como ninguém os momentos de drama, suspense e ação na medida certa no decorrer de todo o filme. Se há cenas de ação, podem ter certeza que elas não são gratuitas, pois delas virá consequências e das quais os personagens principais terão que enfrentar de uma forma dramática. Porém, o cineasta teve a proeza de criar momentos de humor, principalmente daqueles protagonizados pelo novo macaco chamado Mau (Steve Zahn) e nos proporcionando momentos de alivio em meio a momentos de pura tensão.
Tensão essa da qual é provocada pelo personagem intitulado “Coronel” desde o primeiro momento em que surgiu em cena e do qual lidera o exercito humano. Embora em alguns momentos ele nos lembre o icônico personagem de Marlon Brando no já citado Apocalypse Now, Woody Harrelson vai muito mais além do que uma mera comparação, ao proporcionar um personagem de inúmeras camadas psicológicas, trágicas e fazendo a gente compreender o horror que ele testemunhou e do qual lhe fez provocar outros piores. As cenas em que ele e Andy Serkis contracenam juntos são disparadas os momentos de maior tensão, pois os seus respectivos personagens colocam pra fora os seus conflitos internos, dos quais ambos terão que enfrentá-los de uma forma dramática e inesquecível.
Pensado para ser o encerramento de uma trilogia, Matt Reeves consegue criar um verdadeiro espetáculo visual e emocional nos derradeiros minutos finais do seu filme. Poucas vezes eu vi no cinema recente uma ação se casar tão bem com momentos dramáticos e criar uma avalanche emocional e até mesmo imprevisível. Quando testemunhamos Cesar chegar ao final de sua jornada, sentimos o dever cumprido vindo do personagem, assim como nós sentimos a sensação de satisfação, por presenciarmos momentos tão corajosos, numa super produção como essa e sendo algo cada vez mais raro de se ver dentro do gênero hoje em dia.
Fazendo referencias, ou até mesmo interligação com relação ao clássico de 1968, Planeta dos Macacos: A Guerra é um filme  dramático, visualmente perfeito e feito com coração do começo ao fim.   

Leia também:


  

 


Me sigam no Facebook, twitter, Google+ e instagram

Nenhum comentário: