Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sendo frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 68 certificados),sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

segunda-feira, 15 de maio de 2017

Cine Dica: Em Cartaz: Taego Ãwa e Crônica da Demolição

 TAEGO ÃWA



Sinopse: Através de cinco fitas VHS com registros dos índios Ãwa, mais conhecidos como Avá-Canoeiros do Araguaia, achadas numa faculdade, que os irmãos deram início ao projeto. A partir daí, encontraram outros materiais e foram em busca daquele povo, investigando a fundo a origem e a trajetória dos Ãwa até aqui, inclusive o passado de enfrentamento com os brancos, o histórico de reclusão, a luta por demarcação de território e pela restituição das terras.



A saga do povo indígena Avá canoeiro é aqui exibida um documentário realístico sobre a capacidade de força de vontade daqueles que nunca se deixaram abater pelas às inúmeras invasões e violações ao seu território Taego Ãwa, se tornando por isso um povo nômade desde pelo menos o século XVIII. Hoje os Avá formam um grupo de no máximo  vinte pessoas, divididos em dois grupos, Araguaia e Tocantins. O documentário da cineasta Marcela Borela e seu irmão Henrique Borela surge a partir de velhas fitas Vhs e fotografias raras encontradas na UFG de registro de contatos de diferentes épocas com os Avá, que após uma aglutinação imensa de material decidem então realizar o filme. Uma tarefa árdua que, desde o primeiro contato da equipe com a comunidade, a própria criação de produção a então árdua tarefa de edição de um material imenso com o montador Guile Martins, o filme nasce a partir de inúmeros obstáculos.
Taego Ãwa está distante dos demais documentários corriqueiros, no sentido informacional, sobre a luta dos Avá, fazendo com que o espectador de primeira viagem sinta uma lacuna forte de compreensão da situação, e essa também parece ser a proposta principal da obra, instigando assim a confrontação desse conhecimento e fazendo com que o cinéfilo procure mais informações sobre o que foi assistido. É talvez uma obra mais próxima do que chamamos “documentário observacional” do qual o filme possa ser compreendido de que esteja  intimamente ligado à relação entre os criadores e os protagonistas sendo observados. Não se ouvem em nenhum momento as palavras dos realizadores colocando perguntas e direcionamentos aos Avá, ainda que essas tenham acontecido, e o filme consegue ter uma verossimilhança que impressiona e sendo cada vez mais rara de ser vista em outras obras.
O que mais impressiona também no documentário é a forma como ele cria um espaço ao povo Avá de volta aos seus berços de nascença um questionamento sobre elas, como numa das cenas mais inesquecíveis, da qual vemos a família fazendo suas pinturas tradicionais com tinta de jenipapo, e o ancião da tribo, Tutal, falecido ano passado, tira a roupa que estava vestindo pra fazer a pintura corretamente e diz que não tem vergonha de estar sem roupa, pois faz parte de suas raízes de origem. Esse momento traz a simbologia de toda aculturação violenta pela qual sofrem os povos indígenas como um todo, descendentes e os verdadeiros donos do território brasileiro que foram ininterruptamente massacrados e desapropriados desde os primeiros anos do descobrimento do Brasil. 


 

CRÔNICA DA DEMOLIÇÃO



Sinopse: Por meio dos materiais de arquivo e de entrevistas com pessoas envolvidas no caso, Crônica da Demolição reconstrói 70 anos de história da Avenida Central (atual Avenida Rio Branco) e do Palácio Monroe. O filme conta com uma centena de fotos antigas e 26 filmes de arquivo - incluindo um raro registro a cores da demolição do palácio - resultado de um ano de pesquisa em mais de 30 acervos e instituições. Suas filmagens foram realizadas no Rio de Janeiro - lançando um novo olhar sobre o centro da cidade - no Senado Federal, em Brasília, e em Uberaba, na fazenda que hoje abriga um portão e os leões do palácio.



A demolição do Palácio Monroe é ponto de partida para o  documentário dirigido e roteirizado por Eduardo Ades. O longa levanta o debate sobre assuntos relacionados à arquitetura de ontem e hoje, patrimônio histórico e vida pública. Com uma pesquisa precisa entre depoimentos, imagens raras de arquivo, notícias publicadas e passadas naquele período, Crônica da demolição faz uma viagem no tempo da arquitetura da cidade carioca.  Começando  pelo Rio de Janeiro do final do Império, quando a cidade se baseava no modelo arquitetônico da capital da França, Paris, cunhado nos preceitos da Belle Époque. A intenção era modernizar a capital brasileira, até então o Rio, com o objetivo de torná-la conhecida pelo resto do mundo. É por esse pensamento que o Palácio Monroe é construído. Grandes cúpulas e pilastras cilíndricas, colocadas de forma assimétrica para a sustentação da obra, davam ao Palácio um ar majestoso e incomum. O projeto foi criado para um concurso de arquitetura internacional e mais tarde foi trazido para o Brasil. Serviu então como sede do Senado Federal. Era significativo por ser o primeiro prédio de grande porte no Rio de Janeiro construído após a República. Localizava-se em frente a Cinelândia, na Avenida Rio Branco.
A montagem de Crônica da Demolição nos coloca diante de uma esquizofrenia de paisagens possíveis em um lugar tão peculiar que é a capital carioca. Uma sequências sobrepõe croquis arquitetônicos, imagens de arquivo e planos da cidade em nosso tempo, percebe-se o quanto o homem constrói, destrói, reconstrói. Crônica da demolição é também uma crônica sobre a liberdade e a arbitrariedade humana sob a paisagem. Durante os depoimentos, o que se nota é o total descaso em relação ao patrimônio histórico e a vida pública nas cidades, mas a argumentação não é feita de forma de persuadir e aí está o grande acerto deste documentário, uma preocupação com a colocação das falas para criar um discurso narrativo condizente e instigante, não partindo de julgamentos, mas fazendo com a gente reflita e faça uma comparação com aquele período e com relação algo parecido que acontece em nosso presente. 
Sendo assim, O Palácio Monroe é colocado como uma espécie de protagonista do  filme. Um personagem que não fala, mas existe. Para quem nunca tinha ouvido falar sobre ele, fica uma espécie de nostalgia e curiosidade. Em que tempo vivemos? Só podemos assim imaginá-lo a partir das memórias vivências de quem o conheceu. A pergunta é uma: por que exatamente o Palácio Monroe foi destruído? Diante de tantas respostas mal contadas, o filme busca encontrar explicações sobre inúmeras perguntas e das quais tão cedo não irão se calar. 

 
 
Me sigam no Facebook, twitter, Google+ e instagram

Nenhum comentário: