Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sendo frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 69 certificados),sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

quarta-feira, 24 de maio de 2017

Cine Dica: Em Cartaz: O RASTRO



Sinopse: O médico João (Rafael Cardoso) busca se consolidar na carreira. Mas ele trabalha num hospital que vai fechar as portas por causa da crise econômica, social e política que o Brasil vem enfrentando. Ele cuida da transferência de pacientes e certa noite um deles desaparece, fazendo com que João entre numa espiral de paranoia nessa busca



O filme Trabalhar Cansar de Marco Dutra provou que não é preciso, necessariamente, usar velhas fórmulas de terror para se fazer um bom filme dentro do gênero, mas sim usando a criatividade e fincando um pé em nossa realidade. Usando o suspense e mistério como pano de fundo, a trama mostra um painel da luta do brasileiro contemporâneo perante a incerteza de ter ou não um trabalho estabilizado e gerando então uma tensão realística e perturbadora. Já nesse filme O Rastro os percalços vindos de nossa realidade é também o que movem as pedras do tabuleiro da trama, mas o clima dosado de fórmulas já usadas em outros filmes de horror se sobressai, fazendo com que o filme perca um pouco de sua originalidade e da qual poderia ter ido mais longe.
Dirigido por JC Feyer, o filme acompanha e desocupação de um hospital devido à crise econômica que assola o Rio de Janeiro e o país. João (Rafael Cardoso) é o médico encarregado de cuidar da saída dos pacientes e promete para uma menina hospitalizada que fará de tudo para cuidar dela. Na noite da retirada dos pacientes a menina desaparece e João se vê numa encruzilhada sem fim para saber onde ela está. 
Tecnicamente o filme é impecável, pois além de uma fotografia sombria, da qual sintetizam tempos nebulosos para aqueles personagens, os efeitos sonoros e a trilha sonora dão um verdadeiro show de sustos. Embora surgindo em situações, por vezes, dispensáveis, não há como negar que essas duas partes técnicas é o que movem o filme e fazendo com que a gente não se distraia, mas sim fazendo com que a gente pule das poltronas. E embora surja de uma forma discreta, os efeitos visuais moldam aquele cenário desolador, fazendo com que se crie um clima claustrofóbico e apreensivo.
Porém, todos esses artifícios técnicos poderiam ter sido usados com ou sem as velhas fórmulas deste gênero. Mas a meu ver, os realizadores com certeza pensaram em puxar o público fã de filmes como O Chamado, O Grito, Invocação do Mal e dentre outros que arrastaram milhares para o cinema na última década. O resultado então é o nascimento de uma espécie de déjà vu ao longo da projeção e fazendo com que a obra perca um pouco de sua identidade própria. 
Felizmente o elenco escolhido a dedo compensa esses deslizes e fazendo com que tenhamos simpatia pelos seus personagens. Rafael Cardoso, por exemplo, está bem como protagonista, pois o seu personagem João luta, não só contra o sistema para achar a menina desaparecida, como também enfrentar a possibilidade de estar enlouquecendo. E se as presenças de Jonas Bloch e Cláudia Abreu soam dispensáveis, embora figuras importantes para a trama nos poucos momentos que surge em cena, a sempre competente Leandra Leal se sobressai, ao interpretar a esposa de João e roubando a cena no ato final do filme. 
Embora com um final corajoso e que escancara o lado hipócrita de nossa política atual, O Rastro só peca um pouco por caminhar por velhas estradas do horror e se preocupando mais em tentar atrair os fãs do gênero.  


Me sigam no Facebook, twitter, Google+ e instagram

Nenhum comentário: