Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sendo frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 69 certificados),sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

quinta-feira, 13 de abril de 2017

Cine Dica: Em Cartaz: Travessia



Sinopse: Em Salvador, Roberto acabou de perder a esposa. Além disso, o relacionamento com seu único filho vai de mal a pior. Um dia, após se embebedar e fracassar ao tentar contratar uma prostituta, ele acaba atropelando um garoto. Desesperado, coloca o menino no carro e o leva ao hospital mais próximo. Apesar do socorro imediato, Roberto precisa prestar esclarecimentos na polícia e corre o risco de ser preso.

Travessia, primeiro filme do diretor João Gabriel, possui uma ousadia em sua abordagem, mas que visivelmente, poderia ter ido mais longe. O filme tem como tema principal a desestrutura de uma família, onde o pai Roberto (Chico Diaz) possui uma forte desavença com o filho Júlio (Caio Castro) a partir da morte da mãe desse último. Observamos então o dia a dia de cada um, em vidas separadas, tendo que enfrentarem os seus próprios abismos e de formas distintas.
Embora tendo essa forte ligação, o cineasta opta em não colocar ambos em cenas e fazendo com que explore de uma forma gradual a mudanças de rumos de Roberto, por exemplo, quando ele acidentalmente atropela um menino durante a madrugada. Ao mesmo tempo, acompanhamos Júlio tentando procurar um novo etilo de vida, mas em experiências um tanto que duvidosas. Curiosamente, não fica exatamente claro o real motivo do fim dessa relação paternal que, embora tenha sido a partir da morte da mãe, fica a dúvida no ar do por que exatamente de ambos começaram a se odiar, quando na verdade deveriam se unir num momento difícil como esse.
Devido a isso, fica meio complicado para o cinéfilo ter que aceitar a cruzada de ambos os personagens sem um esclarecimento a fundo sobre o passado. Roberto, por exemplo, procura uma redenção particular ao tentar dar atenção ao jovem que ele quase matou, mas nunca fica muito claro se ele busca um novo rebento ou simplesmente eliminar a culpa que há dentro de si. Já Júlio vai para um caminho inverso, onde as cenas de festas e muito uso de drogas servem de prelúdios para o que virá a seguir para ele.
Portanto, quando a gente acha que a separação de ambos em suas cruzadas particulares fará algum sentido, as respostas simplesmente não surgem, mas sim deixa em aberto para inúmeras possibilidades sobre o futuro de ambos e o que torna o resultado final nada animador. Faz até algum sentido Roberto em tentar ajudar o garoto que ele quase matou, mas simplesmente não há um aprofundamento da queda de Júlio. Dá a impressão de que ele deveria pagar pelos seus erros, mas quais seriam eles exatamente? 
Desta forma, Travessia se mostra um filme que poderia ser muito mais do que é, mas a falta de aprofundamento através das cenas em relação ao seu tema acaba por prejudicar seu crescimento como obra. Em contrapartida não desmereço a obra, pois João Gabriel demonstra total afinidade e habilidade com a sua câmera. Porém, lhe falta um pouco mais de coragem na criação de um roteiro que não se intimide em retratar as reais origens de um rompimento familiar. 


Me sigam no Facebook, twitter, Google+ e instagram

Nenhum comentário: