Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sendo frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 68 certificados),sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

quinta-feira, 23 de março de 2017

Cine Dica: Em Cartaz: A Bela e a Fera (2017)



Sinopse: Bela (Emma Watson) vive num vilarejo com o pai, que é capturado pela Fera. Desesperada, a jovem se oferece para ser prisioneira da Fera no lugar do pai, que teve um mal-entendido com o ser horrendo. Bela se isola, mas aos poucos vai percebendo que por trás da assustadora criatura há alguém de coração e alma de príncipe.
A primeira versão do conto de fadas A Bela e a Fera (1991) lançado pela Disney foi um sucesso arrebatador, tanto que arrecadou mais de R$ 100 milhões (um recorde para uma animação naquele tempo) e conseguindo o feito de se tornar o primeiro longa metragem de animação a concorrer ao Oscar de melhor filme. O sucesso foi tão gigantesco, que a Disney acabou levando o conto para ser apresentado na Broadway e fazendo da história um enorme sucesso também nos palcos. Agora, 26 anos depois, esse mundialmente conhecido conto de fadas retorna em uma nova versão com atores, onde claramente se vê, tanto elementos da clássica animação, como também no que deu certo na peça da Broadway e nascendo então um verdadeiro espetáculo para os olhos.
A história é mesma da qual todos nós conhecemos: jovem camponesa chamada Bela (Emma Watson) é a mais bela e inteligente do vilarejo onde mora, mas pouco compreendida por aqueles que não conseguem entende-la. Após o seu pai (Kevin Kline) se perder na floresta, ele acaba se refugiando em um grande castelo encantado, mas se tornando rapidamente prisioneiro de uma criatura horrenda que auto se intitula a Fera (Dan Stevens). Bela acaba salvando o seu pai, mas tendo que ficar no lugar dele e se tornando prisioneira do castelo. Gradualmente, tanto a Fera como a Bela, começam a criar um relacionamento e do qual mudará a vida de ambos para sempre 
Para os fãs do longa animado, o filme é bastante fiel ao clássico, pois a produção praticamente possui as mesmas passagens da história da qual todos nós conhecemos. Contudo, se percebe que há sempre um acréscimo dentro da história aqui e ali, mas não para que a trama seja estendida, mas sim para que os personagens sejam mais aprofundados se for comparados as suas versões anteriores.  O início do filme, por exemplo, dá mais detalhes sobre a origem da Fera, do por que ele ter sido tão egoísta quando jovem e Bela ganha uma mãe cujo seu desaparecimento é revelado numa passagem até então inédita para o conto.
Mas se por um lado as passagens são fieis e melhoradas para essa nova versão, por outro, o elenco responsável para dar vida aos personagens fica um pouco devendo. Por mais que Emma Watson se esforce como Bela, por exemplo, me dá a impressão que, quando ela se apresenta na trama cantando, ela está meio nervosa, não se soltando e atrapalhando assim a sua apresentação no início do filme. Porém, seu desempenho melhora um pouco no decorrer do filme, principalmente quando começa a contracenar com a Fera e nos convencendo que a jovem pode sim se apaixonar pela criatura.
Contudo, a imagem da Fera em si é um tanto que desapontadora, pois mesmo com os efeitos visuais de ponta atualmente, os criadores não conseguiram criar uma expressividade genuína para o personagem e se tornando inferior se comparada com a animação. O mesmo vale para os personagens que são objetos vivos dentro do castelo que, ao invés de possuírem expressões quase humanas, elas simplesmente quase não são vistas quando eles se apresentam em cena e somente a gente repara que o bule de chá tem lábios e olhos, por exemplo, quando a câmera a foca mais de perto. Isso acaba sendo ainda mais desapontador quando nos damos conta que os personagens ganharam vozes de pessoas talentosas (como de Ewan McGregor e Emma Thompson), cujo seus talentos acabam sendo um tanto que desperdiçados e que poderiam ser facilmente substituídos por outros sem que a gente percebesse.
Felizmente a ala dos vilões compensa a falta de melhores interpretações do longa metragem, já que  Luke Evans e Josh Gad dão um show em cena e se tornando até mesmo melhores que as suas contra partes da animação. Evans, por exemplo, nos assombra com tamanha semelhança que possui com o divertido e famigerado Gaston e fazendo que tenhamos tanto repulsa como também desejo que o seu personagem surja cada vez mais na trama. Mas a surpresa mesmo fica por conta Josh Gad como personagem LeFou que, se na versão animada o seu personagem era apenas bobo e puxa saco de Gaston, aqui ele ganha mais profundidade graças ao talento do ator e fazendo do momento musical da taverna se tornar um dos momentos mais divertidos do longa.
Aliás, os números musicais do filme é que dá alma a produção e fazendo a gente se esquecer das falhas que eu citei acima. Com uma bela fotografia e edição de arte caprichada, os números musicais são praticamente os mesmos que nós já conhecemos pelo longa metragem original, mas moldados de uma forma tão rica e cheia de detalhes, que nos passa a sensação de que estamos presenciando esses momentos pela primeira vez e enchendo os nossos olhos de luzes e cores acalorados. A famosa cena da valsa protagonizada pelo casal central, por exemplo, é sem sombra de dúvida um dos momentos técnicos mais belos vistos nesse ano.
Embora com os seus defeitos, A Bela e a Fera de 2017 é um belo filme para ser visto e revisto por pessoas de todas as idades e fazer a gente mergulhar num universo cheio de detalhes. 




Me sigam no Facebook, twitter, Google+ e instagram

Nenhum comentário: