Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sendo frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 68 certificados),sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

terça-feira, 17 de janeiro de 2017

Cine Dica: Em Blu-Ray, DVD, Netflix e locação via TV a Cabo: Sob As Sombras



Sinopse: Nos anos 1980 no Teerã, durante a guerra Irã-Iraque, mãe e filha tentam sobreviver em meio a explosões de bombas e mísseis. Com o passar do tempo, o conflito é intensificado e mãe se torna obcecada pela ideia de que sua filha está possuída por espíritos malignos chamados Djinn.

O filme Demon do ano passado não era apenas um filme de terror, como também uma espécie de crítica de uma sociedade que se encontra cada vez destruindo mais suas raízes e dando lugar ao novo e sem conteúdo. Nesses casos, o horror acaba se tornando pano de fundo, dando lugar a inúmeras possibilidades e gerando um ótimo debate após a sessão. Em Sob As Sombras o horror, aparentemente sobrenatural, por vezes, se torna mero coadjuvante e dando lugar ao fato de que opressão é muito mais perigosa do que a própria figura de um fantasma.
Estamos nos anos 80, onde irã e Iraque travam uma feroz guerra. Em meio essa situação, uma iraniana (Narges Rashidi) tenta seguir os passos da mãe como médica, mas é impedida de concursar por ter pertencido à oposição e contra a revolução de 1979. O marido é convocado para ajudar os feridos na guerra enquanto ela e sua filha ficam isoladas no apartamento onde vivem. Enquanto a maioria das pessoas abandona o prédio devido aos bombardeiros, eventos ocorrem, fazendo com que as duas permaneçam no apartamento e ao mesmo tempo coisas estranhas começam a acontecer.
Dirigido pelo estreante Babak Anvari, o filme começa com um cenário nada acolhedor para as mulheres que vivem naquele país, pois basta não usar véu na rua, que a mulher pode ser presa, ou até mesmo apedrejada. O que gosta de fazer, ou até mesmo apreciar algo de fora (como fitas de vídeo de aeróbica americana) tem que ser às escondidas e fazendo com que o seu dia a dia se torne uma prisão. Com esse cenário, nem seria preciso uma entidade sobrenatural para assombrar a protagonista, mas eis que essa situação imprevisível acontece e fazendo com que tenhamos inúmeras interpretações do porque elas surgem.
Na realidade, o horror pode estar acontecendo em duas frentes na trama, onde a crença dá indícios de que realmente algo sobrenatural no ar. Porém, o cenário de opressão pode-se criar muito bem um terror psicológico, já que as duas personagens centrais podem muito bem estarem sendo enganadas por suas próprias mentes. O filme nos dá então essa possibilidade de escolher sobre o que pode estar realmente acontecendo, convidando tanto o crente como o descrente a assistir e debaterem então juntos.
Em meio a isso, o cineasta nos brinda com todos os ingredientes para um bom filme de terror. Como vivemos num tempo em que vultos no escuro, madeira rangendo e figuras fora de foco amedrontam o cinéfilo, aqui não poderia ser diferente, mas tudo acontecendo a serviço de uma boa história, da qual nos manténs ligados a ela até o final de sua projeção. É claro que haverá alguém que irá comparar o filme com O Chamado, Água Negra e até filmes recentes como Invocação do Mal, mas nenhum deles possui ao fundo um teor crítico tão forte nas entrelinhas e fazendo então toda a diferença para a história. 
Com pouco mais de uma hora meia, Sob As Sombras é um exemplo de filme de horror do qual não é necessário haver litros de sangue na tela para nos assustar, pois basta o nosso mundo real não ser tão acolhedor para já nos deixar apreensivo com relação ao que vem a seguir.


Me sigam no Facebook, twitter, Google+ e instagram

Nenhum comentário: