Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sendo frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 68 certificados),sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

terça-feira, 13 de dezembro de 2016

Cine Dica: Em Cartaz: Sangue do meu Sangue



Sinopse: No século XVII, Federico (Pier Giorgio Bellocchio) viaja até um monastério a fim de lutar pela alma de seu irmão, que se suicidara e, portanto, é impedido de ser enterrado em sangue sagrado. A única maneira de reverter isso é fazer com que a irmã Benedetta (Lidiya Liberman), amante do irmão do protagonista, confesse sua culpa, seu pecado. Dito isso, ela passa por inúmeras provações a fim de testar seu espírito, gerando angústia em todos os presentes ao testemunharem seu constante silêncio e seu olhar de escárnio que é quase uma visão do presente sobre o passado.

A fé cega e intolerante da Igreja é colocada em cheque no italiano Sangue do meu Sangue, fazendo com que, nós que assistimos, questione sobre o passado cheio de violência e faça com que criemos um paralelo com a realidade atual, que vai desde questões de preconceito e aceitação do diferente. Dito isso, é um filme que nos deixa inquieto e que fará com que, por um bom tempo, faça com que a gente reflita com relação ao que assistimos após a sessão. Motivos para isso é o que não faltam e é nisso que o torna tão sedutor.
O protagonista Federico é visivelmente um homem cheio de conflitos internos, suas motivações são inconclusivas e suas ações beiram de uma forma precipitada. Talvez isso se deva ao fato do personagem se sentir deslocado perante um mundo até então inédito para ele e o que faz então ser alguém facilmente persuadido, seja pela igreja ou pela enigmática personagem feminina da trama. Logicamente torcemos por ele tomar uma iniciativa contra aqueles que desejam dobrar a mulher da trama ao meio, mas ele próprio se dobra perante no que acredita cegamente.
Dirigido por Marco Bellocchio (A Bela que Dorme), o cineasta procura deixar claro o quão é frágil toda aquela situação, onde questões como religião, alma e honra, moldam aquele universo e faz com que questionemos aquilo á todo momento. Se for para simplificar, Federico é a representação do silêncio de inúmeras pessoas ao longo dos séculos, que viam as atrocidades que a igreja cometia, mas nada se fazia. Uma representação como um todo com relação à Caça ás Bruxas, sendo que nenhum momento o roteiro faz com que a personagem se torne culpada daquela situação e fazendo com que nos remoemos com as cenas de tortura da qual ela sofre.
Perante a isso, a fé e o pecado são colocados em pratos limpos, provando a inquietude que as pessoas têm pelo desejo da salvação, quando na realidade se enterram cada vez mais no que acreditam. Não bastasse isso, a história então passa a atuar em dois tempos distintos, mostrando como um julgamento errôneo pode alterar todo o rumo de uma história, gerando ainda mais miséria, uma sociedade corrupta, amaldiçoada e parada em seu próprio tempo. Essa mudança de uma hora pra outra dentro da trama, causa então um estranhamento para aqueles que assistem e essa sensação vai até o seu clímax que, aliás, potencializa ao máximo o trabalho do fotografo Daniele Ciprì, já que o uso de luz e sombras se torna a alma do filme.
Vale destacar o fato que os minutos finais vêm com a versão de Nothing Else Matters feito por Scala & The Kolacny Brothers, uma releitura verdadeiramente íntima da música do Metallica. Sangue do meu Sangue permanecerá com toda força na mente daquele que for assistir, pois sua mensagem com relação ao passado ecoa como metáfora com relação à impotência do homem perante as suas próprias regras criadas.

Me sigam no Facebook, twitter e Google+

Nenhum comentário: