Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sendo frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 69 certificados),sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

sexta-feira, 16 de dezembro de 2016

Cine Dica: Em Cartaz: ROGUE ONE – UMA HISTÓRIA STAR WARS

Sinopse: Situado antes dos eventos de Star Wars: Episódio IV - Uma Nova Esperança (1977), a história se passa após a fundação do Império Galáctico, quando um grupo rebelde de combatentes de juntam para uma missão desesperada: roubar os planos da temida Estrela da Morte. 


Quando de Star Wars: Episódio IV - Uma Nova Esperança foi lançado no final da década de 70, os EUA viviam em tempos nebulosos: derrota no Vietnam, crise econômica, escândalo de Watergate, racismo, intolerância e aumento da criminalidade em grandes cidades como Nova York. O filme veio para dar uma levantada na moral, onde o povo assistia um grupo de rebeldes contra um grande império, do qual trazia somente perseguições e mortes para inúmeras pessoas em toda a galáxia. Depois de duas trilogias, e mais o começo de uma  iniciada com O Despertar da Força no ano passado, chega a vez de  Rogue One - Uma História Star Wars, do qual trás novamente idéias já exploradas do filme de 1977, mas que de uma forma surpreendente, corresponde com diversos assuntos atuais, principalmente com relação ao fascismo que está cada vez aumentando, tanto nos EUA, como também no Brasil e no mundo.
Dirigido por Gareth Edwards (Jurassic World) o filme acompanha a história de Jyn Erso (Felicity Jones), que vê sua mãe sendo morta na sua frente e seu pai Galen (Mads Mikkelsen) sendo levado pelo império galáctico e sendo forçado a construir uma incrível arma de destruição, ou seja, a Estrela da Morte. Anos se passam e Erso se torna uma rebelde fora da lei, mas logo é resgatada (a contra gosto) pela aliança rebelde, que lhe dá a missão de chegar até o guerrilheiro Saw Gerrera (Whitaker), que aparentemente recebeu uma mensagem secreta enviada por Galen através do piloto Bhodi Rook (Ahmed). A partir daí, a relutante heroína ganha à companhia do rebelde Cassian Andor (Luna), do monge-guerreiro Chirrut Îmwe (Yen) e seu companheiro Baze Malbus (Wen) e do droide K-2SO (Tudyk), que foi reprogramado para ajudar aqueles que se opõem ao Império.
Embora a trama esteja inserida em uma saga vasta, cujo seu universo já se espalhou tanto por games, séries, gibis e livros, Rogue One é uma história que possui começo, meio, fim e não faz com que você se veja obrigado a ter que assistir a outros filmes para entender a trama. Aliás, embora com toda a sua riqueza de informações, a trama é aparentemente simples, mas ao mesmo tempo madura e que explora situações até então inéditas dentro da franquia. É como se você revisitasse uma velha casa conhecida, mas nunca havia percebido alguns detalhes nela, dos quais poderiam ter sido mais bem explorados.
É claro que sempre havia um temor em se criar uma trama isolada e sem a participação dos personagens principais da franquia. Porém, havia sempre aquela curiosidade em explorar situações das quais haviam apenas sido citadas anteriormente, como no caso das missões de outros rebeldes contra o império. Felizmente os roteiristas foram habilidosos ao criarem uma galeria de personagens onde cada um possui uma personalidade distinta e que foram muito bem exploradas.
Mas, embora com inúmeros personagens interessantes, a alma do filme se encontra mesmo na personagem Jyn Erso, cuja sua personalidade forte, faz então com que ela se torne relutante perante a situação da qual ela se meteu. Mesmo com a possibilidade de reencontrar com o seu pai, a sua rebeldia em não se meter na causa se torna um dos grandes charmes da trama, pois ela aos poucos vai mudando, conforme vai testemunhando os horrores que o império criou a sua volta. Claro que muito dessa complexidade da personagem se deve muito ao empenho da atriz Felicity Jones, cujo ápice da sua interpretação é quando ela dá de encontro com a imagem de uma gravação do seu pai e faz com que sua personagem revele outra faceta de sua pessoa até então escondida dentro dela.
Dos demais personagens, se por um lado Cassian Andor (Diego Luna) é um personagem apenas “ok” com relação a sua conduta em favor da causa, o droide K-2SO  acaba sendo um pequeno, porém, eficaz alivio cômico durante a trama graças ao seu humor sarcástico. O mesmo não se pode dizer do rebelde Bhodi Rook (Ahmed), cujo seus poucos momentos em cena não fazem com que tenhamos simpatia por ele o suficiente.
Do restante do grupo, acabamos realmente nos importando mesmo com a dupla formada pelo monge-guerreiro Chirrut Îmwe (Yen) e seu companheiro Baze Malbus (Wen), cuja suas teorias com relação à Força trazem a tona uma discussão sobre fé e descrença em meio ao caos. Aliás, Chirrut Îmwe é um personagem que os fãs da franquia irão guardar na memória com muito carinho, pois embora não seja um jedi, sua fé faz com que tome decisões imprevisíveis e emocionantes no decorrer da trama. Fé, aliás, era algo que quase não foi muito explorado durante a franquia, sendo que o único vislumbre disso era através das palavras do mestre Yoda lá atrás no Império Contra Ataca. 
Falando em personagens clássicos, alguns deles surgem no decorrer da história, mesmo que de forma rápida. Se por um lado RD2 e C3PO aparecem em poucos segundos, temos uma surpreendente participação de Darth Vader em duas cenas chaves que, aliás, a segunda é genuinamente assustadora e imprevisível. E como se bastasse isso, os efeitos visuais tiveram papel fundamental para recriar a presença do ator Peter Cushing através de um dublê e trazer de volta em cena o maléfico Governador Tarkin que havia aparecido pela primeira vez em Uma Nova Esperança. 
Falando em efeitos visuais, alguns que forem assistir podem até dizer que a presença deles é discreta aqui, mas isso colaborou para não desvirtuar o lado retro que o filme possui e que se encaixa com o visual visto na trilogia original. Porém, toda ação e parte técnica dos efeitos se concentraram mais no grande ato final, onde os rebeldes liderados Jyn Erso tentam dar a última cartada contra o império para então roubar os planos com relação à Estrela da Morte. Aqui, o cineasta Gareth Edwards consegue a proeza de injetar um grau de verossimilhança poucas vezes visto na franquia e fazendo a batalha, tanto no espaço como na superfície se tornarem cruas, violentas e realistas.
Claro que para a maioria dos fãs que tem no mínimo algum conhecimento da história da franquia, pode até tirar uma base de como a trama termina, mas para a maioria do público ela poderá até mesmo soar trágica e imprevisível. Não tinha como ser diferente, mas ao mesmo tempo é uma prova de como os seus realizadores foram corajosos em sua proposta e dando um exemplo de como a saga pode sim ainda criar histórias originais e que das quais nos emocionem. Se até então o universo expandido de Star Wars era para mim algo descartado, aqui ele me provou que, se for bem conduzido, pode ser sim bem apreciado. 
Com um final que termina exatamente aonde começa Episódio IV: Uma Nova Esperança, Rogue One - Uma História Star Wars acerta em cheio ao se corresponder com a nossa realidade atual, da qual se encontra cada vez mais se afundando num fascismo de proporções mundiais, mas nos passando a lição de que nunca é tarde para redescobrirmos a esperança que há dentro de todos nós. 


 
Me sigam no Facebook, twitter e Google+

Nenhum comentário: