Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sendo frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 69 certificados),sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

quinta-feira, 20 de outubro de 2016

Cine Especial: Cinema Explícito: Êxtase, censura e transgressão: Parte 6



Nos dias 22 e 23 de outubro eu estarei participando do curso Cinema Explícito: Êxtase, censura e transgressão, criado pelo Cine Um e ministrado pelo escritor e crítico de cinema Rodrigo Gerace. Enquanto os dias da atividade não chegam, por aqui eu irei relembrar um pouco dos principais filmes do cinema explicito, dos quais não só nos excita como também nos provoca e nos faz pensar.




As cores e o sexo quente de Almodóvar


Sendo mundialmente conhecido como o melhor cineasta que sabe traduzir para a tela sobre o universo feminino, Almodóvar também não se intimida quando o assunto é com relação ao sexo. Abaixo, cito cinco filmes, dos quais o sexo é uma peça essencial para o desenvolvimento de tramas incríveis dentro do universo pessoal desse cineasta autoral.  



 1º) A Lei do Desejo (1987)

Lançado no Brasil, quase dez anos depois de seu lançamento, este é o filme mais radical, ousado e pessoal de Almodóvar. Ele quebra quase todos os tabus, sexuais, religiosos e morais, realizando mais uma de suas assumidas odes á estética kitsch. O filme é ácido e combina em doses equilibradas de tragédia e humor rasgado. Amantes de Almodóvar consideram este o seu melhor filme. Já os demais espectadores podem se divertir com o universo surreal e hedonista do roteiro.  
 

2º) Ata-me!  (1989)


Embora menos mordaz do que seus sete filmes anteriores da época, Almodóvar trata com ironia assuntos sérios como paixão, drogas, menores abandonados e o próprio cinema. Fotografado em cores berrantes, é simpático e interessante. Musica de Ennio Morricone, que por vezes, soa soberba e eficaz. Apesar de poucas cenas de sexo, curiosamente foi classificado com “X” (pornô) nos EUA.   


 

3º) De Salto Alto (1991)

Nono filme do cineasta que deixa levar para territórios até então pouco explorados em seu cinema. A narrativa eletrizada se atenua um pouco, os momentos melodramáticos superam os cômicos, os personagens parecem ganhar mais relevo, desenhados em seus mínimos detalhes. Embora seja uma produção antes de outros clássicos do diretor como Carne Tremula, Fale com Ela e Tudo sobre Minha Mãe, é de se espantar de como o filme era muito a frente de seu tempo, em termos de história, que dificilmente se via algo parecido naquele tempo.
Em De Salto Alto, como na maior parte de seus filmes, Almodóvar cria um universo de drama queens, paixões fulminantes, personagens que precisam desesperadamente de atenção, egoísmos, traições e lutas pelo poder. Pode não ser um dos melhores da carreira do cineasta, mas é um dos mais gostosos e interessantes de se assistir.



 4º) Kika (1993)


O filme tem um começo vertiginoso, com habitual humor corrosivo do diretor, algumas sequências kitsch e cenas de sexo que beiram o explicito. O resultado de tudo isso é muita diversão com o toque dramático, polêmico e surreal no melhor estilo do cineasta. Fourque Abril e Rossy de Palma estão deliciosamente engraçadas, sendo que Abril, no papel de uma jornalista sensacionalista (Andrea Caracortada), veste figurinos de Jean Paul Gaultier.  



5º) Carne Trêmula (1997)

Baseado no livro da Inglesa Ruth Rendell (como profícua autora de policiais), Almodóvar faz aqui sua obra prima de comédia dramática. Ação e erotismo se mesclam formando um estranho e fascinante encadeamento em diversas situações. Político melodramático ao mesmo tempo, o filme tem um belo epílogo algo cíclico. Excelentes atuações de todo o elenco, com destaque para Barden como o policial David. A controlada visualização beneficiou-se com a fotografia do brasileiro Afonso Beato.
 
O sexo sedutor a lá francesa

Se alguns países ainda retratam o sexo no cinema com um teor conservador, por sua vez, a frança não se intimida nem um pouco com relação a esse assunto. Pode-se dizer que na última década o berço do cinema lançou inúmeros títulos, ao retrata o sexo não como tabu, mas sim como algo comum do dia a dia das pessoas. Pensando nisso, posto abaixo três títulos que sintetizam bem isso o que ocorre por lá.   



AZUL É A COR MAIS QUENTE (2013) 


Num determinado momento da primeira hora de Azul é a cor mais quente, Adele (Adle Exarchopoulos) esta tendo um sonho erótico com relação à garota que ela havia cruzado na rua, Emma (Adele Exarchopoulos). No principio, o travesseiro que ela usava era todo branco, mas bastou ela começar a ter o sonho, que ele começou a ficar manchado de azul, ao ponto dele ficar diferente da primeira cena em que ele surgiu. Essa sequência representa muito bem inúmeros momentos do filme, em que objetos de cena, assim como o fundo do cenário, possuem a cor azul, mas que talvez não estejam exatamente desta cor, mas estão assim devido aos pensamentos de Adele que transbordam na tela, principalmente com relação à pessoa que ela busca para amar. Leia mais da minha crítica escrita na época do lançamento do filme clicando aqui.
 

UM ESTRANHO NO LAGO (2014)
Colocado como o melhor filme de 2013 pela revista Cahiers du Cinema, Um Estranho no Lago é um  filme que retrata as relações e os riscos que elas podem trazer para a pessoa. Na trama, Franck (Pierre Deladonchamps) é um jovem que vai todo dia num lago rodeado por um bosque, aonde homens vão para se relacionar sem compromisso com outros homens. Enquanto curtia a água do lago, Franck da de encontro com um homem solitário, Henri (Patrick d'Assunçao) numa  parte do lago e vai conversar, se tornando apenas amigos e conhece também Michel (Christophe Paou), um homem com atitudes ambíguas por qual Franck se apaixona e inicia uma relação, mal sabendo o que está prestes a se meter. Leia mais da minha crítica escrita na época do lançamento do filme clicando aqui.




LOVE (2015)
Em 1979, o diretor Tinto Brass (A Pervertida) realizou o que foi considerado na época como o maior épico pornô da história do cinema, Calígula. No filme, acompanhamos todas as loucuras e perversões do insano Imperador Romano (interpretado pelo genial Malcolm McDowell) que, além de oferecer as filhas e esposas dos senadores para uma orgia, tinha um caso de amor e incesto com a própria irmã. Com inúmeras cenas de sexo explicito (com direito a penetrações filmadas, lesbianismo e sexo oral), o filme chocou o mundo na época, mas é considerado hoje como o filme que melhor soube retratar o que era realmente o Império Romano, seja com relação à política, seja com relação ao sexo dos romanos da época entre quatro paredes.
A meu ver, Tinto Brass queria retratar uma época que o sexo era algo comum no dia a dia e não como uma espécie de tabu em que os conservadores de hoje tanto tentam moldurar. Vivemos numa época hipócrita em que pessoas rotulam as outras devido as suas atitudes e opiniões com relação ao sexo, quando na verdade, aquele que dá lição de moral, é o que na realidade mais gosta de uma boa sacanagem. Nesse cenário hipócrita do politicamente correto, cabe o cinema de vez em quando lançar uma obra que mexa com os pensamentos (e hormônios) daqueles que somente houve lições de moral com relação ao assunto e coube Gaspar Noé (Irreversível) lançar Love para nós dizer que o amor sem sexo não é amor, mas algo frio e sem sentido. Leia mais da minha crítica escrita na época do lançamento do filme clicando aqui.


Mais informações e inscrições para o curso você clica aqui. 

Me sigam no Facebook, twitter e Google+

Nenhum comentário: