Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sendo frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 69 certificados),sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

quarta-feira, 21 de setembro de 2016

Cine Dica: Curso Michael Haneke


Apresentação

Michael Haneke nasceu na Alemanha em 1942, mas se naturalizou austríaco, e vivenciou as consequências da Guerra, com marcas que permanecem em seu trabalho. Certamente, é um dos cineastas mais relevantes a refletir sobre o lado sombrio de nosso tempo, pois está longe de descartar a atualidade da ascensão do fascismo, da xenofobia e da intolerância. Trouxe esses temas para o centro dos seus filmes em acontecimentos cotidianos e aparentemente banais, tornando-se um dos mais relevantes e polêmicos cineastas ao utilizar a alegoria e a ambiguidade como destaques nos seus relatos.

“É mais difícil para o espectador ver os meus filmes do que para mim
e para meus atores fazê-los”

Alguns dos temas centrais para o diretor austríaco, que encarnam nosso tempo, são: nossa incapacidade em se relacionar (perda do vínculo comunitário, a alienação do indivíduo na dificuldade em lidar com o desconhecido) e a representação televisual da violência (essencialmente na influência da mídia na nossa percepção da realidade, a banalização da violência que afetaria nosso potencial de se chocar com ela). Haneke é muito conhecido pela maneira radical que testa o limite ou provoca o espectador para causar incômodo, perturbar o seu lugar e a busca por certezas. Ele diz refletir sobre nossos medos e interditos pois, para o cineasta, o cinema não deve apenas contar uma história: cabe a ele chamar atenção, causar reflexão ao desacomodar o espectador.
São características dos seus filmes os planos fixos, longos, que podem até causar estranhamento para quem está acostumado com o ritmo frenético do cinema tradicional hollywoodiano. Elementos como o contraste do claro-escuro são utilizados para ressaltar a atmosfera perturbadora na qual muito dos seus personagens encontram-se envoltos. Dentre suas influências estão: o Neorrealismo e os cineastas Michelangelo Antonioni, Ingmar Bergman, Robert Bresson e Abbas Kiarostami.

Objetivos

O curso Michael Haneke: O lado sombrio do nosso tempo, ministrado por Bruno Maya, tem por objetivo apresentar um panorama sobre a filmografia do cineasta. Contextualizar sua produção ao debater sobre sua relevância, suas influências e as polêmicas estabelecidas pelo diretor que se manifesta na contramão do cinema comercial hollywoodiano. Será analisada a filmografia do diretor, destacando os elementos e as escolhas que caracterizam seus filmes, bem como as mudanças que ocorrem em sua trajetória. O curso visa, por meio do estudo da sua concepção de cinema, em função essencialmente do que estipula com relação ao espectador, compreender porque Michael Haneke é um dos diretores mais polêmicos da atualidade.   
“A nossa sociedade está mergulhada na violência,
eu a represento porque a temo, e acho que devemos refletir sobre isso”

Público alvo
Esta atividade é aberta a todos os interessados.
Não é necessário nenhum pré-requisito de formação e/ou atuação profissional.


Conteúdo programático

Aula 1

- Contextualização sobre a biografia de Michael Haneke: a formação em Viena, a experiência de crescer em época de guerra.
- Haneke e a polêmica dos seus filmes na representação da violência: o maldito e o lado sombrio de nosso tempo.
- Haneke e o espectador: o cinema-provocação e a representação da violência.
- Suas influências e um pouco do cinema novo austríaco: uma crítica ácida a burguesia.


Aula 2

- Os primeiros filmes, chamados de "trilogia glacial": O Sétimo Continente (1989),Benny´s Video (1992) e 72 Fragmentos para uma Cronologia do Acaso(1994).
- O filme-provocação: Funny Games (1998), e a refilmagem polêmica em 2007.
- A construção da atmosfera sombria.
- A ambiguidade, a alegoria e a sugestão: O Castelo (1997), Código Desconhecido(2000), A Professora de Piano (2001), O Tempo do Lobo (2003), Caché (2005), A Fita Branca(2008) e Amor (2012).
- O espectador em cena.



Ministrante: Bruno Maya
Doutorando em Comunicação Social pela PUCRS, e formado em jornalismo pela mesma universidade. Desenvolve pesquisa na área de cinema e audiovisual desde 2004, na qual trabalhou em um estudo sobre o cinema brasileiro. Atualmente realiza pesquisa sobre realismo no cinema (incluindo a filmografia de Michael Haneke), vinculada ao grupo Cinesofia (PPGCOM-PUCRS).


Curso
MICHAEL HANEKE: O LADO SOMBRIO DO NOSSO TEMPO
de Bruno Maya

Datas: 08 e 09 / Outubro (sábado e domingo)

Horário: 15h às 18h

Duração: 2 encontros presenciais (6 horas / aula)

Local: Cinemateca Capitólio
(Rua Demétrio Ribeiro, 1085 - Porto Alegre - RS)

Investimento: 
R$ 90,00
(Valor promocional de R$ 70,00 para as primeiras 10 inscrições por depósito bancário)
Formas de pagamento: Depósito bancário / Cartão de Crédito (PagSeguro - parcelado)

Material: Certificado de participação e Apostila (arquivo em PDF)

Informações: 
cineum@cineum.com.br
 / Fone: (51) 9320-2714


Nenhum comentário: