Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sendo frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 69 certificados),sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

terça-feira, 30 de agosto de 2016

Cine Dica: Em Cartaz: ÁGUAS RASAS



Sinopse:Nancy (Blake Lively) é uma jovem médica que está tendo de lidar com a recente perda da mãe. Seguindo uma dica sua, ela vai surfar em uma paradisíaca praia isolada, onde acaba sendo atacada por um enorme tubarão. Desesperada e ferida, ela consegue se proteger temporariamente em um recife de corais, mas precisa encontrar logo uma maneira de sair da água.

O clássico Tubarão de 1975, mexeu tanto com os alicerces do cinema americano naquele tempo, que não demorou muito para que houvesse continuações e imitações uma pior do que a outra ao longo dos anos. Nos anos 90 e 2000 não foi muito diferente e tivemos inúmeras outras pérolas bem beirando ao trash, como no caso do inacreditável Tornado de Tubarões. Quando parecia que o subgênero cairia no esquecimento ou no ridículo total, eis que surge Águas Rasas, um pequeno, mas eficiente filme de suspense.
Dirigido pelo espanhol Jaume Collet-Serra (A Órfã) acompanhamos a viagem de Nancy (Blake Lively) para uma praia paradisíaca onde sua mãe já falecida esteve lá um dia. Ao chegar ao local, ela começa a curtir as ondas perigosas que o mar lhe trás. Porém, um tubarão branco começa a transformar o dia da garota num verdadeiro inferno e faz com que ela fique ilhada numa pedra e distante da beira da praia.
É basicamente isso o filme, onde tudo se concentra na presença de sua protagonista e as suas motivações que a levam aquele lugar para tirar umas férias e que acaba dando tudo errado. Talvez alguns até se incomodem do pequeno drama inserido na trama, por exemplo, de ela ter perdido a mãe na luta contra o câncer e que pode soar um tanto que artificial demais em alguns momentos. Porém, isso serve para humanizar e simpatizarmos com a personagem, pois só colocá-la na água e encarar a fera, talvez isso não fosse o suficiente para torcemos por ela em sobreviver até o final.
O genial do filme está na construção do cenário de terror que irá dominar aquele paraíso. Gradualmente a personagem se dá conta que não está sozinha num momento de calmaria e é ai que ela precisa agir para sobreviver. Com a perna mordida, e poucos recursos de sobrevivência, Nancy usa os conhecimentos que possui para agir contra o tempo, pois por alguma razão (magia de cinema?) o tubarão jamais sai de perto onde ela se encontra. Tem se então um verdadeiro cruzamento entre 127 horas com Tubarão e dessa mistura se cria um verdadeiro duelo de ser humano contra a natureza implacável.
O cineasta foi também habilidoso nas montagens de cena, onde em um único momento presenciamos três quadros em um, para assim então termos uma total plenitude do ponto dos acontecimentos. O ápice desses momentos é quando a protagonista calcula com o seu relógio  a aproximação e afastamento do tubarão enquanto ela encontra uma maneira de obter recursos para sobreviver, desde em pegar um pedaço de prancha, como também uma câmera digital boiando na água. São momentos como esse em que a montagem e ângulos fora do padrão que fazem do filme tão envolvente.
O filme somente peca um pouco em seu ato final, onde a protagonista fará de tudo para sobreviver, nem que para isso quebre certas leis da realidade do lado de cá. Claro que estamos falando de um filme de suspense com umas pitadas de ação, mas ao mesmo tempo sempre exigimos certo grau de verossimilhança nas cenas apresentadas de determinados filmes. Os minutos finais só não são ruins, pois existem coisas piores no mundo cinematográfico, como os finais medonhos das continuações de Tubarão que ganham de disparado em termos de ruindade. 
Apesar dos pesares, Águas rasas é eficiente em entreter e fazer com que pulemos das cadeiras em momentos chaves. Um exemplo de pequeno filme, mas que tem muito a oferecer em pouco mais de uma hora de sessão.  



Me sigam no Facebook, twitter e Google+

Nenhum comentário: