Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sendo frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 68 certificados),sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

terça-feira, 7 de junho de 2016

Cine Dica: Em Cartaz: YORIMATÂ



Sinopse: Documentário relembra a carreira da dupla Luhli e Lucina, artistas que ganharam reconhecimento nos anos 1970, explorando o cenário hippie. As duas foram pioneiras da música independente brasileira e até hoje vivem um relacionamento a três com o fotógrafo Luiz Fernando Borges da Fonseca, que ao longo dos anos captou várias imagens das cantoras e instrumentistas por meio de uma câmera Super 8.

O nome Yorimatã surgiu da união de iorubá com tupi-guarani, referindo-se ao nome de uma de das músicas das cantoras e compositoras Luli e Lucina: Yorimatã Okê Aruê, que significa “salve a criança da mata”. Essas duas garotas se tornaram fortes imagens do universo hippie do nosso país durante os anos 70. O diretor Rafael Saar criou inúmeros curtas-metragens e já trabalhou com outro cineasta, Joel Pizzini no documentário sobre Ney Matogrosso, Olho Nú de 2014.
Foi no percurso da criação do filme de Joel que Rafael conheceu Luli e Lucina. Embora não sejam muito lembradas pela geração de hoje, as duas possuem um peso enorme, não só na história da música brasileira, como no comportamento livre que buscava o seu espaço na época e que ainda busca liberdade total até hoje. O cineasta então decidiu criar seu primeiro longa sobre essas duas garotas, que possuem uma cruzada de altos e baixos, mas que com muita união e amor colheram muitos louros.   

O documentário tem participado de inúmeros festivais, inclusive os de temática LGBT, como no caso do 23º Festival Mix, em São Paulo e  9º For Rainbow, em Fortaleza. Isso se deve muito a relação de Luli e Luciana, da qual a sintonia entre as duas era tão grande, que elas não viam problemas de uma delas ser casada. Luli já era casada com o fotógrafo Luiz Fernando da Fonseca quando conheceram Lucina na época. Isso não impediu de ambas sentirem uma identificação fortíssima por meio da musica e o que acabou se estendendo na vida do casal e formando uma relação a três.   

O longa abre com uma cena de ambas cantando e tocando violão. Somente depois dessa apresentação é que somos convidados a entender o universo particular de ambas as personagens. Para o cinéfilo desinformado ou sem nenhum conhecimento sobre MPB, é super interessante conhecer o vasto em termos de composições das quais elas criaram para os cantores de sucesso da época como Ney Matogrosso, Gilberto Gil, Tetê Espindola, Joyse e inúmeros outros.     

Além disso, os cantores surgem em imagem de ontem e hoje, sendo que as imagens mais antigas são de Super 8, onde mostram a dupla trabalhando e mostrando o dia a dia delas com o marido. Mas o que torna Luli e Lucina importantes no universo da musica brasileira é que elas foram as primeiras do mundo da música ao lançarem um disco independente no Brasil. Isso se deve ao fato delas sempre recusarem a entrar no estilo que as gravadoras sempre exigiram na época para os cantores que buscavam o sucesso.  

Outra coisa que diferenciava a dupla dos demais cantores do período era a utilização dos seus tambores nas apresentações na TV e em show pelo país a fora. O desempenho das duas no palco deveria ter sido muito contagiante na época, pois visto pelo documentário já nos conquista. Com o debate da liberação feminina cada vez mais forte na época, a música de ambas fez um grande sucesso através do público feminino que se identificavam com a letra. 
Yorimatã é recomendável para ser visto por todos, principalmente por aqueles que, não somente curtem a música brasileira, como também para aqueles que defendem o feminismo, liberdade de expressão e o amor livre para todos.


 
Me sigam no Facebook, twitter e Google+

Nenhum comentário: