Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sendo frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 69 certificados),sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

segunda-feira, 15 de fevereiro de 2016

Cine Dica: Em Cartaz: BROOKLYN



Sinopse: A jovem irlandesa Ellis Lacey (Saoirse Ronan) se muda de sua terra natal e vai morar em Brooklyn para tentar realizar seus sonhos. No ínicio de sua jornada nos Estados Unidos, ela sente falta de sua casa, mas ela vai tentando se ajustar aos poucos até que conhece e se apaixona por Tony (Emory Cohen), um bombeiro italiano. Logo, ela se encontra dividida entre dois países, entre o amor e o dever.



Saoirse Ronan talvez venha a ser o mais novo jovem grande talento do cinema americano atual. Chamando atenção pela sua atuação em Desejo e Reparação (indicada ao Oscar) a atriz de talento precoce vem atuando em diversos gêneros, até mesmo em filmes de ação como Hanna. Em Brooklyn ela esbanja talento, mesmo numa produção que fica muito aquém do esperado.
Não que a obra seja dispensável, pois ela possui uma reconstituição de época perfeita, assim como o seu figurino e fotografia. Acompanhamos a jovem protagonista, cujo objetivo é ir para os EUA e crescer profissionalmente por lá, mesmo que para isso tenha que abandonar sua mãe e irmã. Ela conhece um bom moço chamado Tony (Emory Cohen) e ambos se casam secretamente, mas eventos fazem com que ela volte para o seu país de origem, o que faz viver num grande dilema.
O filme funciona mais pelo ótimo desempenho de Saoirse Ronan, mesmo que, no princípio, ela não se apresente com grandes louros com relação a sua personagem, já que os coadjuvantes que surgem no primeiro ato acabam se tornando bem melhores. Porém, a atriz corresponde com relação aos caminhos que a personagem percorre, pois ela vai amadurecendo e se tornando uma mulher madura e dona do seu próprio destino. Isso faz com que ela enfrente difícil escolhas, das quais podem a levar para um novo caminho e testar o seu próprio caráter.
De resto, o filme se sustenta num visual bonito, cujas cores quentes correspondem num tempo em que os EUA abriam (?) os braços para inúmeros imigrantes, dos quais acreditavam que estava vivendo no o país das oportunidades. O problema é justamente ao fato do filme vender a obra como se fosse uma espécie de contos de fadas, do qual vemos um EUA que não lembra em nada outras obras que retratam a vida difícil de imigrante indo para lá, como no caso de Era uma vez em Nova York. Em tempos em que o cinemão americano tenta se redimir com o passado, e retratando realmente os fatos que ocorreram em sua história, é engraçado vermos um filme bonitinho do começo ao fim e querer provar exatamente ao contrário. 
Lindo mas previsível, Brooklyn é valido para ser assistido por jovens casais apaixonados, pouco exigentes e interessados somente em ver algo que já sabemos da maneira que irá terminar.





 Me sigam no Facebook, twitter e Google+

Nenhum comentário: