Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sendo frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 69 certificados),sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

quarta-feira, 2 de dezembro de 2015

Cine Dica: Em Cartaz: OSVALDÃO



Sinopse: O longa-documentário resgata a trajetória de Osvaldão. Os diretores foram recebidos por familiares na cidade natal de Passa Quatro (MG) e por amigos na capital fluminense, onde Osvaldão estudou. Depoimentos de militantes, mateiros e militares contam sobre o seu ingresso e a sua liderança na guerrilha. O filme traz ainda raras e exclusivas imagens do guerrilheiro em Praga, antiga Tchecoslováquia, durante uma excursão de estudantes.

 

No clássico filme Zapata estrelado pelo astro Marlon Brando, o líder revolucionário é morto a tiros nos minutos finais da trama. Porém, os que o seguiam não acreditaram em sua morte, sugerindo até mesmo na possibilidade dele ter encarnado em seu cavalo e ter fugido pelas montanhas. Essa fantasia misturada com fé e esperança vinda desse clássico me veio à tona ao assistir ao documentário Osvaldão que, embora menos conhecido dos inúmeros guerrilheiros contra a ditadura, carregava o ar de mistério, força e liderança, segundo as pessoas próximas a ele que aumentavam mais o lado mito da sua pessoa. 
Negro, porte de atleta e campeão de boxe, Osvaldo Orlando da Costa foi um dos principais comandantes da Guerrilha do Araguaia, movimento de resistência à ditadura militar entre fins da década de 1960 e meados de 1970. Foi temido pelos militares e o seu nome virou lenda na região. Moradores contam mitos, dizem que Osvaldão desviava de bala e se transformava em pedra e cupinzeiro.
Dirigido, produzido e roteirizado por Vandré Fernandes, Ana Petta, Fabio Bardella e André Michiles, o filme desvenda um pouco sobre o passado de Osvaldão: pessoa humilde, mas que ia a busca do conhecimento e indo até mesmo a lugares pelo mundo como Paris aonde veio a se formar, De volta para o Brasil bateu de frente com a ditadura militar e não se conformando com os rumos que o país estava levando decidiu então ser um líder guerrilheiro. Daí se nasceu inúmeras lendas de sua pessoa, principalmente quando cada vez mais ele dava dor de cabeça para os militantes que entravam mata adentro para capturá-lo vivo ou morto.
Os depoimentos se dividem entre pessoas próximas, amigos, familiares e até mesmo daqueles que trabalhavam para o governo para caçá-lo. É nesse ponto que o filme se divide entre ficção e realidade, pois alguns moradores viam Osvaldão não como uma pessoa comum, mas como um ser intocável devido ao seu tamanho e presença quando surgia entre os moradores de uma determinada vila. São momentos descontraídos, beirando até mesmo ao humor, pois não tem como não rir com alguns depoimentos que beiram da ingenuidade a sinceridade pura das pessoas do interior.
O final do filme deixa em aberto para inúmeras interpretações sobre o destino do protagonista, sendo que uns consideram válida a possibilidade dele ter sido morto pelos militares, mas outros acreditam que ele tenha se misturado com a mata, por exemplo, e até hoje se encontra por lá perambulando. Uma história até então meio que desconhecida para a maioria do público, mas que é muito bem vinda para ser conhecida por todos. Em tempos de crise política, onde muitos desinformados desejam a volta da ditadura, nunca é tarde para conhecermos certas histórias de heróis que lutaram contra a injustiça e tirania que contaminaram o nosso país daquele tempo. 


Em cartaz no Cinebancários: R. Gen. Câmara, 424 - Centro, Porto Alegre. Horários: 15h, 17h e 19h. 



  Me sigam no Facebook, twitter e Google+

Nenhum comentário: