Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sendo frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 69 certificados),sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

segunda-feira, 5 de outubro de 2015

Cine Dica: Em Cartaz: PERDIDO EM MARTE



Sinopse: O astronauta Mark Watney (Matt Damon) é enviado a uma missão em Marte. Após uma severa tempestade ele é dado como morto, abandonado pelos colegas e acorda sozinho no misterioso planeta com escassos suprimentos, sem saber como reencontrar os companheiros ou retornar à Terra.


Em 1978, o diretor Richard Donner (A Profecia) decidiu aceitar a oferta de dirigir Superman: O Filme, mas com o intuito de injetar nesse projeto um alto-grau de verossimilhança, ou seja: fazer com que a gente acreditasse que um homem podia realmente voar. De uns anos para cá, é curioso observarmos que, alguns filmes de ficção científica, se preocupam em nos apresentar tramas das quais nos passa de que aquilo pode realmente ser crível. Se os criadores de filmes recentes, como Gravidade e Interstellar investem pesado em ficção com um pé na realidade, Perdido em Marte chega ao mais novo patamar dessa obsessão pela verossimilhança dentro dos filmes de ficção.
Baseado na obra Andy Weir, o mais novo filme de Ridley Scott (Blade Runner) conta a história de um grupo de astronautas da NASA que pisaram pela primeira vez em Marte. Durante a expedição, uma tempestade de areia os atinge e os obriga a deixar o planeta. Porém, um deles chamado Mark Watney (Matt Damon) ficou para trás e foi dado como morto. Quando Watney finalmente dá sinais para a terra que sobreviveu, começa a missão da NASA em saber de qual maneira melhor para resgatá-lo.
A partir do momento em que o protagonista começa a ter que se virar para tentar sobreviver enquanto a cavalaria não chega o roteiro a todo o momento se preocupa em nos mostrar como cada passo do personagem em viver um dia de cada vez naquele planeta pode “sim” ser possível. Porém, o que poderia gerar um dramalhão, o personagem não perde tempo com lágrimas, mas sim usa o que tem de disponível, mais com que aprendeu ao longo da vida, para obter as coisas mais básicas para viver, desde plantar batata para comer e criar água num lugar que não existe nenhum dos dois.
Com isso, há um belo cruzamento de fórmulas de sucesso já vista em outros filmes sobre sobrevivência, como Apollo 13 e Naufrago (ambos com Tom Hanks) e vistos aqui se transforma numa trama fresca e muito bem digerida, mesmo para aqueles que torcem o nariz para filmes do gênero ficção. O feito para isso foi o fato dos criadores terem pedido consulta a todo o momento pela própria NASA, com o intuito de mostrar o que era possível ou não na tela. O divertido disso é o cruzamento de realidade com a ficção, como quando Watney resgata o pequeno robô Sojourner (desativado em solo marciano em 1997) com intuito de usá-lo para se comunicar com a NASA.
Mas se os pontos altos da trama é vermos o protagonista tentar sobreviver em marte, em solo terráqueo a coisa não é muito diferente e nos brinda com grandes momentos protagonizados pelos atores Jeff Daniels e Sean Bean que, interpretam os personagens que lideram a equipe em terra, e que precisam solucionar a maneira ideal para trazer o astronauta de volta. Se há uma dose de verossimilhança em vermos o personagem de Damon em sobreviver em solo marciano, às tentativas dos técnicos da NASA em achar uma solução de melhor resgate soam tão reais que, elas não devem nada a reconstituição perfeita que foi vista no filme Apollo 13, sendo que esse último foi baseado realmente em fatos verídicos.
Porém nem tudo são flores, pois a união da NASA com o governo Chinês na missão de resgate vista no filme soa como forçada demais, pois esses últimos estão unicamente trama, para o filme ser vendido e bem aceito no mercado cinematográfico de lá. Atualmente, uma boa fatia em que um filme arrecada em bilheterias se consegue nos cinemas da China e atualmente Hollywood faz de tudo para conseguir uma boa aceitação por lá, chegando até mesmo em modificar determinados roteiros de alguns filmes. Outro ponto negativo é o fato da equipe comandada pela personagem Melissa Lewis (Jessica Chastain, de Interstellar) que, tem a missão de retornar e resgatar o seu companheiro em solo marciano possui poucos momentos em cena o que é uma pena, já que os personagens são bem carismáticos e roubam a cenas nos poucos momentos que aparecem. 
Felizmente todos esses problemas se dissipam, no momento em que chegamos ao ato final e vemos a tão complicada missão de resgate sendo executada. É nesse momento que Ridley Scott poderia ser seduzido em elaborar inúmeras cenas de ação desnecessárias, mas ao invés disso, tudo ocorre de uma forma bem convincente e casando com a proposta inicial do filme que eu havia dito acima. Aliás, é preciso reconhecer que aqui, o 3D é muito bem executado, nos fazendo sentir que estamos testemunhando realmente marte a nossa frente e fazendo com que a gente não se arrependa em ter pagado um ingresso mais caro. 
Com atuações convincentes e humanas, Perdido em Marte veio para fortalecer cada vez mais essa obsessão (no bom sentido) de Hollywood em nos querer vender uma trama que cruza sempre o nosso mundo real com uma ficção crível. Resta agora saber quando a ficção e realidade vistas no cinema se tornaram uma só, ao ponto do cinéfilo não saber mais como separar esses dois lados da mesma moeda.  

Me sigam no Facebook, twitter e Google+

Nenhum comentário: