Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sendo frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 69 certificados),sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

quarta-feira, 23 de setembro de 2015

Cine Dica: Em Cartaz: Maze Runner: Prova de Fogo



Sinopse: Após escapar do labirinto, Thomas (Dylan O'Brien) e os garotos que o acompanharam em sua fuga da Clareira precisam agora lidar com uma realidade bem diferente: a superfície da Terra foi queimada pelo sol e eles precisam lidar com criaturas disformes chamadas Cranks, que desejam devorá-los vivos.


Maze Runner: Correr ou morrer foi uma grata surpresa do ano passado. Com um orçamento modesto, a trama se concentrava mais nos enigmas e do por que daqueles jovens presos naquele labirinto, do que ação e efeitos visuais mirabolantes. Infelizmente o ar de originalidade se perde um pouco nessa sequência que, basicamente é o capítulo do meio, e ela somente irá funcionar um dia quando a trilogia estiver completa no cinema como um todo.
Dito isso, é preciso ser fã do filme original, assim como também ser fã dos livros que serviram de inspiração, para ter que encarar um pouco da falta de ritmo, alguns momentos repetitivos e aquela sensação de “já ter visto esse filme antes”. Uma vez que os jovens saem do labirinto, descobrem que nunca na realidade se livraram dos seus algozes e cabe a eles novamente fugirem para um lugar seguro.
É ai que o filme entra em território conhecidos dos fãs dos filmes de apocalipse, mais especificamente de zumbis. Sim, eles aparecem e correndo para devorar os protagonistas, sendo na realidade uma surpresa para mim, já que não li os livros que serviram de base para a trama. Se a falta de informação com relação ao que acontece no livro ajuda, por outro lado, a pessoa veterana com relação certa fórmula já usada a exaustão (como zumbis) já sabe de cor o que acontece e o que irá acontecer em seguida.
Se a previsibilidade do roteiro impera na maioria das vezes, pelo menos, as novas caras que surgem durante a projeção ajudam a dar um novo frescor. Como é bom ver, por exemplo, Giancarlo Esposito (o Gus da série Breaking Bad) atuar num filme para o cinema e ver que sua versatilidade não restringiu naquela já clássica série de TV. Dos veteranos do filme original Dylan O’Brien novamente carrega o filme nas costas, pois o seu personagem Thomas é uma espécie de herói, cuja as suas virtudes para a pratica do bem se mantém sempre intactas, mesmo quando há outros (e até confiáveis) que o fazem querer desacreditar nisso. 
Outro fator que ajudar a Maze Runner: Prova de Fogo a não cair numa vala comum das continuações descartáveis, é o fato de colocar os personagens em situações que invocam a transição do jovem para um lado mais perigoso da vida. Menções a sexo, drogas e lutas sangrentas, fazem com que os jovens protagonistas entrem em territórios ainda mais perigosos e fazendo com que até mesmo sentissem falta da fatídica comunidade do labirinto em que viviam. Assim como no filme original, o filme explora o fato da pessoa não poder viver no comodismo, mas sim encarar os ares da mudança e enfrentar os novos desafios da vida que irá surgir.
Com um final que usa uma velha conhecida formula das trilogias clássicas com relação à segunda parte (quem viu O Império Contra Ataca sabe o que eu estou falando), Maze Runner: Prova de Fogo é o divertido filme pipoca, mas que, caso você não for fã do filme original e não desejar ver a sua derradeira terceira parte, irá ter a sensação que perdeu duas horas da sua vida, ou que deveria ter procurado algo mais original no guia do cinema do jornal mais próximo.     



Me sigam no Facebook, twitter e Google+

Nenhum comentário: