Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sendo frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 69 certificados),sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

terça-feira, 22 de setembro de 2015

Cine Dica: Em Cartaz: LOVE



Sinopse: Murphy (Karl Glusman) está frustrado com a vida que leva, ao lado da mulher (Klara Kristin) e do filho. Um dia, ele recebe um telefonema da mãe de sua ex-namorada, Electra (Aomi Muyock), perguntando se ele sabe onde ela está, já que está desaparecida há meses. Mesmo sem a encontrar há anos, a ligação desencadeia uma forte onda saudosista em Murphy, que começa a relembrar fatos marcantes do relacionamento que tiveram.


Em 1979, o diretor Tinto Brass (A Pervertida) realizou o que foi considerado na época como o maior épico pornô da história do cinema, Calígula. No filme, acompanhamos todas as loucuras e perversões do insano Imperador Romano (interpretado pelo genial Malcolm McDowell) que, além de oferecer as filhas e esposas dos senadores para uma orgia, tinha um caso de amor e incesto com a própria irmã. Com inúmeras cenas de sexo explicito (com direito a penetrações filmadas, lesbianismo e sexo oral), o filme chocou o mundo na época, mas é considerado hoje como o filme que melhor soube retratar o que era realmente o Império Romano, seja com relação à política, seja com relação ao sexo dos romanos da época entre quatro paredes. 
A meu ver, Tinto Brass queria retratar uma época que o sexo era algo comum no dia a dia e não como uma espécie de tabu em que os conservadores de hoje tanto tentam moldurar. Vivemos numa época hipócrita em que pessoas rotulam as outras devido as suas atitudes e opiniões com relação ao sexo, quando na verdade, aquele que dá lição de moral, é o que na realidade mais gosta de uma boa sacanagem. Nesse cenário hipócrita do politicamente correto, cabe o cinema de vez em quando lançar uma obra que mexa com os pensamentos (e hormônios) daqueles que somente houve lições de moral com relação ao assunto e coube Gaspar Noé (Irreversível) lançar Love para nós dizer que o amor sem sexo não é amor, mas algo frio e sem sentido.
Mas não espere uma trama complexa, já que ela é basicamente simples: Murphy (Karl Glusman) vive uma vida monótona com mulher (Klara Kristin) e com o seu filho, quando recebe uma ligação e descobre que sua ex-namorada chamada Electra (Aomi Muyock) está desaparecida e o faz com que ele comece a relembrar o seu passado com ela. O próprio Gaspar Noé declarou que o roteiro basicamente tinha sete paginas, mas foi graças a essa simplicidade que ele soube melhor moldar da sua maneira o seu modo de filmar e colocar em pauta questões sobre amor e sexo que, sempre andam de mãos dadas, mas que alguns não gostam de admitir isso.
O filme já abre com o casal fazendo sexo oral um no outro, com o direito a uma câmera lenta e fazendo com que a gente já se prepare com que virá a seguir nas mais de duas horas de filme. Com uma fotografia moldada com cores fortes, Noé gosta de brincar com a nossa perceptiva, com o direito de sempre fazer cortes bruscos para a próxima cena, para sim sempre ficarmos despreparados para o que vier a seguir. Pelas lembranças do protagonista, conhecemos não somente a forte história de amor entre Murphy e Electra, como também o declínio da relação e sobre qual é o papel do sexo no universo particular deles.
Ao longo da projeção, percebemos certo grau de atuação natural entre os protagonistas, quase como um documentário, aonde a câmera somente os segue e vê o que acontece. Karl Glusman e Klara Kristin se saem muito bem em cena, principalmente em momentos em que exige um alto grau de naturalismo, ou seja, nas cenas de sexo obviamente. Se muitas pessoas se chocaram com o sexo explicito em filmes como Azul é a cor mais quente e Ninfomaníaca, Love é o dobro de tudo que eles mostraram e um pouco mais.

Se para alguns as cenas de sexo já choca, Noé ainda tem a ousadia de transformá-las em 3D, com o direito de encararmos um pênis ejaculando bem na nossa frente e pelo menos umas duas vezes seguidas. A intenção de Noé é somente essa que, além de chocar, tenta nos jogar na cara que somos hipócritas em não aceitarmos uma coisa comum que fazemos no nosso dia a dia e que, não debatermos com naturalidade, para não corrermos o risco de sermos julgados. Claro que todo ato há consequência e Noé não esconde também o fato do sexo também nos abrir caminhos dos quais não tem volta e cabe a nós saber como iremos administrar após determinadas escolhas.
São assuntos dos quais o cineasta sempre queria discutir num filme, tanto que, num determinado momento da trama, o próprio protagonista diz que sente falta de sexo nos filmes. Claro que, quando ocorre isso, não é o personagem falando, mas sim o próprio Noé se abrindo para nós, querendo convidar a gente a encarar o sexo sem medo e ao mesmo tempo aceitarmos nós mesmos e os nossos desejos. Não é tarefa das mais fáceis, mas independente dos resultados, o cineasta com certeza conseguiu talvez o que queria.
Com um final em aberto com relação aos destinos dos personagens, Love é previsível como história, mas corajoso da forma que ela foi moldada. Resta saber se o público em geral entenderá o recado que Gaspar Noé quis passar para nós com relação ao sexo, ou se iremos continuar na alienação do conservadorismo sendo moldando em nossas vidas.  


Me sigam no Facebook, twitter e Google+

Nenhum comentário: