Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sendo frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 69 certificados),sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

segunda-feira, 24 de agosto de 2015

Cine Especial:HORROR NO CINEMA BRASILEIRO:Parte11


Sim, o gênero de horror existe no Brasil e ele será tema do próximo curso de cinema, criado pelo Cine Um e ministrado pelo Jornalista, crítico, historiador e pesquisador dedicado a tudo que se refere ao cinema de horror mundial Carlos Primati. O curso ocorre nos dias 29 e 30 de Agosto no Cine Capitólio.  Enquanto os dias da atividade não chegam, irei postar por aqui sobre os filmes de horror que eu tive o privilegio de assistir, seja em DVD ou no cinema.

 

TRILOGIA DE TERROR DE RODRIGO ARAGÃO:
Mangue Negro (2008)

 

Sinopse: Certo dia, em uma comunidade de pescadores e catadores tão pobre quanto fora do tempo, a natureza resolve mostrar seu lado macabro. Do manguezal de onde sai o mísero sustento emergem zumbis canibais. Ninguém sabe o que causa a “contaminação”. O que importa é fugir e sobreviver para fugir de novo. A cada mordida, pais, amigos e irmãos se transformam em criaturas abomináveis. Diante de um horror que não recua nem com a claridade do dia, que não poupa sequer peixes e crustáceos, um sobrevivente relutante e amedrontado se descobre hábil com o machado e péssimo na hora de se declarar para a morena que faz seu coração bater. (produtores).


A maior qualidade de Mangue Negro é que ele conseguiu se tornar um filme de horror, genuinamente brasileiro. Rodrigo Aragão conseguiu entremear bem universalidade dos clássicos filmes sobre mortos vivos, com elementos específicos da cultura regional capixaba. A trama coloca em cena um grupo de pescadores e moradores do mangue, que aos poucos percebem que tudo em sua volta está morrendo, se decompondo para se tornar uma ameaça ainda maior, configurada nas figuras dos zumbis carniceiros que se movem pelos cenários naturais do mangue, que colabora para a criação de uma atmosfera única. Fã confesso de Evil Dead – A Morte do Demônio, de Sam Raimi, e de Fome Animal, de Peter Jackson, Rodrigo Aragão procurou imprimir seu estilo próprio, em uma obra audiovisual que consumiu três anos de trabalho de toda a equipe, sem apoios governamentais - aliás, esse projeto jamais seria aprovado pelos anódinos pareceristas da Petrobrás, e seus similares.
No quesito diversão, Mangue Negro não decepciona os fãs. Com bons momentos do gore e efeitos especiais eficientes, tem uma montagem de ritmo cada vez mais alucinado, que diminui brevemente para a entrada em cena da Preta Velha – uma surpresa inesperada. Outra qualidade do filme é sua fácil comunicação com o público, que lhe rendeu o Prêmio do Júri Popular no Festival Rojo Sangre de Buenos Aires em 2008. 

 

A Noite do Chupacabras (2011)



Sinopse: Um jovem casal retorna para a sua terra de origem, no interior do Espírito Santo. Quando chegam lá, Douglas (Joel Caetano) reencontra os parentes transtornados pela misteriosa morte dos animais da fazenda, principalmente, porque acende uma antiga rixa entre famílias que acreditam tratar-se apenas de uma vingança pessoal. Mas um dos patriarcas acredita que algo mais sinistro está escondido entre as matas e a guerra entre os humanos vai encontrar um inimigo a altura, o Chupa Cabras (Walderrama dos Santos), disposto a passar por cima de tudo para se alimentar do sangue de suas vítimas, não importando a qual família ela pertença.


O filme A noite do Chupacabras é uma produção independente, dirigida Rodrigo Aragão (quem faz uma participação especial no filme). Dos filmes independentes esse é um dos casos que teve o orçamento numa quantia maior, cerca de 200 mil reais.  Explorando um ambiente semelhante ao de Mangue Negro que também é de Rodrigo, o filme conta a história de um personagem popularmente conhecido, porém não visto em um filme. O chupacabra! Não que tenha alguma origem do bicho, mas a história mostra uma caçada ao chupacabra, uma vez que ele se torna um problema para as duas famílias que vive em conflito. 
Joel Caetano da Recurso Zero Produções deveria ser o personagem principal, afinal de contas mesmo que o filme seja sobre o monstro, inicia-se com a história do personagem em ambiente com sua família, porém Petter Baiestorf roubou a cena, e devidos eu carisma conseguiu se destacar de maneira incrível como “anti-herói”.O roteiro ficou bem cuidado para não parecer artificial demais as falas, um exemplo é que se o personagem de Petter tem que falar “Oi, bom dia”, ele pronuncia “Oi caralho, hehehe, bom dia seus puto hehehehehe!".
Em alguns pontos percebe-se um pouco de descuido com o roteiro onde a história passa ficar estática demais, mas logo é surpreendido por alguma cena extremamente sanguinária e muito bem feita, a maquiagem também foi feita por conta do diretor que tem bastante conhecimento na área.Outro personagem que se destaca bastante e não pode passar despercebido é o louco do saco, que mais uma vez foi muito bem explorado o personagem, além de contar com uma maquiagem tão sinistra quanto á das outras cenas. 
O filme é a prova de que tem personagens populares do qual podemos explorar, ao invés de ficar sendo baba-ovo das criações mainstream do modelo americano de cinema.



Mar Negro (2013)



Sinopse: Quando a estrela do purulento Baiacu-Sereia brilhar no breu da noite, até que haja luz no mar de Perocão, então se dará inicio a estranha contaminação, causada pela mancha negra que se aproxima silenciosa pelo litoral transformando a vida marinha e a comunidade pesqueira em mortos-vivos que, ao perder uma parte decepada (olho, guelra, perna, barbatana, mão ou puã), imediatamente, se junta à outra parte, e outra, e assim sucessivamente até que o caos se estabeleça.


Não me lembro da ultima vez em que ri tanto dentro de uma sessão de cinema, mas foi exatamente isso que me aconteceu na abertura do Fantaspoa  de 2013, com a exibição do filme Mar Negro. Dirigido por Rodrigo Aragão (A Noite do Chupa Cabra), o filme é tosco, ao ponto de você nunca se assustar com o que esta acontecendo na tela, mas sim se divertir com os absurdos que acontecem a todo o momento, com direito a muito sangue, humor negro, nudismo e com inúmeros clichês do gênero de horror que estão todos juntos dentro desse liquidificador cheio de gore. Embora seja uma produção visivelmente barata (e com elenco amador), Aragão transmite paixão em tudo que faz na tela, com o direito de usar a câmera das mais diversas formas possíveis, num verdadeiro jogo de edição que não deve em nada a qualquer outra produção de grande orçamento.
O filme é violento, mas ficamos sem tempo para a gente se chocar, mas sim rir a cada segundo.Isso graças à injeção de piadas e palavrões (bem ao estilo brasileiro), que são disparados o torto ao direito a cada momento enquanto acontecem as atrocidades que explodem na tela. Numa verdadeira mistura de A noite dos Mortos Vivos, Drink No Inferno, A Morte do Demônio e Fome Animal, o ápice da jornada sanguinolenta acontece num bordel, onde rola de tudo um pouco, com direito a um deputado tarado que se meteu no lugar errado e na hora errada. Para a surpresa de todos (e minha) quem rouba a cena na noite do juízo dentro do bordel, é o dono (a) do próprio estabelecimento: um travesti hiper engraçado, interpretado por ninguém menos pelo Cristian Verardi (assessor da programação da sala P.F Gastal), que simplesmente vai se descascando e se transformando em outra figura quando a coisa aperta, ao ponto, de tirar do seu armário um trabuco tamanho gigante e detonar tudo que esta em sua frente. 
Embora com um final um tanto que alongado (mas jamais cansativo), o filme termina em aberto e fazendo a gente imaginar como seria divertido se Aragão criassem uma nova trama, onde se explora todas as pontas soltas (ou furos) que o roteiro deixou em aberto nos minutos finais da projeção.

Inscrições para o curso cliquem aqui 


 Me sigam no Facebook, twitter e Google+

2 comentários:

Bússola do Terror disse...

Há alguns anos atrás, eu cheguei a ver o DVD de Mangue Negro numa locadora.
A Noite do Chupacabra eu também já tinha ouvido falar.
Mas Mar Negro eu desconhecia completamente.rs

Marcelo Castro Moraes disse...

Vivendo e conhecendo colega