Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sendo frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 69 certificados),sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

terça-feira, 11 de agosto de 2015

Cine Especial:HORROR NO CINEMA BRASILEIRO:Parte6



Sim, o gênero de horror existe no Brasil e ele será tema do próximo curso de cinema, criado pelo Cine Um e ministrado pelo Jornalista, crítico, historiador e pesquisador dedicado a tudo que se refere ao cinema de horror mundial Carlos Primati. O curso ocorre nos dias 29 e 30 de Agosto no Cine Capitólio.  Enquanto os dias da atividade não chegam, irei postar por aqui sobre os filmes de horror que eu tive o privilegio de assistir, seja em DVD ou no cinema.

A Mulher do Desejo (1975)

Sinopse: Osmar (José Mayer) , um velho rico e solitário, deixa em testamento sua mansão em Ouro Preto e outros bens ao sobrinho Marcelo (José Mayer) e sua jovem esposa Sônia (Vera Farjado), que conheceu apenas pela foto de casamento. O casal se muda para o casarão e encontra um sombrio mordomo que o testamento proíbe dispensar. Fatos estranhos começam a acontecer, a casa parece adquiri vida própria e Marcelo começa a se assimilar com o tio morto.
O cineasta Carlos Hugo Christensen constrói com sutileza e extrema habilidade um ambiente opressivo, aterrorizante, tornando a casa viva, pulsante, com portas e paredes que rangem e estalam, um cenário inquietante, repleto de sombras animadas que se movimentam e absorvem mobílias e objetos. É um terror com atmosfera clássica –inclusive na trilha sonora, com música de Richard Wagner–, na tradição dos filmes norte-americanos e europeus da vertente gótica. As décadas de experiência de Christensen com filmes de mistério, suspense e horror psicológico certamente lhe deram o suporte necessário para manejar os clichês do gênero, realizando um dos mais elegantes filmes brasileiros de horror. Sua origem argentina –e a conhecida mentalidade europeia de seu povo– possivelmente influenciou na concepção da arquitetura barroca como o equivalente latino dos castelos e mansões góticas do horror internacional.
 
Snuff, Vítimas Do Prazer (1977)

Sinopse: Michael Tracey (Hugo Bidet) e Bob Channung (Fernando Reski), inescrupulosos produtores de filmes pornográficos, vêm ao Brasil para realizar um filme do gênero “snuff’, película clandestina que alcançou enorme sucesso nos circuitos pornôs de Nova York, graças a cenas reais, onde as atrizes eram estupradas e assassinadas em cena, sem nenhum truque. Contratam dois técnicos brasileiros que, como quase todos os bons técnicos do cinema nacional, estão às portas da ialência, Organizam a produção e arregimentam o elenco: Taty Ibanez (Nadir Fernandes), atriz em decadência, que fora a rainha dos filmes de cangaço; Glória Verdi (Lúcia Alvim), figurante de teatro; Maria Rosa (Patricia Celere), candidata a Miss São Paulo; Lia de Souza (Rossana Ghessa), stripper da Boca do Lixo de São Paulo; o ator Sérgio Bandeira (Roberto Miranda), apanhado num sanatório. Daí a máquina da fatalidade começa a rodar e as mortes reais vão acontecendo de forma surpreendente e inesperada, causando pânico geral na equipe de produção.
Muitos são os filmes que exploraram os snuffs com maestria durante a década de 70. Uma das mais singulares dessas observações sobre o tema da morte real filmada é a produção da Boca do Lixo dirigida por Claudio Cunha e co roteirizada por Carlos Reichenbach. A trama mostra uma dupla de produtores falidos interpretados por Carlos Vereza e Canarinho, que recebem a proposta de uma dupla de diretores/produtores norte-americanos que desejam fazer um filme pornográfico no Brasil, mas na verdade querem rodar um Snuff, sob o pretexto de que para os espectadores a Pornografia já não basta e somente a morte filmada poderia surpreender. A Pornografia em si tinha um tratamento quase criminal naquela época, 1977, de uma quase ilegalidade e no Brasil ainda vivíamos sob Censura do Regime Militar. Muito corajoso e original em termos formais e de metalinguagem. O ator principal enlouquecido e  em estado de delírio, o desejo de registrar a morte com uma câmera, antecipa muito do que viria depois não só no Cinema mas no voyerismo que se tornaria um  hábito instaurado em nossa cultura nesses tempos de difusão das imagens via internet, onde todos observam todos, on line, o tempo todo. As sequências das filmagens em uma locação no interior são muito interessantes. O roteiro tem grandes momentos e marca a parceria de Reichenbach e Cunha que se repetiria do excelente: Amor-Palavra Prostituta.

 

Inscrições para o curso cliquem aqui 

 Me sigam no Facebook, twitter e Google+

Nenhum comentário: