Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sendo frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 69 certificados),sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

terça-feira, 28 de julho de 2015

Cine Dica:Horror no Cinema Brasileiro

...PROMOÇÃO PARA OS PRIMEIROS INSCRITOS...




APRESENTAÇÃO

O horror, um gênero que durante muito tempo foi ignorado e pouco debatido no cinema brasileiro, nos últimos anos tem se fortalecido com diversas produções que abordam o tema das mais variadas formas. Filmes como A Antropóloga; Trabalhar Cansa; Quando Eu Era Vivo; Gata Velha Ainda Mia; Isolados; O Amuleto e A Misteriosa Morte de Pérola chegaram às telas mostrando a força e relevância do gênero no cinema atual. Produções independentes como Nervo Craniano Zero (Paulo Biscaia Filho); Mar Negro (Rodrigo Aragão) e Condado Macabro (Marcos DeBrito e André de Campos Mello) renovam o sangue a apontam caminhos alternativos para serem trilhados pelo gênero.


Entretanto, o horror sempre esteve presente no cinema brasileiro, mesmo que de maneira alegórica e vaga. Comédias assombradas, como O Jovem Tataravô (1936) e Fantasma por Acaso (1946), mostram como o tema era tratado na época das chanchadas. Lendas populares e personagens de nosso rico folclore também chegaram às telas com sombras horroríficas, incluindo o saci, o caipora, a mula-sem-cabeça e diversos lobisomens.
O impacto do cinema ousado e destemido de José Mojica Marins com seu ímpio e sádico personagem Zé do Caixão, refletiu nas significativas bilheterias de filmes como À Meia-Noite Levarei Sua Alma (1964) e Esta Noite Encarnarei no Teu Cadáver (1967) e influenciou outras gerações de realizadores a trilhar o caminho do cinema revoltado e inquieto. Até mesmo o popular cômico Mazzaropi abordou a confusão religiosa típica do brasileiro em comédias nas quais reflete de maneira simplória, porém sincera, sobre temas como fé, charlatanismo, morte e reencarnação.


Entre os outros cineastas que se dedicaram de maneira representativa ao horror estão Walter Hugo Khouri, autor de obras densas, e o argentino Carlos Hugo Christensen, que teve produção prolífica em toda a América do Sul e se radicou no Brasil na segunda metade de sua carreira, também contribuiu com o imaginário do horror nacional. A ‘Boca do Lixo’ paulistana também é devidamente representada pelos surpreendentes filmes de erotismo mórbido de Jean Garrett, os quais, a despeito dos títulos genéricos, são hipnotizantes mergulhos no universo fantástico. As obras de John DooDavid CardosoOdy Fraga e Fauzi Mansur, com sua acintosa sexualidade combinada com cenas violentas, grotescas e macabras, também marcaram o gênero.


O ‘terrir’ de Ivan Cardoso (O Segredo da MúmiaAs Sete VampirasUm Lobisomem na Amazônia), dramatizações sobre assassinos psicopatas e produções de sexo explícito com vampiros, demônios e fantasmas dividem espaço na discussão com realizações recentes, com filmes surreais e experimentais como O Fim da Picada; "Mistéryos"; "FilmeFobia" e "A Percepção do Medo", todos contribuindo à sua maneira particular com o imaginário do filme brasileiro de horror.



OBJETIVOS

O curso HORROR NO CINEMA BRASILEIRO, ministrado por Carlos Primati, pretende promover uma discussão sobre o panorama do gênero no Brasil, mostrar e contextualizar tanto as obras consagradas quanto filmes mais obscuros e desconhecidos, e apresentar um apanhado das realizações recentes, colocando em perspectiva o que pode indicar o futuro do gênero no cinema brasileiro.



CONTEÚDO DAS AULAS


AULAS 1 e 2

- Como assim, “horror no cinema brasileiro”?
- Chanchadas do além: O Jovem Tataravô e outros fantasmas
- A era dourada dos estúdios: melodramas góticos e co-produções
- Lendas e folclore: saci, caipora, mula-sem-cabeça e lobisomem
- Zé do Caixão: terror e sadismo nacional sem fronteiras
- Experimentalismo udigrúdi: Sganzerla, Bressane e Visconti
- O misticismo caboclo das comédias de Mazzaropi
- Iemanjá, Iansã, Xangô: temores do candomblé e da macumba
- Espíritos inquietos: o vazio existencial de Walter Hugo Khouri
- Possuído pelo mal: o medo barroco de Carlos Hugo Christensen


AULAS 3 e 4

- Erotismo e morte à beira-mar: a poesia mórbida de Jean Garrett
- Sexploração: John Doo, David Cardoso e Ody Fraga
- Aos pedaços: o horror verídico dos assassinos psicopatas
- Sangue e pornografia: o sexo explícito de meter medo
- O horror espírita: JoelmaO Médium e outras reencarnações
- Terrir: os monstros irreverentes de Ivan Cardoso
- Medo e violência for export: os excessos de Fauzi Mansur
- Espectros do horror no ‘cinema da retomada’
- Teratologia disforme: monstruosidades da década de 2000
- As produções independentes e o futuro do gênero


Ministrante: Carlos Primati

Jornalista, crítico, historiador e pesquisador dedicado a tudo que se refere ao cinema de horror mundial e brasileiro. Publicou artigos em livros sobre a obra do cineasta José Mojica Marins e sobre o Horror no cinema brasileiro. Colaborou no livro "Maldito", de André Barcinski e Ivan Finotti, e co-produziu a Coleção "Zé do Caixão" em DVD, vencedora do 1º Prêmio DVD Brasil como a "Melhor Coleção" do ano.

Publicou textos nas edições especiais "O Livro do Horror" (Herói); "Super Livro dos Filmes de Ficção Científica" (Superinteressante) e "A História do Rock" (Bizz). Criou e editou a revista "Cine Monstro", e trabalha na organização de uma monumental enciclopédia sobre filmes de horror. Editou o livro "Voivode: Estudos Sobre os Vampiros" e escreveu o volume sobre "Séries de TV" da Coleção "100 Respostas" (Mundo Estranho).

Já ministrou para a Cine UM os cursos "A Obra de Alfred Hitchcock"; "História do Cinema de Horror"; "Zé do Caixão: 50 Anos de Terror"; "Expressionismo Alemão: Uma Sinfonia de Luzes e Sombras" e "Ficção Científica dos Anos 50".



Curso
HORROR NO CINEMA BRASILEIRO
de Carlos Primati

DATAS
Dias 29 e 30 / Agosto

HORÁRIO
Sábado
Aula 1: 14h às 15h50  /  Aula 2: 16h10 às 18h
Domingo
Aula 3: 14h às 15h50  /  Aula 4: 16h10 às 18h

LOCAL
Cinemateca Capitólio
(Rua Demétrio Ribeiro, 1085 - 3º andar - Porto Alegre - RS)


INSCRIÇÕES

INFORMAÇÕES
Fone: (51) 9320-2714

REALIZAÇÃO
Cine UM Produtora Cultural

PATROCÍNIO
Sapere Aude Livros
Editora Aleph
Back in Black
Loja Jambô

APOIO
Cinemateca Capitólio

PARCERIA
Espaço Vídeo
Papo de Cinema


Nenhum comentário: