Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sendo frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 69 certificados),sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

quinta-feira, 18 de junho de 2015

Cine Especial: VILÕES DO CINEMA: NOSSOS MALVADOS FAVORITOS: Parte 2



Nos dias 27 e 28 de Junho, eu estarei na Cinemateca Capitólio de Porto Alegre, participando do curso Vilões do Cinema: Nossos Malvados Favoritos, criado pelo Cine Um e ministrado pela  Mestra e Doutoranda em Comunicação Social Janaina Gamba. Enquanto os dias da atividade não chegam, por aqui eu estarei relembrando os maiores vilões do cinema que nós adoramos odiar. 

 

Top 5: Vilões da Ficção Científica

 

HAL 9000

 

Ele não tem rosto, não tem corpo e tão pouco é humano, mas é o personagem mais interessante na obra máxima de Stanley Kubrick. Na trama, Hal 9000 (voz de Douglas Rain) é uma inteligência artificial, cuja missão é levar um grupo de astronautas até Júpiter. Porém, quando descobre que os astronautas David Bowman (Keir Dullea) e Frank Poole (Gary Lockwood) planejam desligá-lo, Hal mata os integrantes que ainda estavam hibernando e deixando David e Frank do lado de fora da nave. 
2001: Uma Odisseia no Espaço é um filme lembrado por possuir inúmeras cenas marcantes, mas todos se lembram mais é da inesquecível cena, onde David desliga de forma gradual Hal. Nos seus últimos momentos de vida, Hal suplica pela sua vida, sente medo e começa cantar nos seus últimos segundos. Pode ter cometido uma atrocidade terrível, mas nos comoveu pelas suas suplicas pela vida.  



Alex DeLarge


Num futuro, há uma Inglaterra violenta, com gangues violentas, mas que, por sua vez, possui um governo que não mede esforços para tentar mudar o comportamento de criminosos. Alex DeLarge (Malcolm McDowell) é um rapaz que lidera uma gangue e que comete os mais diversos crimes, desde a roubar, espancar, estuprar e por fim matar. Mas quando o governo o captura, ele é submetido a uma terapia experimental de aversão para a reabilitação de criminosos. Alex passa no processo, mas além de sofrer os seus efeitos colaterais, acaba que encarando as consequências dos seus atos do passado. 
Laranja Mecânica é um marco do cinema, um filme corajoso, a frente do seu tempo e por nos brindar com uma interpretação hipnotizante de McDowell. Seu desempenho em cena é tão poderoso, que serviu de base para outros interpretes ao construírem os seus determinados personagens (como no caso de Ladger ao criar o seu Coringa em Cavaleiro das Trevas).

 

Darth Vader


Quer coisa pior do que ser derrotado pelo seu inimigo, ter a sua mão decepada e descobrir que seu oponente é na realidade o seu pai?
No ápice de Star Wars: O Império Contra Ataca, Vader (voz cavernosa de James Earl Jones) após derrotar Luke Skywalker, revela um impactante segredo que, não só assombrou o herói em cena, como também todo o cinéfilo que se preze naquela época. Darth Vader não é somente um grande vilão como também um personagem trágico que, caiu em desgraça devido as suas falhas, mas que (mesmo tardiamente), conseguiu a sua redenção e se tornando a verdadeira alma viva da saga criada por George Lucas.   



T-1000

 

Não é fácil derrotar alguém como T800 (Arnold Schwarzenegger) e, portanto é preciso alguém ainda mais mortífero para fazer tal feito. No segundo filme comandado por James Cameron, somos apresentados ao vilão T-1000 (Robert Patrick) que, além de se aproveitar em usar um traje policial para enganar os outros, possui capacidade de se transformar em quem quiser, se reconstruir e transformar seus braços e pernas em laminas cortantes. O Exterminador do Futuro 2 foi revolucionário ao apresentar efeitos especiais ainda inéditos e a gente desejar sempre torcer pela aparição do vilão em cena.  


Agente Smith


Num futuro sombrio, em que os seres humanos são servidos de bateria para as maquinas e entretidos numa realidade artificial, por sua vez há agentes, cuja missão é vigiar e caçar pessoas que se dão conta dessa farsa aonde se vive. Porém, agente Smith (Hugo Weaving) tem o desejo de caçar todos os rebeldes, para sim se ver livre dessa realidade artificial que ele tanto despreza. Embora seja um programa, Smith acaba no final das contas demonstrando mais sentimentos humanos (desde raiva e ambição) do que os próprios seres humanos que ele caça. 
Hugo Weaving fez o seu dever de casa, ao injetar humanidade num vilão que poderia soar artificial, mas acabou se tornando o principal atrativo do universo Matrix criado pelos irmãos  Andy e Larry Wachowski (Sense8). 

 Mais informações e inscrições para o curso vocês encontram clicando aqui.  
 

Me sigam no Facebook, twitter e Google+

Nenhum comentário: