Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sendo frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 69 certificados),sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

sexta-feira, 5 de junho de 2015

Cine Especial: Desconstruindo Woody Allen: Parte 3


Nos dias 13 e 14 de Junho eu estarei na Cinemateca Capitólio de Porto Alegre participando do curso Desconstruindo Woody Allen, criado pelo Cine Um e ministrado pelo Doutor em Ciências da Informação e da Comunicação Josmar Reyes. Enquanto os dois dias da atividade não chegam, estarei postando por aqui sobre os filmes que eu assisti desse gênio e neurótico diretor de cinema.
 

A Rosa Púrpura do Cairo (1985)



Sinopse: Em área pobre de Nova Jersey, durante a Depressão, uma garçonete (Mia Farrow) que sustenta o marido bêbado e desempregado, que só sabe ser violento e grosseiro, foge da sua triste realidade assistindo filmes. Mas ao ver pela quinta vez "A Rosa Púrpura do Cairo" acontece o impossível! Quando o herói da fita sai da tela para declarar seu amor por ela, isto provoca um tumulto nos outros atores do filme e logo o ator que encarna o herói viaja para lá, tentando contornar a situação. Assim, ela se divide entre o ator e o personagem.


A situação de base é delirante, mas Woody Allen consegue combinar habilmente a comédia com a fantasia, gerando uma bela sátira social aos anos 30 nos EUA, que é também um dos seus filmes mais originais. É exatamente a situação surreal que gera grande parte dos momentos divertidos: a multiplicidade de dimensões acaba também por criar um jogo inteligente e delicioso de ficções cruzadas.
Amplamente premiado, o filme foi nomeado para o Oscar de Melhor Argumento, tendo vencido o Globo de Ouro na mesma categoria. Venceu ainda os BAFTA de Melhor Filme e de Melhor Argumento, o césar para o Melhor Filme Estrangeiro e o prémio FIPRESCI do Festival de Cannes.

 

Hannah e Suas Irmãs (1986)



Sinopse: A amizade e o relacionamento de três irmãs vivendo em Nova York. No dia de Ação de Graças seus conflitos amorosos e existenciais são evidenciados no meio de um grupo de amigos e parentes não muito homogêneo. Lee (Barbara Hershey) é uma velha pintora casada com Frederick (Max von Sydow), Holly (Dianne Wiest) sonha em ser uma escritora e Hannah (Mia Farrow) é uma famosa atriz, perfeita em tudo na vida.


Geralmente classificado como comédia, na realidade ele se acha entre a comédia e o drama.  Por um lado, não se pode negar o diálogo extremamente engraçado, característica dos filmes de Woody Allen.  Por outro lado, entretanto, trata de temas potencialmente trágicos, como o adultério e a depressão suicida.
Cuidadosamente escrito e dirigido por Allen, o filme conta ainda com uma bela trilha sonora e as magníficas atuações de um elenco estelar. Mia Farrow está ótima como a dedicada Hannah, mas o maior destaque feminino fica por conta do excepcional desempenho de Dianne Wiest, que dá uma maior dimensão à sua personagem.  Em relação aos atores, o maior destaque é o do veterano inglês Michael Caine, seguido pela atuação de Woody Allen.  Merecem ainda ser mencionadas as atuações de  Barbara Hershey, Max von Sydow e Julie Kavner, todas muito boas.





Crimes e Pecados (1989)



Sinopse: Duas histórias seguem paralelamente. Na primeira um oftalmologista (Martin Landau) de sucesso se depara com o fim do seu casamento e da carreira, pois sua amante (Anjelica Huston), cansada da situação, ameaça revelar o caso e também os atos ilícitos cometidos por ele. Ele decide, então, mandar matá-la. Na outra história, um produtor de documentários (Woody Allen) casado ama outra mulher (Mia Farrow), que, no entanto, prefere um outro produtor (Alan Alda). Apenas na cena final as histórias se encontram.


Crimes e Pecados na realidade é fruto da adoração que Woody Allen tem com a obra do sueco Ingmar Bergman, conhecido por produções densas e perturbadoras como Persona, ou Gritos e Sussurros. Prova de que Crimes e Pecados evoca Bergman está na escolha do mesmo diretor de fotografia de ambos, Sven Nykvist. Porém, o filme não é de todo sério. Ele se divide em duas narrativas distintas, uma densa e séria, outra mais leve e complexa (o que remete a outro filme de Woody dividido na dualidade sério/engraçado: Melinda & Melinda, muito bom). Crimes e Pecados aprofunda alguns pontos mais obscuros da própria obra do diretor, como moralidade, ética, fé, e o sentido da vida.

 

Poderosa Afrodite (1995)



Sinopse: Em Nova York, um casal adota um menino e com o tempo o pai adotivo (Woody Allen) decide saber quem é a sua mãe biológica do seu filho. Ele descobre que ela é uma prostituta chamada Linda (Mira Sorvino), que em filmes pornográficos usa o nome Judy Cum e que nem sabe quem é o pai do garoto. O pai adotivo decide então aconselhá-la a abandonar este tipo de vida.

O que esperar de um filme de Woody Allen? Roteiro magnífico, diálogos afiados e divertidos, um belo cenário e ótimas atuações. Um diferencial fantástico que esse filme traz é sua narração. Ele é narrado por um coro grego que se compõe, entre outros, de Jocasta e Édipo. Personagens marcantes nas fantásticas tragédias gregas. As cenas de Allen e Sorvino são incríveis e provoca muitas risadas. A ingenuidade da prostituta e a forma como encara as situações é hilária. Mira foi indicada ao Oscar de atriz coadjuvante por esse papel e levou a estatueta. Com todo merecimento deixo claro, pois sua composição do papel é impecável. Sem dúvida é seu melhor papel já feito.
 
Mais informações e inscrições para o curso você acessa clicando aqui. 
 
 Me sigam no Facebook, twitter e Google+

Nenhum comentário: