Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sendo frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 69 certificados),sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

quinta-feira, 21 de maio de 2015

Cine Especial: Fantaspoa 2015: TEJEN



Sinopse: Em uma casa de campo em ruínas e isolada do mundo, Oscar procura reconstruir o corpo atrofiado de sua amada esposa. Tenta como pode aliviar a agonia inextinguível que asola a sua jovem mulher: a enfermidade desconhecida parece tê-la consumido a ponto de transformá-la num animal indefeso que só consegue gemer de dores e clamar por ajuda. À noite, Oscar sonha com infernos repletos de corpos apodrecidos e atrofiados que, como o de sua esposa, somente conhecem a dor.


O bom do Fantaspoa é de você apreciar, não somente filmes autorais, como também obras que desafiam a sua mente e que, por vezes, você não sabe ao certo o que viu. Alguns casos a pessoa se sente zonza, mas não devido às imagens fortes, mas por não conseguir assimilar o que acabou de assistir. No seu primeiro longa metragem, Pablo Rabe cria em seu Tejen um filme inquietante, tenebroso, indecifrável e que dificilmente o cinéfilo consegue digerir facilmente após assisti-lo.
Em outras mãos, a trama seria simplesmente mostrar as dificuldades de um homem em cuidar da sua esposa enferma. Porém, nas mãos de Rabe essa trama toma dimensões avassaladoras, das quais explora, não somente o lado mais sombrio do ser humano, como também, como problemas corriqueiros (desde a doença e morte) podem afetar a mente humana e tornando ela tão perigosa para o próprio quanto se possa imaginar. O filme se direciona entre o sobrenatural e terror psicológico, mas jamais ficando num único lugar.
Amante das artes plásticas e da fotografia, Pablo Rabe usa a sua câmera para criar inúmeros ângulos de cena pouco convencionais, criando então uma sensação mais mórbida e fazendo com que a gente se pergunte o que virá depois. Logicamente ele se inspirou em outros gênios para criar determinadas cenas: a minha cabeça soou Melancolia de Lars Von Trier na abertura do filme, pois as cenas (embora diferentes) nos dão o mesmo tipo de sensação graças á fantástica câmera lenta.
Fora isso, talvez um dos ápices da trama, seja quando o protagonista começa a ter inúmeros pesadelos, onde por vezes enxerga pessoas nuas sentindo dor, fazendo sexo, ou simplesmente se auto-infringindo. Vendo as cenas, me fez lembrar também a obra A Divina Comédia de Dante Alighieri e com elas, se cria um verdadeiro pesadelo visual que, ou você recua o rosto ou encara o horror. Há uma introdução de uma professora querendo saber por que a filha do protagonista não vai à aula, mas isso é passageiro, pois o inferno naquela casa já esta mais do que tomado como um todo.
Acima de tudo Tejen é um filme experimental, algo cada vez mais raro hoje em dia e que dificilmente será visto num cinema convencional.


Me sigam no Facebook, twitter e Google+

Nenhum comentário: