Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sendo frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 69 certificados),sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

sexta-feira, 29 de maio de 2015

Cine Especial: HISTÓRIA DO CINEMA GAÚCHO: FINAL



Nesse final de semana finalmente irei participar do curso da história do cinema Gaúcho. Durante as ultimas semanas tentei ao máximo falar um pouco sobre alguns filmes rodados na minha terra e que eu vi ao longo dos anos. Claro que nem todos tive tempo para falar sobre eles por aqui, mas acredito que os mais essenciais eu dei destaque.

Como hoje é a ultima postagem antes do curso, dou destaque ao clássico Vento Norte de 1951, dirigido por Salomão Scliar e exibido recentemente na reabertura do Cine Capitólio de Porto Alegre. O filme se encontra completo no Youtube. Confiram abaixo:  


VENTO NORTE (1951)

Sinopse: Primeiro filme gaúcho de longa-metragem, realizado nos arredores de Torres no ano de 1951. Participação dos pescadores da praia de Torres. Luta árdua de todos os dias de pescadores da costa do Atlântico, envolvidos em violenta tragédia sob a estranha pressão de uma ventania que sopra do norte e que traz.

Leia também: Partes 1,2,3,4,5,6 e 7


Me sigam no Facebook, twitter e Google+

Cine Especial: ALICE E SEUS 150 ANOS NO PAÍS DAS MARAVILHAS




Ao longo de mais de cem anos, o conto da menina que cai numa toca de coelho e vai parar num universo hiper-realista, conquistou inúmeras gerações de todas as idades e ainda hoje fascina pela forma como atrai novos seguidores.

 

Criador: Lewis Carroll



Charles Lutwidge Dodgson, mais conhecido pelo seu pseudônimo Lewis Carroll (Cheshire, 27 de janeiro de 1832 — Guildford, 14 de Janeiro de 1898), foi um escritor e um matemático britânico. Lecionava matemática no Christ College, em Oxford, e é mundialmente famoso por ser o autor do clássico livro Alice no país das maravilhas.



Infância

Quando criança Carroll brincava com marionetes e prestidigitação (também chamado magia ou ilusionismo), e durante a vida inteira gostava de fazer passes de mágica, especialmente para as crianças. Gostava de modelar um camundongo com um lenço e em seguida fazê-lo pular misteriosamente com a mão. Ensinava as crianças a fazer barquinhos de papel e também pistolas de papel que estalavam ao serem vibradas no ar. Interessou-se pela fotografia quando esta arte mal havia surgido, especializando-se em retratos de crianças e pessoas famosas e compondo suas imagens com notável habilidade e bom gosto."

Carrol era apaixonado por vários tipos de jogos, tanto que inventou um grande número de enigmas, jogos matemáticos e de lógica; gostava de teatro e era freqüentador de ópera, e manteve uma amizade por toda a vida com a atriz Ellen Terry.



Sua Obra Prima

A história de Alice no País das Maravilhas se originou em 1862, quando Carroll fazia um passeio de barco no rio Tâmisa com sua amiga Alice Pleasance Liddell (com 10 anos na época) e suas duas irmãs, sendo as três filhas do reitor da Christ Church. Lá ele começou a contar uma história que deu origem à atual, sobre uma garota chamada Alice que ia parar em um mundo fantástico após cair em uma toca de um coelho. A Alice da vida real gostou tanto da estória que pediu que Carroll a escrevesse.

Dodgson atendeu ao pedido e em 1864 ele a presenteou com um manuscrito chamado Alice's Adventures Underground, ou As Aventuras de Alice Embaixo da Terra, em português. Mais tarde ele decidiu publicar o livro e mudou a versão original, aumentando de 18 mil palavras para 35 mil, notavelmente acrescentando as cenas do Gato de Cheshire e do Chapeleiro Louco (ou Chapeleiro Maluco).

A tiragem inicial de dois mil exemplares de 1865 foi removida das prateleiras, devido a reclamações do ilustrador John Tenniel sobre a qualidade da impressão. A segunda tiragem esgotou-se nas vendas rapidamente, e a obra se tornou um grande sucesso, tendo sido lida por Oscar Wilde e pela rainha Vitória e tendo sido traduzida para mais de 50 línguas.

Em 1998, a primeira impressão do livro (que fora rejeitada) foi leiloada por 1,5 milhão de dólares americanos.



Obras no Brasil

Edições brasileiras das obras de Carroll são: Alice no país das maravilhas (1865) e Alice no país do espelho (Alice do outro lado do espelho, no título mais conhecido em Portugal) (1872), Algumas Aventuras de Silvia e Bruno, Rimas do país das maravilhas, A caça ao turpente e Obras escolhidas.


AS VERSÕES DEFINITIVAS PARA O CINEMA:  
 ALICE NO PAÍS DAS MARAVILHAS (1951)

Sinopse:Após seguir um coelho de colete e relógio, Alice embarca em uma aventura por um mágico mundo cheio de figuras inusitadas. Tentando encontrar o coelho, acaba conhecendo diversos personagens marcantes e se envolve em grandes confusões.



 Baseado na obra do escritor britânico Lewis Carroll, o filme deu uma boa condensada nos inúmeros personagens que existe no conto e o que acabou sendo um pouco criticado pelos apreciadores da obra na época. Devemos levar em conta é claro, que os criadores da Disney fizeram até uma boa proeza, em criar uma adaptação de um livro que possui tantos significados e que ainda hoje faz pensar. O que eles fizeram, foi simplesmente criar um filme que fosse apreciado por todas as plateias, que mesmo assim, a trama em inúmeros momentos, bebe da sua fonte literária e com isso se diferencia e muito dos outros clássicos Disney. Na época do lançamento, o filme foi um relativo fracasso para o estúdio, contudo, o filme começou ao longo dos anos ser  reconhecido, ganhando grande sucesso com as reprises pela televisão e provando que o filme na época do seu lançamento estava a frente do seu tempo mas não seria jamais esquecido.
Momentos sublimes, como o encontro de Alice com gato, ou então com a lagarta num famoso jogo de palavras que ainda hoje encanta. Recomendo 
Curiosidades: No Brasil o filme teve duas dublagens, a original feita no ano de 1951 no estúdio Continental Discos, e uma segunda feita em 1991 na Herbert Richers sob encomenda do SBT. Alice no país das maravilhas recebeu indicação ao prêmio Oscar de Melhor Trilha Sonora. O filme foi indicado ao Leão de Ouro no Festival de Veneza.
 

 Alice No País das Maravilhas (2010)



Sou admirador incondicional de Tim Burton, sempre o admirei sua fidelidade pelo filmes com visual  sombrio, onírico e personagens estranhos, como os vistos em  Fantasmas se Divertem, Edward mãos de tesoura e Peixe Grande. Contudo, Burton sabe a palavra que move a indústria do cinema: “bilheteria" e para isso nada melhor do que encher os cofres dos engravatados com superproduções e Burton arriscou em filmes como Batman, Planeta dos Macacos e Fantástica Fabrica chocolate. São filmes no qual ele injetou sua visão própria, mas não teve uma total liberdade criativa. No filme Alice no País das Maravilhas se encaixa bem nesse segundo grupo. Voltando a fazer um filme para Disney depois de vários anos afastado, Burton faz um filme para a família toda como ninguém, mas não espere mais do que isso. A trama em si tem começo, meio e fim, previsível, algo um tanto que frustrante para aqueles que são fãs de carteirinha da obra de Lewis Carroll. Contudo, é de se tirar o chapéu pelo desafio cumprido pelo diretor em conseguir tal feito em fazer um filme baseado em um livro com tantos símbolos, significados e charadas no escuro que ainda hoje deixam inúmeros leitores intrigados.
Mas diferente do que muitos imaginam, essa historia é uma espécie de continuação mostrando acontecimentos após Alice ter ido para o mundo das maravilhas quando pequena, agora com 17 anos, Alice busca compreender o que esta acontecendo em sua volta, se é um sonho, fruto de uma possível loucura sua ou pura realidade. Ao mesmo tempo em que essa nova aventura irá lhe servir como uma espécie de lição de como saber lidar com o mundo normal onde vive. E por ser um mundo mágico cheio de cores, Burton quis usar ao máximo a ferramenta do momento que é o 3D, e pelo visto fez a lição de casa, pois nunca um mundo mágico se tornou tão vivo como esse. Assim como Avatar, nos sentimos dentro da floresta onde flores e lagartas falam com maior naturalidade. E o que dizer do elenco? Tenho pouco a dizer sobre Mia Wasikowska como Alice, pois sua interpretação como a personagem não ajuda, mas também não atrapalha e talvez fosse exigir demais dela em seu primeiro papel de destaque. Já não posso dizer a mesma coisa sobre a dupla que o diretor gosta tanto de trabalhar: Depp e Carter. Enquanto o primeiro interpreta um chapeleiro maluco que por vezes é insano e por vezes controlado e com boas motivações, Helena Bonham Carter da um show de excentricidade com sua Rainha de copas e seu cabeção descomunal. Suas aparições em cena são os melhores momentos do filme (a parte do porco que é usado de uma maneira inusitada é digna de nota). Já Anne Hathaway faz uma curiosa Rainha Branca que a primeira vista parece uma verdadeira princesa saída dos contos de fadas, mas possui uma pequena dose de excentricidade, principalmente em fazer determinados chás. Com isso, Anne prende a atenção do espectador numa personagem menos conhecida da obra de Lewis Carroll.
Mesmo com as velhas lições de moral sobre escolhas e o bem vence o mal impregnado no decorrer do ato final, o filme com certeza irá agradar o publico jovem pouco exigente e que busca somente duas horas de boa diversão, mesmo que para alguns seja um tanto que frustrante depois de tamanha expectativa, mas que esta muito longe de ser um filme ruim. Talvez seja o melhor filme de Burton em termos de superprodução e se não foi agora que ele teve total liberdade criativa, com certeza terá, devido ao sucesso desse filme. Burton é mais que um diretor, é um autor que fala por si, mas com uma determinada sintonia da forma que as coisas funcionam, principalmente no mundo do cinema: "agrade os grandes primeiro e domine depois", talvez esse seja seu lema. Talvez não tenha sempre uma total liberdade com suas obras, mas quanto mais contem, melhor será o recheio quando for liberado e esperamos ansiosos Sr Burton. 
 

Me sigam no Facebook, twitter e Google+

quinta-feira, 28 de maio de 2015

Cine Especial: HISTÓRIA DO CINEMA GAÚCHO: Parte 7



Nos dias 30 e 31 de Maio eu estarei participando do curso História do Cinema Gaúcho, criado pelo Cine Um e ministrada pela Doutora, jornalista e professora Miriam de Souza Rossini. Enquanto os dois dias da atividade não chegam, estarei postando por aqui os filmes rodados em nossa terra (de ontem e de hoje) e que eu tive o privilegio de assistir.



Rocky & Hudson (1994)



Sinopse As aventuras da dupla de caubóis gays ganham a tela em dois episódios. No primeiro, eles precisam lutar contra um perigoso cientista que usa seus inventos para aterrorizar a sociedade. A segunda trama traz os heróis em busca do Totem Sagrado com ajuda de seu fiel cavalo e de uma simpática velhinha.

 

Bem antes de O Segredo de Brokeback Mountain (2006), dois caubóis gays já foram estrelas de cinema, sendo no caso, de uma animação gaúcha. Em meio à fama que o Estado tem de homens machistas e grosseiros surgiu esse casal um tanto atípico para os padrões: Rocky e Hudson, personagens do quadrinista Adão Iturrusgarai. Foi em 1994 que Otto Guerra decidiu transformar as polêmicas tirinhas em um média-metragem. Uma animação  dinâmica, de um humor negro acalorado e serviu como prova que o estado era capaz sim de fazer boas animações de qualidade. Prova disso foi o recente As Aventuras do Avião Vermelho.
 

Deu Pra Ti anos 70 (1981)



Sinopse: Conta a história dos encontros e desencontros de Marcelo e Ceres através da década de 70, em bares, reuniões dançantes e acampamentos.

 

É interessante ver Porto Alegre no cinema, principalmente de uma época mais distante e que se torna cada vez mais dourada. E o registro de um tempo que desperta nostalgia até para quem nem era nascido. Essa obra de Nelson e Giba tem uma qualidade de imagem e interpretações ruins.Porém, se fosse diferente, não seria tão bom. Deu pra ti, anos 70 é um presente para o Rio Grande do Sul e para o Brasil, para todos aqueles que viveram a confusa década de 1970. Angústias, dúvidas, desejos e descobertas. E tudo isso de um jeito que só os cineastas gaúchos gostam de fazer tanto ontem como hoje em dia.  


Neto Perde a Sua Alma (2001) 


Sinopse: Antônio de Sousa Neto é um general brasileiro que é ferido no combate na Guerra do Paraguai. Sua recuperação é no Hospital Militar de Corrientes, na Argentina. Lá ele percebe acontecimentos estranhos, como o capitão de Los Santos acusar o cirurgião de ter amputado suas pernas sem necessidade e reencontrar um antigo camarada, o sargento Caldeira, ex-escravo com quem lutou na Guerra dos Farrapos, ocorrida algumas décadas antes.

O filme equilibra sua narrativa, encaixando numerosas cenas de batalha às quais não falta ambição - em média, cada uma delas teve em cena 700 pessoas e seus respectivos cavalos, o que bem pode dar uma ideia da logística requerida para as filmagens, nas imediações de Santana do Livramento, um dos principais responsáveis por um custo de verdadeira superprodução, em termos nacionais, alcançando R$ 3,3 milhões.


A Festa de Margarette (2003)


Sinopse: A trama conta com alguns elementos chaplinianos, a história de Pedro (Hique Gomez), que planeja uma festa de aniversário para sua mulher Margarette (Ilana Kaplan).
 

O longa, que é mudo e em preto e branco, flerta com o surrealismo e, em alguns momentos, causa uma sensação de estranhamento tão cara ao cinema de arte e aos grandes clássicos. O filme foi premiado em 2006 no Festival de Brasília do Cinema Brasileiro.  

Me sigam no Facebook, twitter e Google+

Cine Dicas: Estreias do Final de Semana (28/05/15)



A Estrada 47

 

Sinopse: Na Segunda Guerra Mundial, o Brasil era aliado dos Estados Unidos, Inglaterra e França. Na época, foram encaminhados mais de 25 mil soldados da FEB (Força Expedicionária Brasileira) para combater os inimigos, representados pelo Eixo: Alemanha, Itália e Japão. Quase todos de origem pobre e, em sua maioria, despreparados para o combate, os pracinhas tiveram que aprender na prática a lutar pela sobrevivência. Depois de sofrerem um ataque de pânico coletivo, no sopé do Monte Castelo, os soldados Guimarães (Daniel de Oliveira), Tenente (Julio Andrade), Piauí (Francisco Gaspar) e Laurindo (Thogum) tentam descer a montanha, mas acabam se perdendo um do outros. Quando conseguem se reencontrar, precisam decidir se retornam para o batalhão e correm o risco de enfrentar a Corte Marcial por abandono de posto, ou voltam para a posição da noite anterior e se arriscam a enfrentar um ataque surpresa do inimigo. É quando conhecem o jornalista Rui (Ivo Canelas), que conta sobre um campo minado ativo e eles acham ser essa a chance de se redimirem da mancada que cometeram, mas muita coisa ainda está por acontecer e a guerra está longe de acabar.



Permanência


Sinopse: Ivo (Irandhir Santos) é um fotográfo pernambucano que viaja a São Paulo para fazer sua primeira exposição individual. Ele aceita o convite da ex-namorada Rita (Rita Carelli) para se hospedar na casa dela. Mas hoje, Rita já está casada com outro homem, e Ivo também deixou um amor em sua cidade natal. A proximidade entre eles desperta sentimentos antigos.




Metanoia


Sinopse:Eduardo (Caique Oliveira) é mais um em meio aos milhares de usuários regulares e dependentes do crack. Criado na periferia de São Paulo, a boa educação oferecida por sua mãe, Solange, não o impediu de ficar preso no mundo das drogas. Ele fica perdido em meio à autodestruição, enquanto Solange tenta desesperadamente salvar o filho do vício.





Promessas de Guerra


Sinopse:Após a batalha de Gallipoli em 1919, um pai (Russell Crowe) descobre que seus três filhos desapareceram do local. Logo, ele abandona sua Austrália natal e viaja até a Turquia, para descobrir o paradeiro dos filhos.




Terremoto - A Falha de San Andreas


Sinopse: Um terremoto atinge a Califórnia e faz com que Ray (Dwayne Johnson), um bombeiro especializado em restates com helicópteros, tenha que percorrer o estado ao lado da ex-esposa (Carla Gugino) para resgatar a sua filha Blake (Alexandra Daddario), que tenha sobreviver em São Francisco com a ajuda de dois jovens irmãos.




Trocando os Pés


Sinopse:Um solitário sapateiro de Nova York (Adam Sandler) costuma consertar os sapatos de clientes experientes na arte de viver: que frequentemente tiram férias e vivem aventuras. Ao lado de seu amigo barbeiro (Steve Buscemi), ele espera a sua própria aventura, e vê a vida passar diante de seus olhos. Quando recebe uma generosa herança de família, surge a possibilidade do trabalhador assumir outro papel e ver o mundo de uma forma diferente.


Me sigam no Facebook, twitter e Google+