Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sendo frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 69 certificados),sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

terça-feira, 24 de fevereiro de 2015

Cine Dica: SESSÃO AURORA EXIBE CLÁSSICO CENTENÁRIO DE D. W. GRIFFITH



A primeira Sessão Aurora do ano acontece no sábado, 28 de fevereiro, às 18h, na Sala P. F. Gastal da Usina do Gasômetro (3º andar), com a exibição de O Nascimento de uma Nação, de D. W. Griffith, em cópia digital restaurada, no mês em que o filme completa 100 anos. Após a sessão, acontece um debate com os editores do Zinematógrafo. A entrada é franca.
Em 2015, a Sessão Aurora vai promover o ciclo Histórias do Cinema Americano, a partir de filmes de diferentes tempos, gêneros e autores em exibições mensais. Considerado o pai do “cinema narrativo clássico”, Griffith será o ponto de partida dessa jornada cinematográfica. A sessão também marca o lançamento do Zinematógrafo número 13.
Em O Nascimento de Uma Nação, Griffith consolida o modelo narrativo que se tornaria dominante no cinema americano e que ele vinha germinando, mais ou menos conscientemente, desde o início de sua carreira como diretor, em 1908. Nesta época, o cinema americano passava por transformações que acompanhavam o desenvolvimento do próprio capitalismo do país. Inserido neste contexto mais amplo, Griffith soube como ninguém se integrar na nascente indústria do cinema e, mais do que isso, ajudar a construir um sistema narrativo eficiente que pudesse manter o interesse do público numa arte que lentamente se afirmava como tal, alimentando, então, o a curiosidade da classe-média americana. É este movimento crucial que O Nascimento de Uma Nação vai sacramentar, com todas as tensões estéticas e ideológicas que ele traz.
O filme narra a história de duas famílias: os Stonemans, do Norte abolicionista, e os Camerons, do Sul escravista a partir do início da Guerra Civil Americana (1861-1865) até a Reconstrução nos anos seguintes – período no qual, aliás, Griffith teve sua infância. Baseado no livro e na peça de Thomas Dixon Jr., “The Clansman: An Historical Romance of the Ku Klux Klan”, pretensa verdade histórica sobre a Guerra e os papéis dos Confederados e da União nos conflitos, os 180 minutos do filme mostram ainda o assassinato de Lincoln e a ascensão da Ku Klux Klan, no filme tomada como a salvação heróica dos brancos “na luta contra os negros”. Para o clã, na versão da história que Griffith comprou da obra de Dixon, a abolição da escravidão levaria os Estados Unidos ao caos.
Exibido pelo então Presidente e notório racista Woodrow Wilson na Casa Branca, o filme, produção grandiosa e sucesso de público, também teve de lidar com protestos onde quer que fosse anunciada a sua exibição pública. Notadamente pelo racismo que o filme veicula, movimentos pelos direitos dos negros fizeram, ao longo de décadas, protestos pelo banimento do filme, enquanto que, do outro lado, tentava-se defender o filme apelando para as “liberdades constitucionais”, tendo o próprio Griffith se pronunciado no célebre discurso “The Rise and Fall of Free Speech in America”. No limite, é um filme que reflete um pouco da própria tensão social que atravessa a História dos Estados Unidos desde a sua fundação.

SESSÃO AURORA
O NASCIMENTO DE UMA NAÇÃO
(The Birth of a Nation)
Direção: David Wark Griffith
1915
180 minutos
Elenco: Lilian Gish, Henry B. Walthall, Mae Marsh, Miriam Cooper, Mary Alden, George Siegmann, Wallace Reid
Exibição em HD com legendas em português
 
Sala P. F. Gastal
Coordenação de Cinema, Vídeo e Fotografia
Av. Pres. João Goulart, 551 - 3º andar - Usina do Gasômetro
Fone 3289 8133

www.salapfgastal.blogspot.com

Nenhum comentário: