Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sendo frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 69 certificados),sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

quarta-feira, 17 de setembro de 2014

Cine Especial: SAM PECKINPAH: O REBELDE IMPLACÁVEL: FINAL

Nos dias 18 e 19 de Setembro eu estarei participando do curso  Sam Peckinpah: O Rebelde Implacável, criado pelo Cena Um e ministrado pelo escritor e editor Cesar Almeida. Enquanto os dias da atividade não chegam, estarei por aqui postando sobre o que achei de cada filme desse diretor polêmico, porém o mais corajoso que surgiu, em um dos  períodos mais autorais do cinema americano.

                                                  A Cruz de Ferro

Sinopse: Em 1943, durante a Segunda Grande Guerra, na Península de Taman, o exército alemão sofre enormes baixas ao tentar invadir a Rússia. Para piorar, o conflito fica ainda mais acirrado quando o sargento Steiner (James Coburn) bate de frente com capitão Stransky (Maxmilian Schell), cuja obsessão é conquistar a condecoração Cruz de Ferro.

Trata-se de uma produção que mostra a Segunda Guerra pelo ponto de vista dos soldados alemães, fato que não é muito convencional. Steiner, o anti-herói do filme, se mostra como alguém que despreza os militares mas que, ao mesmo tempo, não consegue se manter afastado dos campos de guerra. Nem mesmo a pedidos entre lágrimas de uma enfermeira alemã ruiva, linda e nua em seu quarto (esse Steiner é louco mesmo). O homem é absolutamente ético. Cuida de sua matilha de soldados como um pai, se nega a executar um soldado russo por ser apenas uma criança e, quando em fuga encontra uma cabana cheia de mulheres russas vestidas como soldados, procura preservar a integridade delas. Nesse momento pensei que a coisa ia se tornar um Nazi-Exploitation, e foi quase mesmo. Peckinpah retrata a guerra com o aspecto sujo e realista. A vida nas trincheiras, convivendo com ratos, imundície e coberto pela terra que cai do teto a cada explosão. Também não deixa de acrescentar um tom de humor negro especialmente quando mostra o hospital de veteranos. 

Pat Garrett & Billy the Kid
Sinopse: Novo México, 1881. Pat Garrett (James Coburn), um antigo fora da lei, é agora o xerife local. Seu principal desafio é capturar - e matar - seu amigo dos tempos de vida criminosa, o mítico Billy the Kid (Kris Kristofferson).
O filme, apesar de trazer muitos recursos ótimos para a época em que foi feito, foi muito criticado e não obteve o público que deveria, já que a pressa dos produtores cresciam cada vez mais sobre o diretor Sam Peckinpah, levando à prejudicar o resultado final. Além disso, os problemas são maiores: adulteração do filme pelo estúdio, alto orçamento, filme com o tempo estourado, etc... Traduzindo: fracasso de público, uma má recepção da crítica, mas que foi ganhando um pequeno status de cult com o tempo. 

Leia também: Partes 1, 2 e 3.


Me sigam no Facebook, twitter e Google+

Nenhum comentário: