Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sendo frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 69 certificados),sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

segunda-feira, 1 de setembro de 2014

Cine Dica: Em Cartaz: LUCY



A ODISSEIA NO ESPAÇO DE BESSON



Sinopse: Quando a inocente jovem Lucy aceita transportar drogas dentro do seu estômago ela não conhece muito bem os riscos que corre. Por acaso ela acaba absorvendo as drogas e um efeito inesperado acontece: Lucy ganha poderes sobre-humanos incluindo a telecinesia a ausência de dor e a capacidade de adquirir conhecimento instantaneamente.


Em Akira (1987), cientistas do futuro fazem experiências com jovens, para então eles despertarem determinados poderes que o ser humano nunca pode despertar. Na cine série de X-Men iniciada em 2000, sempre é pregado que a mutação é a chave da revolução. Em Watchmen (2009), um cientista sofre um grave acidente num laboratório, mas em vez de morrer, acaba adquirindo poderes ilimitados, mas ao mesmo tempo em que ganha um conhecimento vasto, capaz de fazê-lo perder o interesse pelos seres humanos.
Esses exemplos todos que eu citei, são na verdade filmes baseados em HQ, em que o foco principal é sobre o poder e a capacidade do ser humano guardado dentro de si. Volta e meia, sempre surge uma super produção em que o protagonista adquire um determinado poder, mas que nem sempre é explorado de uma forma que possa nos maravilhar. No mais novo filme de Luc Besson (O Quinto Elemento) a historia nos leva por caminhos talvez nunca antes explorados pelo cinema, mas que embora forçado em alguns momentos, não tem como a gente deixar de se espantar
Ao acompanharmos a protagonista Lucy (Scarlett Johansson) se metendo no lugar errado e na hora errada no submundo das drogas, nem ela e nem nós imaginamos o que estará por vir. É necessário dizer que a primeira meia hora de filme é de uma imprevisibilidade sem precedentes e fazer com que nós apertamos na cadeira para qualquer ação que irá acontecer na tela. Levamos isso mais em consideração, no momento que surge o grande vilão da trama Mr Jang (Min-sik Choi do já clássico filme Coreano Old Boy) que possui o visual e uns trejeitos semelhantes ao do vilão Gary Oldman de O Profissional, também de Besson. 
Desde o primeiro minuto, tudo que nós vimos nas obras anteriores de Besson está lá: câmera lenta corte rápidos, violência, trilhas clássicas e o lado humano aflorando nos personagens em abundância em meio ao absurdo. O que dizer da maravilhosa cena em que Lucy se abre para sua mãe pelo telefone, enquanto cirurgiões retiram dela o que lhe causou inúmeros problemas, mas que ao mesmo tempo, lhe abriu portas para lugares dos quais jamais imaginava. 
Lucy vê, faz e age como bem entender, com poderes que não deve nada para qualquer super herói tradicional que a gente conheça. Scarlett Johansson brilha em cada cena em que aparece, mesmo quando a sua beleza angelical por vezes atrapalha em colocar para fora um grande talento que ainda (pelo menos eu acho) está adormecido. Os efeitos visuais, embora sejam muitos, correspondem exatamente como a forma que agora Lucy enxerga o mundo em que nos rodeia.
É claro que hoje vivemos numa fase da sétima arte, em que o publico cinéfilo não engole mais determinados furos de roteiro e no fundo sempre exige uma dose de verossimilhança sobre tudo que acontece na tela. Com isso, surge na historia Professor Norman (Morgan Freeman) que estuda a fundo o potencial do ser humano (que são no máximo 10%) e que servirá de  conselheiro para Lucy saber qual será o seu próximo passo. Passo esse em que todos os personagens (e nós) se adentram num ato final indescritível.
Ato final esse em que o diretor usa e abusa de tudo que sabe sobre o modo de filmar, mas que ao mesmo tempo colocando em doses cavalares a verossimilhança já citada aqui. E quando achamos que fantasia, realidade, física, tempo e espaço, crença e razão unidos num único pacote formaria uma situação forçada aos nossos ouvidos e olhos, eis que Besson não deixa essa mistura cair no lugar comum. Pode-se dizer que ele nos brinda com minutos finais que, se por um lado não supera, pelo menos chega perto da mesma sensação que o publico sentiu ao assistir o final de 2001: Uma Odisseia no Espaço de 1968.
Com pouco mais de uma hora e meia, Lucy é um filme de entretenimento de primeira, mas jamais se esquecendo de contar uma boa historia, que de quebra, nos faz levantar inúmeras teorias com relação a tudo que a gente viu na tela. Quem dera se todo  blockbuster  americano fosse assim hoje em dia.  


Me sigam no Facebook, twitter e Google+

Nenhum comentário: