Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sendo frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 69 certificados),sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

terça-feira, 12 de agosto de 2014

Cine Especial: ROBIN WILLIAMS (1951 – 2014)



Hollywood pode até ser uma fabrica de sonhos, mas não deixa de ser a criação de pesadelos para os atores, quando os mesmos são jogados ao esquecimento quando não dão mais lucros aos estúdios. Foi assim com lendas como Bela Lugosi (Drácula) que viram suas carreiras profissionais irem para o fundo do poço e com sigo as vidas pessoais atingidas fortemente. Infelizmente isso acontece com talentos que a gente menos esperava e aconteceu assim com Robin Williams. 
Dono de uma carreira que se dividia entre papeis dramáticos e cômicos, Wiliams obteve o auge na carreira durante a década de 80 e estabelecida nos anos 90. Infelizmente os anos 2000 foram ruins para ele, decaindo cada vez mais em escolhas erradas, tanto profissionais ou pessoais. Com isso, quando ninguém esperava, é anunciado a sua despedida desse mundo.
Ele deixa para nós cinéfilos de carteirinha, momentos sublimes e inesquecíveis na historia do cinema. Se há um grande legado que ele deixa, é o seu sorriso doce e gentil, mas que se olharmos bem, se escondia nele os seus problemas do dia a dia. Mas assim como o seu personagem em Patch Adams - O Amor É Contagioso, se deve sim sorrir durante a vida, mesmo em meio a grandes obstáculos que surgem no decorrer dela.
Abaixo, destaca os principais momentos da carreira de Robin Williams na minha opinião pessoal:
  

Popeye (1980)

Um dos personagens mais queridos do mundo dos desenhos e HQ foi levado para o cinema em 1980 justamente pelo diretor Robert Altman (MASH). Embora longe de ser idêntico ao personagem, Williams até que se deu bem na interpretação e sua parceria com  Shelley Duvall (interpretando Olívia Palito) é digna de nota.  



Bom Dia Vietnam (1987)

Primeiro grande sucesso da carreira de Robin Williams e o papel que o confirmou como um ator dramático. Williams interpretava o papel de Adrian Cronauer, um DJ da Força Aérea norte-americana destacado para Saigão em plena Guerra do Vietname. A frase “bom dia Vietname”, que Williams gritava repetidamente, tornou-se um clássico do cinema.


Sociedade dos Poetas Mortos (1989)

Aqui, Williams interpreta John Keating, um professor de inglês idealista confrontado com um conjunto de rapazes de um colégio com regras altamente restritas. Aqui nascia também outro clássico do cinema, que era a frase  “O Captain, my Captain”.



Tempo de Despertar (1990)

Neste tocante drama, Williams é um psicólogo, que tenta a todo custo ajudar um paciente (Robert de Niro) que acabou de acordar de um longo sono e que precisará encarar as mudanças do mundo enquanto ele estava dormindo.    


Hook: A Volta do Capitão Gancho (1991)

Embora tenha divido a opinião do publico e da critica na época, a produção de Steven Spielberg é vista hoje com carinho, por criar um fato inusitado de Peter Pan estar crescido, com família, mas que se esqueceu de quem realmente era. Destaco os momentos que Peter (Robin Williams) tenta, com ajuda dos garotos perdidos,  lembrar do seu passado de aventuras e que enfrentava o seu arqui-inimigo Capitão Gancho (Dustin Hoffman).  




Aladdin (1992)

Metade do sucesso dessa genial animação da Disney se deve a Robin Williams, pois foi ele que deu a voz ao Gênio da lâmpada. O seu trabalho na dublagem foi tão bom, que lhe valeu um prêmio especial no Globo de Ouro.  



Uma Baba quase perfeita (1993)

Uma das melhores comédias da década de 90 e o maior sucesso de carreira do ator. O filme faturou o Oscar de melhor maquiagem, pelo trabalho de transformar Robin Williams na carismática baba, que secretamente cuidava dos seus filhos sem a sua ex-mulher (Sally Field) suspeitar.

Gênio Indomável (1997)

Embora seja lembrado como o filme que consagrou as carreiras de Mat Damon e Bem Affleck (ganhando o Oscar de roteiro Original), o filme de Gus Van Sant apresentou o papel que daria a Robin Williams o seu primeiro e único Oscar pela carreira. Com a missão de ajudar um super gênio da matemática (Damon) o personagem de Williams entra num jogo psicológico, que fará com que ambos se ajudem um ao outro. 


Patch Adams - O Amor É Contagioso (1998)

Baseado em fatos verídicos, Williams interpreta um médico, que tenta a todo o custo levar alegria aos pacientes, mesmo àqueles em estagio terminal.



Retratos de uma Obsessão (2002)

Williams,interpreta  Seymour Parrish, um profissional em fotografias que nos simpatizamos de imediato. Sozinho no mundo, não tem família nem amigos, mas à medida que o filme avança, Parrish desenvolve uma obsessão por uma família específica.


 Me sigam no Facebook, twitter e Google+

2 comentários:

Gabriel Buba disse...

Uma pena que um genio como este se foi!

Marcelo Castro Moraes disse...

Pois é Gabriel, ficarei de luto por um bom tempo.