Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sendo frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 69 certificados),sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

segunda-feira, 14 de julho de 2014

Cine Dica: Em Cartaz: JOGO DAS DECAPTAÇÕES



Sinopse: Leandro, vivido por Fernando Alves Pinto, é um jovem sem grandes perspectivas na vida, mas faz mestrado em que o tema é sobre a memória e a ditadura militar brasileira; além da pressão de seu orientador para que dê andamento à tese, ele recebe apoio de Marília (Clarisse Abujamra), sua mãe que foi torturada e hoje dirige uma ONG e espera sua indenização pelos maus tratos recebidos na prisão. Durante a pesquisa, Leandro encontra um filme censurado de seu pai, Jairo Mendes (Paulo César Peréio), justamente quando sabe que Jairo foi degolado numa rebelião no presídio. O rapaz fica obcecado pela notícia e tenta descobrir os mistérios que envolveram a vida do pai.


O polêmico cineasta Sérgio Bianchi (Cronicamente Inviável) ataca com toda a fúria, exatamente quando o golpe militar de 1964 completa 50 anos, sendo que faz duras críticas tanto à esquerda quanto à direita. Mesmo eu não tendo visto os seus filmes anteriores, a sensação que eu tive é de que Sergio Bianchi tenha chegado ao seu trabalho mais provocante. O diretor enlaça os períodos dos movimentos da época da ditadura e dos movimentos de hoje, bem como mostra os atos e consequências daquela época sobre esta; a esquerda critica a direita, a direita critica o socialismo, o socialismo critica o capitalismo e assim se segue sempre num circulo vicioso e sem fim.
Enquanto isso, um jovem se sente cada vez mais pressionado consigo mesmo a escolher sua posição política, mas acaba entrando num labirinto sem volta. Sergio Bianchi deixa os supostamente oprimidos no chão, no momento que ele nos mostra o que por vezes, cai em um lugar comum os discursos de pessoas que querem reviver o passado, a eterna ferida da ditadura, mas o que não vemos é que a ditadura acontece desde a colônia, desde que o primeiro negro foi trazido para o Brasil, porém só quando revolucionários da classe média são presos é algo histórico e tem que ser falado. Curiosamente, as cenas de um filme do personagem Jairo Mendes (Paulo César) mostradas no longa diz de forma profética que no futuro ‘direita e esquerda jogarão o mesmo jogo’, são intercaladas com o filme de Bianchi, em que Leandro está pesquisando e convivendo com o grupo de amigos de sua mãe, todos ex-militantes da esquerda durante a ditadura, que hoje estão no poder e lutam mais pelos direitos de ter suas indenizações nos bolsos.
No final das contas, Bianchi cria uma analise perturbadora sobre a sociedade brasileira contemporânea, principalmente depois das manifestações de junho de 2013 e dos casos de linchamento ocorridos recentemente. Em determinada cena do longa, Leandro e seu amigo Rafael (Sílvio Guindane) presenciam cenas de manifestação estudantil com repressão violenta da polícia, assim como brigas banais de trânsito com finais trágicos e que remetem com a nossa realidade nua e crua.  No entanto, o diretor faz alusões a estes acontecimentos e não aprofunda a análise; sua verve e críticas funcionam com uma arma giratória, atinge tudo e a todos, tanto os grupos de esquerda, de direita, movimentos estudantis e de rua, acadêmicos, políticos, jornalistas e artistas de ontem e de principalmente os de hoje que por vezes não sabem ao certo no que estão protestando.
Saí do cinema com a mente a mil, mas ao mesmo tempo contente com á critica que ele faz com relação alguns grupos que se dizem parte da esquerda brasileira contemporânea, mas que na verdade não passam de alienados e que precisam urgentemente se reinventar ou saírem de cena por não saberem realmente a que protestar.  

Em Cartaz no Cinema - Cinebancários - Sessões: 15h, 17h e 19h - Rua General Câmara, nº 424 - Centro Porto Alegre


  Me sigam no Facebook, twitter e Google+

Nenhum comentário: