Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sendo frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 69 certificados),sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

segunda-feira, 21 de julho de 2014

Cine Dica: Em Cartaz: HELI





Sinopse: Heli (Armando Espitia) é jovem que mora no meio do nada, com sua mulher, Sabrina (Linda González), o filho pequeno, seu pai (Ramón Álvarez) e a irmã de 12 anos, Estela (Andrea Vergara). Ele e o pai trabalham numa montadora de carros. A vida não é fácil, mas dá para ser levada, a duras penas. A ruptura ocorre quando Estela começa a namorar um soldado, Beto (Juan Eduardo Palacios), e este rouba dois pacotes de cocaína.

 

Chocante filme ganhador do prêmio de direção no Festival de Cannes 2013, para o mexicano Amat Escalante, Heli é um filme para poucos, mas que diz muito. A trama é crua e uma verdadeira descida ao inferno pessoal e social, ao retrata um México longe das propagandas turísticas, longe da riqueza, distante de tudo, e afogada em problemas sociais e do pior do homem.
A primeira cena da produção já diz o que virá: um corpo é enforcado e jogado do alto de uma passarela. Curiosamente retornamos um pouco no passado e gradualmente começamos a descobrir o do porque esse chocante momento aconteceu. As desgraças surgem sem dó, nem piedade na vida de cada um dos personagens e faz com a gente sinta que não há escapatória para nenhum deles. Em suma, o que vemos na tela é o pior do ser humano quando ele se encontra desprendido de qualquer altruísmo pelo próximo. 
 Escalante não mostra cenas sugestivas, mas sim de cara mesmo e doa o que doer. E em seu filme há cenas explícitas de tortura: numa delas, no campo de treinamento, Beto é obrigado a rolar no chão que está sujo com seu vômito e fazendo-o desejar não estar naquele lugar jamais. As cenas mais bravas de tortura acontecem sob os olhares adolescentes e crianças enquanto estavam jogando videogame. O diretor, que é também escreveu o roteiro, parece indicar um paralelo entre a violência virtual do jogo eletrônico e a real – ambas tendem à desumanização das vítimas e seus algozes.
O cineasta é sincero ao mostrar a guerra do tráfico em seu país  sem usar panos quentes. Ainda assim, há um sentimento de repetição no que ele tem a dizer ou escancarar para nos. Num ponto a favor, ele não espetaculariza nenhuma das questões, ainda que não tenha muito de novo a dizer.
 
 Me sigam no Facebook, twitter e Google+

Nenhum comentário: