Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sendo frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 69 certificados),sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

sexta-feira, 25 de julho de 2014

Cine Dica: Cine Dica: Em Blu-Ray e DVD: O Grande Mestre




O mais novo filme de  Wong Kar Wai (Amor a Flor da Pele) tem dividido bastante a critica. Eu sinceramente assisti a mais de uma semana atrás, tarde da noite (com sono, aliás) e infelizmente não capitei muito bem qual era a intenção do cineasta em recriar para as telas a vida do mestre que ensinou as artes marciais para Bruce Lee (Operação Dragão). Pois bem, como eu não me dediquei 100% à obra quando eu assisti, decidi postar aqui duas criticas de duas pessoas confiáveis que assistiram a obra por inteiro e deram a sua opinião, confiram: 

O Grande Mestre

Uma versão oriental de Matrix



Por Thayz Guimarães



O cartaz do cinema avisa: “Inspirado na história verídica de Ip Man, o mestre de Bruce Lee”. Apesar disso, se você não o conhece nem nunca ouviu falar em Ip Man (1893-1972) – difusor do estilo Wing Chung de Kung Fu e o primeiro mestre do astro mundialmente conhecido –, essa informação prévia não faz a menor diferença em O Grande Mestre (The Grandmaster), de Won Kar-Wai (Amor à Flor da Pele). Na linha dos principais longas-metragens já produzidos sobre essa mesma história, o estrelado pelo galã Tony Leung (Amor à Flor da Pele) é o que mais se afasta da tradição de filmes de artes marciais, caminhando a passos largos para uma produção fundamentada nos efeitos especiais e excelência fotográfica.
À frente da coreografia das lutas, o célebre Yuen Wu Ping, também responsável por essa função em O Tigre e o Dragão e Matrix. Talvez, muito devido a isso, O Grande Mestre tenha uma estética de combate tão parecida à destes outros filmes, com cenas que valorizam mais o malabarismo, as firulas e piruetas do que o duelo em si – vide a insistência em sequências de slow motion e planos fechados, especialmente as em primeiríssimo plano. Closes em gotas de sangue e no desembainhar de espadas (quando ouvimos o tilintar do metal) não faltam, assim como batalhas luxuosas na chuva.
Entretanto, os slow motions das cenas dão um caráter heroico exagerado a qualquer ação das personagens. No filme, tudo é grandioso demais (inclusive os cenários, mas, nesse caso, de forma positiva), o que faz com que ele acabe perdendo um pouco da carga dramática, justamente, pelo exagero. Os diálogos, por outro lado, são um capítulo positivo à parte. Com expressões fortes e, às vezes, certa carga poética, carregam os valores chineses de honra e respeito, além de lições de moral bastante metafóricas.
Mas, uma falha. É tão confusa a montagem da história que só com as cartelas explicativas ao final de algumas cenas é possível entender o que acaba de acontecer. Outros trechos, porém, findam sem a compreensão total do espectador. Para onde vai Ip Man, o qual some inexplicavelmente, durante a longa sequência no nordeste da China, 10 anos antes do tempo presente da narrativa? O que aconteceu à sua esposa? Além disso, o enfoque amoroso estabelecido em alguns momentos é desnecessário a ponto de acrescentar um peso melodramático enjoativo à evolução do roteiro.
O Grande Mestre está mais para uma produção que ganha com estética e plástica do que para um filme que se deseja assistir apenas como forma de entretenimento ou informação. Decepciona, em parte, os que esperam pela “verdadeira” história do mestre Ip Man, e irrita aos fãs de efeitos especiais com sua fotografia e seu enquadramento mais conceituais – não à toa, o filme concorreu pelas categorias melhor fotografia e melhor figurino no Oscar 2014. Deixou a festa sem nenhuma estatueta, mas valeu a indicação. Em suma: um filme mais bonito, tecnicamente falando, do que interessante para o grande público. A este, vale uma consulta à trilogia dirigida por Wilson Yip, O Grande Mestre (Yip Man), a partir de 2008.




              Quando uma abordagem diferente não cai bem

Por Adriana Araujo

 

O filme O Grande Mestre, de Wong Kar Wai (Um beijo roubado), conta a história verídica de Ip Man (Tony Leung Chiu Wai), mestre das artes marciais e instrutor de Bruce Lee, na cidade de Foshan (China). Mesmo narrado em tempo cronológico, o longa se perde num roteiro confuso e entediante, no qual surgem personagens aleatórios, que não parecem estar ligados à trama e, se estão, isso não é explicitado.
Apesar de ser uma biografia, acaba perdendo esse ar ao ter a história de Ip dividida com a personagem Gong Er (Zhang Ziyi), filha do mestre que passou o posto ao protagonista. Gong tem tanto destaque que, a partir de certo momento, se tem a impressão de que o enredo é, na verdade, sobre ela.
Mas nem só de aspectos negativos ele é construído. Como ponto positivo, conta-se a bonita fotografia, com muitos closes que chamam a atenção para os pormenores. As cenas de combate não são de tirar o fôlego, ao contrário, surpreendem pelos detalhes dos golpes. Não é um filme sobre luta: as artes marciais fazem parte dos personagens, de sua essência enquanto ser humano. A trilha sonora composta de músicas basicamente instrumentais também dá um tom característico: nada da trilha típica que nos remete à ação a que estamos acostumados em similares já consagrados no cinema.
A história de Ip já havia sido contada anteriormente em dois trabalhos dirigidas por Wilson Yip (Flashpoint), com Donnie Yen (Bater ou correr em Londres) no papel principal. O grande mestre (2008) e a continuação O grande mestre 2 (2010), no entanto, tem uma abordagem diferente da recém-lançada produção; são mais ao padrão hollywoodiano, com sequências  de lutas num ângulo mais parecido com os do gênero já consagrado. 
O Grande Mestre tinha tudo para ser uma bela obra, com um foco bem diferente dos mercadológicos filmes de temática semelhante a que estamos acostumados. O roteiro escorregadio, porém, fez com que o longa-metragem ficasse desinteressante e pouco proveitoso.

 Me sigam no Facebook, twitter e Google+

Nenhum comentário: