Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sendo frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 69 certificados),sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

segunda-feira, 9 de junho de 2014

Cine Especial: QUADRINHOS NO CINEMA: UMA HISTÓRIA QUADRO A QUADRO: Parte 7


Nos dias 10 e 11 de Junho, eu estarei participando do curso Quadrinhos no cinema: Uma História quadro a quadro, criado pelo Cena Um e ministrado pelo autor da "Enciclopédia dos Quadrinhos" (Editora L&PM) André Kleinert. Enquanto o curso não chega, por aqui estarei fazendo uma retrospectiva das melhores adaptações das HQ para o cinema e sobre o que mudou para aqueles que curtem essas duas artes de contar historias.



HERÓIS HUMANOS

Cavaleiro das Trevas, Watchmen, A Queda de Murdock, Piada Mortal e dentre outras, foram HQ que mudaram a cara dessa arte para sempre nos anos 80. Antes invencíveis, os anos 80 trouxeram um lado mais sombrio e humano para os super heróis e conquistando novamente aqueles leitores que um dia leram as suas historias e conquistando uma nova geração que acreditava que HQ era somente para criança. Nas adaptações para o cinema essa mudança também foi sentida, confiram:

 (2005) Batman Begins

Sinopse: Marcado pelo assassinato de seus pais quando ainda era criança, o milionário Bruce Wayne (Christian Bale) decide viajar pelo mundo em busca de encontrar meios que lhe permitam combater a injustiça e provocar medo em seus adversários. Após retornar a Gotham City, sua cidade-natal, ele idealiza seu alter-ego: Batman, um justiceiro mascarado que usa força, inteligência e um arsenal tecnológico para combater o crime.


Após o fiasco que a Warner fez com Batman e Robin, parecia que jamais haveria uma chance de Batman retornar aos cinemas para limpar a sua imagem depois daquele vexame. Eis que então, a Warner decidida a trazer novamente o herói de volta, contratou Christopher Nolan que, soube criar um filme, cuja trama não só soube respeitar o personagem do inicio ao fim, como também criou o universo do morcego algo mais crível para o nosso mundo real. A trama não tem pressa em apresentar o personagem já encapuzado e sim mostrar todo o desenvolvimento e os motivos que levaram um homem a combater o crime de uma cidade corrupta, sendo algo que nem nas outras adaptações soube mostrar isso. Christian Bale faz do seu personagem, algo mais humano, e também não esconder as dores que carrega ao longo dos anos e desde já se tornou o melhor Bruce Wayne/Batman. Michael Caine, Liam Neeson, Morgan Freeman, Gary Oldman, Ken Watanabe, Katie Holmes, Cillian Murphy, Tom Wilkinson e Rutger Hauer completam o elenco de estrelas, nesse belo filme que trouxe respeito e dignidade de volta para o ícone dos quadrinhos.
Curiosidades: Antes do início das filmagens o diretor Christopher Nolan reuniu todo o elenco para uma sessão privada de Blade Runner, o Caçador de Andróides (1982). Após o encerramento do filme, Nolan disse a todos que era daquele jeito que queria que fosse Batman Begins. Apesar de Cillian Murphy não ter sido escolhido para interpretar Batman, o diretor Christopher Nolan gostou tanto de seu teste de cena que o convidou para interpretar o personagem Espantalho.

(2006) V DE VINGANÇA

Sinopse: Em uma Inglaterra do futuro, onde está em vigor um regime totalitário, vive Evey Hammond (Natalie Portman). Ela é salva de uma situação de vida ou morte por um homem mascarado, conhecido apenas pelo codinome V (Hugo Weaving), que é extremamente carismático e habilidoso na arte do combate e da destruição. Ao convocar seus compatriotas a se rebelar contra a tirania e a opressão do governo inglês, V provoca uma verdadeira revolução. Enquanto Evey tenta saber mais sobre o passado de V, ela termina por descobrir quem é e seu papel no plano de seu salvador para trazer liberdade e justiça ao país.


Marcando a estreia do australiano James McTeigue na direção, após ter auxiliado o trabalho dos irmãos Wachowski (trilogia Matrix), agora produtores e roteiristas, V de Vingança é a adaptação para os cinemas da HQ dos renomados autores Alan Moore e David Lloyd. Lembrando muito o clássico 1984, de George Orwell, o filme constrói um Reino Unido tomado por um Partido autoritário, cujo poder tem como consequência um controle intenso sobre a população. No entanto, um misterioso – e sobretudo poético – personagem mascarado, conhecido por V (Hugo Weaving), confronta o partido e transmite uma mensagem a toda a nação: dentro de um ano, a situação vai mudar, quando o mesmo planeja destruir o edifício do Parlamento Britânica.
Quando a funcionária de um meio de comunicação Evey Hammond (Natalie Portman), salva por V em um dado momento, resolve ajudá-lo, torna-se um meio termo entre cúmplice e refém. Dessa forma, os membros do Partido, liderados por Adam Sutler (John Hurt), o Chanceler, tentam capturá-la como forma de obter informações do mascarado. No entanto, V, motivado por uma vingança de um passado sofrido por conta do Partido, esconde muitos segredos e pretende levar seu plano até o final. Embora de temática forte e bastante política, V de Vingança possui uma leveza beirando à ingenuidade. O enigmático protagonista, que possui um gosto pela erudição e é incrivelmente habilidoso no combate, encanta o espectador pela sua desafiadora mensagem de esperança. Em 1984, o protagonista também arma contra o Partido, mas é incomparavelmente menos imponente.
Desse modo, mesclando falas otimistas, poéticas e ao mesmo tempo contundentes, V investe no seu objetivo e parece ter tudo muito bem planejado. Paralelamente, Evey, apesar de contribuir um pouco, torna-se uma grande aprendiz – mesmo a contragosto – dos valores pregados por V. Há relação desses valores com a anarquia. Não por acaso, o símbolo adotado por V é desta letra envolta por um círculo, na cor vermelha. De cabeça para baixo, é o ícone anarquista. A cena em que Evey é levada a uma prisão e tem contato com bilhetes escritos por uma moça que foi detida por ser homossexual, é uma das mais bonitas do filme e ilustra bem a luta que se prega pela justiça, liberdade individual e igualdade de direitos. Nessas esferas, o filme expande seu significado.
O lado culto que o filme evoca é uma constante. V, por exemplo, executa demolições de prédios imaginando-se como regente de uma orquestra (detalhe: nas suas bombas, há vários fogos de artifício, que dão um ar de festa). Outro personagem, companheiro de Evey, cozinha ao som de bossa nova. Uma boa produção, que conta com ótimas cenas de ação, misturada com um roteiro interessante que traz uma história envolvente, uma vez que V corre atrás dos “cobrões” do Partido, além de toda a poesia, resultam no sucesso do filme. De V de Vingança podemos concluir que os governos autoritários podem até obter controle político e ideológico, mas nunca vão calar as idéias e a voz dos dissidentes.




(2008) O CAVALEIRO DAS TREVAS

Sinopse: Em sua nova aventura para o cinema, Batman segue como o vigilante de Gotham City e tem Jim Gordon (Gary Oldman) e o promotor público Harvey Dent (Aaron Eckhart) como aliados, além do apoio de seu fiel mordomo Alfred (Michael Caine) e do amigo Lucius Fox (Morgan Freeman). Mas um inimigo surge para ameaçar a paz da cidade: o Coringa (Heath Ledger), que inicia uma série de ataques e ameaça Rachel Dawes (Maggie Gylenhaal). Batman então percebe que não enfrenta simplesmente mais um vilão, e sim um adversário maquiavélico e inteligente que não poupará esforços para sair triunfante da batalha.



Christopher Nolan havia feito no filme anterior, um filme correto e no momento certo para tentar revitalizar o personagem no cinema, ao fazer um filme pé no chão em que a ficção se misturasse com a realidade. Agora, ninguém esperava que a seqüência fosse tão boa ao ponto de chegar a um novo patamar nas adaptações das historias em quadrinhos. Se no filme anterior era trazer mais realismo ao universo do morcego, aqui mostra o que realmente aconteceria se uma pessoa decidisse combater o crime, sendo que sempre haveria consequências e o nome de uma delas é Coringa.
Ao introduzir o personagem no filme, a trama vai a níveis nunca alcançados antes em outras adaptações de HQ. Quando acha que o personagem já fez de tudo, pode esperar pelo efeito surpresa e isso, claro, se deve a assombrosa interpretação de Heath Ledger. Se em 2006 ele ousou ao interpretar o caubói gay em O Segredo em Brokeback Mountain de Ang Lee, aqui ele simplesmente desaparece no personagem tornando um ser humano assustador e imprevisível que deseja nada mais além do mais puro caos.
Com isso, o filme explora até que ponto vai a maldade e a loucura humana, até que ponto o ser humano pode ou não ceder ao seu lado sombrio perante o horror que há no mundo, e isso é muito bem retratado pelos personagens Batman/Bruce (Christian Bale), Gordon (Gary Oldman) e Harvey Dent (Aaron Eckhart, espetacular), uma trindade que se uniu para o bem de uma cidade, mas mal sabem que haveria tantos sacrifícios em prol de algo maior.
Cenas ação realistas ao extremo, e espetaculares em momentos de pura tensão psicológica, fazem desse filme um dos melhores dos últimos anos que infelizmente não foi reconhecido muito bem na academia (com exceção Heath Ledger que acabou sendo indicado e ganhando todos os prêmios incluindo o Oscar).



(2009) Watchmen - O Filme

sinopse: Em 1977 foi aprovada pelo congresso norte-americano a Lei Keene, que proibia as atividades de mascarados no combate ao crime. Isto fez com que vários super-heróis deixassem a carreira, como o Coruja (Patrick Wilson) e Espectral (Malin Akerman). Outros, como o Comediante (Jeffrey Dean Morgan) e o Dr. Manhattan (Billy Crudup), passaram a trabalhar para o governo. Dois anos antes da implementação desta lei Adrian Veidt (Matthew Goode) decidiu revelar sua identidade como Ozymandias, dedicando-se a partir de então na construção de um império econômico. Em 1985 o mundo vive o clima da Guerra Fria, no qual um ataque nuclear pode acontecer a qualquer momento, vindo dos Estados Unidos ou da União Soviética. Neste clima de tensão política Edward Blake, o Comediante, é assassinado. Em seu funeral comparecem, em momentos diversos, seus antigos companheiros. Entre eles está Rorschach (Jackie Earle Haley), que acredita que sua morte seja o indício da existência de um assassino de mascarados.

 Quando se achava que nada poderia se igualar a Batman: Cavaleiro das Trevas, eis que o diretor Zack Snyder (300) leva para os cinemas a historia conhecida por muitos como a bíblia dos quadrinhos, um verdadeiro marco dessa arte. Resumidamente o filme levanta a seguinte questão: O mundo seria melhor se os super heróis realmente existissem? A resposta esta numa trama de mais de duas horas e meia, recheada de personagens humanos e com os seus inúmeros defeitos perante as escolhas que terão que saber (ou não) administrar. Elenco de primeiro linha ( Jackie Earle Haley como o personagem Rorschach está impecável) efeitos especiais de ultima geração e isso sem contar o maravilhoso crédito de abertura onde se reconstitui inúmeros momentos históricos americanos e mundiais da nossa realidade onde os heróis desse universo participam, embalado com uma fantástica musica do mestre Bob Dylan, desde já uma das melhores adaptações de HQ para o cinema.

 

Curiosidades: Durante a escalação do elenco o diretor Zack Snyder deu a cada ator uma cópia do roteiro e outra da graphic novel “Watchmen”. Posteriormente, já durante as filmagens, Snyder permitiu que os atores levassem ao set a graphic novel e reescrevessem eles próprios seus diálogos.O próprio Zack Snyder pediu a Dave Gibbons, um dos autores de “Watchmen”, que desenhasse o primeiro cartaz do filme. Gibbons aceitou o convite e o fez com algumas pistas sobre a trama da história, escondidas no próprio visual.

Inscrições para o curso clique aqui

  Me sigam no Facebook, twitter e Google+

4 comentários:

LEO disse...

Eu sei q o filme "Watchmen" não foi bem nas bilheterias e não agradou mto à boa parte dos leitores e fãs da HQ....

mas eu sou um dos maiores defensores do filme e achei mto bom mesmo: os atores estavam ótimos nos papéis (em especial a bela Carla Gugino como a Sally Júpiter dos anos 40)!

Abs!

Marcelo Castro Moraes disse...

Watchmen levou nota 10 pela revista SET na época e muitos críticos de prestigio elogiaram o filme. Se não fez muito sucesso é porque ainda o publico não estavam prontos para super heróis tão humanos e falhos como eles.

Nanda - Arca de Rabiscos disse...

Opa, começa hoje o curso então, Marcelo!
Bom, não li as HQs e não vi todos os filmes... tô muito por fora, como sempre, hehehe! Abraço!

Marcelo Castro Moraes disse...

Pois é Nanda, queria muito que vc e o Leo participassem comigo, pois vcs são também especialistas no assunto.