Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sendo frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 69 certificados),sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

segunda-feira, 9 de dezembro de 2013

Cine Dica: Em Cartaz: AZUL É A COR MAIS QUENTE


Sinopse: Adele (Adle Exarchopoulos) é uma garota de 15 anos que descobre na cor azul dos cabelos de Emma (Léa Seydoux) sua primeira paixão por outra mulher. Sem poder revelar a ninguém seus desejos ela se entrega por completo a este amor secreto enquanto trava uma guerra com sua família e com a moral vigente.

Num determinado momento da primeira hora de Azul é a cor mais quente, Adele (Adle Exarchopoulos) esta tendo um sonho erótico com relação à garota que ela havia cruzado na rua, Emma (Adele Exarchopoulos). No principio, o travesseiro que ela usava era todo branco, mas bastou ela começar a ter o sonho, que ele começou a ficar manchado de azul, ao ponto dele ficar diferente da primeira cena em que ele surgiu. Essa seqüência representa muito bem inúmeros momentos do filme, em que objetos de cena, assim como o fundo do cenário, possuem a cor azul, mas que talvez não estejam exatamente desta cor, mas estão assim devido aos pensamentos de Adele que transbordam na tela, principalmente com relação à pessoa que ela busca para amar.
Dirigido por Abdellatif Kechiche (O Segredo do Grão), e baseado na HQ escrita por Julie Maroh, Azul é a cor mais quente me fez sentir a mesma sensação de quando eu havia assistido O Segredo de Brokeback Mountain de Ang Lee: não é sobre a relação de duas pessoas do mesmo sexo, mas sim sobre uma historia de amor como qualquer outra, de altos e baixos e que para o bem ou para o mal, lhe trazem sofrimento, mas amadurecimento com relação a certos obstáculos da vida. Com isso, não tem como a pessoa não se identificar com os personagens, seja ela  hetero ou não.  
Mais do que sobre uma historia de amor, o filme também desvenda como por vezes é difícil a vida, com relação ao saber o que realmente a pessoa quer pra ela, principalmente na fase da adolescência. Nessa época, algumas vezes nós mesmos nos pegávamos de uma maneira deprimida, mas não sabíamos por que, sendo que parece que falta algo para a gente ser feliz ou que a gente não descobriu outro lado de nos. Adele é mais ou menos assim: vivendo o dia a dia, indo e voltando para escola, mas com pensamentos e dores internas nas quais ela mesma não pode explicar nem para ela mesma.   
Tudo isso é mostrado gradualmente pela câmera de Kechiche, onde ele consegue extrair cada gesto, detalhes e pensamentos vindos dos olhos da protagonista, criando um verdadeiro mosaico, tanto de imagens sugestivas, como também fazer com que a gente consiga saber o que ela pensa através dos seus olhos. Isso muito se deve também a estupenda interpretação de Adele Exarchopoulos, que carrega todo o filme nas costas, mas de uma maneira surpreendente, segura e se transformando uma das grandes revelações do ano.  
Embora com suas três horas de duração o filme desperta nossa curiosidade com relação ao destino da personagem e fazendo com que nos tornemos parceiros ao lado dela nessa jornada. Bom exemplo é a primeira hora do filme, que embora Adele tenha cruzado e trocado olhares com Emma na primeira meia hora de filme, leva um bom tempo até elas se reencontrarem. Até lá, vivenciamos as descobertas que a protagonista experimenta, desde ao fato de fazer sexo pela primeira vez com um rapaz, como também ter o seu primeiro beijo com outra garota.
Chega ao ponto, que sabemos o que Adele quer: achar Emma e liberar o que ela quer soltar a todo custo, mesmo demonstrando um comportamento um tanto que contido. O reencontro finalmente acontece num bar, onde conhecemos Emma e descobrimos que ela não é somente uma bela imagem Angelical que despertou os desejos da protagonista, como também uma garota entendida e resolvida na vida como uma artista. Embora Léa Seydoux não possua o mesmo tempo de cena de Adele Exarchopoulos, ela simplesmente domina em cena quando ela surge, passando segurança de sua personagem, protagonizando momentos fortes e que não deve nada para a sua colega de cena.
Com o reencontro e o inicio de uma forte relação amorosa, surge a tão badalada e polemica cena de amor entre as duas. Embora tenha causado furor no festival de Cannes devido a essa cena, o que vemos não é nada gratuito, mas sim justificado, pois durante mais de uma hora de filme, vimos à protagonista em uma cruzada para liberar os seus desejos internos e o que vemos é o resultado mais do que justo. Graças Abdellatif Kechiche e sua câmera, vemos uma cena de sexo de uma maneira bela, onde presenciamos cada centímetro dos corpos das duas e passando para nos a sensação de fusão de pele entre ambas as protagonistas, criando assim uma visão incomum, em sete minutos que sintetiza muito bem o que ambas sentem uma pela outra naquele momento forte e singelo.  
Após isso, presenciamos a construção dessa relação, onde elas conhecem aos poucos o mundo de cada uma delas, desde os seus atrativos, como também suas imperfeições. Como em toda relação que se preze, o que começa como uma bela historia de amor, acaba não sendo exatamente o que se esperava. Não que ambas não se amem uma pela outra, mas são suas personalidades distintas que coloca a relação delas em cheque.
Enquanto Emma sabe o que realmente quer na vida, Adele ainda se encontra num redemoinho de incertezas, que há faz descascar outras camadas de sua confusão de pensamentos e sentimentos. A conseqüência disso faz com que elas se coloquem num desafio de saber sobreviver numa realidade em que o amor, por mais que o desejamos, machuca e nos faz nos levar num caminho sem retorno. Provocamos os nossos atos, mas as conseqüências sempre será outra historia ser enfrentada.
Em seu ato final, vemos as protagonistas sobrevivendo às conseqüências de suas escolhas, mas jamais mudando o que ambas sentem uma pela outra. Não há um final feliz, mas também não é nenhuma tragédia, e sim recomeço, no qual desejamos segui-lo e saber qual seria o próximo passo delas.
Embora com suas três horas de duração, Azul é a cor mais quente é um filme a ser degustado, saboreado vagarosamente e ser visto com a mente aberta. Os que não entendem o que eu quero dizer, que fiquem do lado de fora do cinema. 


Me sigam no facebook e twitter. 

Um comentário:

renatocinema disse...

Sem dúvida, o filme que mais me tocou em 2014. Pena não ter visto no cinema.

Esse terá destaque em minha coleção.

Abraços