Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sendo frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 69 certificados),sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

sexta-feira, 29 de novembro de 2013

Cine Dica: Estréias do final de semana (29/11/13)


Além das estréias tradicionais do fim de semana, destaco também a abertura do 10º festival de cinema Bourbon, onde um dos principais destaques é o aguardado Azul é a Cor Mais quente, que também esta chegando em sua versão em HQ. Mais informações sobre o festival você clica aqui.

A Religiosa 

Sinopse: No século XVII, a jovem Suzanne (Pauline Étienne) sonha em ter uma vida livre, mas seus pais têm outros planos para ela: colocá-la em um convento. Embora resista aos planos, Suzanne é forçada a seguir a preparação para a vida religiosa, entre madres superiores tirânicas, e outras carinhosas em excesso... Aos poucos, a jovem começa a preparar seu plano de fuga.

Ensaio 
Sinopse: A bailarina Eva vive um impasse: terá que escolher entre a intensa paixão secreta por seu parceiro de dança e a dedicação ao grande papel de sua vida a heroína Anita Garibaldi. Nos bastidores dos ensaios do espetáculo amor inveja arrependimento e obsessão são sentimentos que tomam todos os envolvidos do diretor marido de Eva até a maquiadora da companhia de dança. 

Crô - O Filme 

Sinopse: O ex-mordomo e agora entediado milionário Crodoaldo Valério decide voltar ao trabalho que exercia antes de herdar a fortuna de sua ex-patroa. Crodoaldo acaba por se interessar por Vanusa Ribeiro que se apresenta como sócia de uma confecção na qual - nosso herói descobrirá - ela explora mão de obra escrava. Indignado Crô decide desbaratar a máfia da qual Vanusa é um dos chefes e neste processo acaba se interessando pela sorte de uma das escravas Larissa uma menina de oito anos.

Vovô sem vergonha 

Sinopse: Vovô Sem Vergonha mistura pegadinhas com ficção e traz o senhor Zisman que diz ter 86 anos vai ensinar um garotinho a roubar em supermercado a entrar de penetra em uma festa de casamento cometer infrações no trânsito e outras coisas ilegais.


Um Time Show de Bola

Sinopse: UM TIME SHOW DE BOLA conta a história de Amadeo um jovem que vive e trabalha num bar de um pequeno vilarejo argentino. Amadeo joga pebolim como ninguém e está apaixonado por Laura mas ela ainda não sabe disso. Sua rotina simples desmorona quando Párpados um jovem do vilarejo que se transformou no melhor jogador de futebol do mundo volta para casa disposto a se vingar da única derrota que sofreu em sua vida. Com o pebolim o bar e até sua alma destruídas Amadeo descobre algo mágico: os jogadores de seu querido pebolim falam e muito Juntos eles embarcam numa emocionante viagem cheia de aventuras para salvar Laura e o vilarejo e ao longo do caminho se transformar numa equipe de verdade. Porém existe no futebol lugar para milagres?


Tokiori - Dobras do Tempo 

Sinopse: Os destinos de seis famílias de imigrantes japoneses se cruzaram, entre 1927 e 1934, no bairro rural de Graminha, a 45 km de Marília (SP). O filme segue o percurso das memórias de três gerações dessas famílias, criando um mosaico de diferentes vivências. Projeta ainda contribuições desta comunidade dentro da realidade paulista e brasileira.



Me sigam no facebook e twitter. 

Cine Dica: Cine Dica: Iniciam as exibições da 41ª Edição do Curta nas Telas

O DOCUMENTÁRIO URBE ABRE AS EXIBIÇÕES DA 41 ª EDIÇÃO DO CURTA NAS TELAS RETRATANDO A CIDADE ATRAVÉS DE UM MOSAICO POÉTICO DO COTIDIANO 

O projeto  Curta nas Telas apresenta, de 29 de novembro a 12 de dezembro de 2013, o documentário Urbe, de Marcos Pimentel. As exibições ocorrem na Sala 7 do Espaço Itaú de Cinema, em todas as sessões do longa Crô – o Filme, de Bruno Barreto.

URBE é o primeiro filme a ser exibido dos doze curtas-metragens selecionados que compõem a 41ª edição do Curta nas Telas. Um documentário sobre uma cidade e sua alma. A presença da vida e da morte nos centros urbanos contemporâneos. Uma reflexão sobre as raízes das cidades e os sentimentos de seus habitantes em um mosaico de situações sublimes e trágicas do cotidiano. A exemplo das célebres sinfonias sobre cidades realizadas pelo cinema de vanguarda nos anos 20, como Berlim – Sinfonia de uma Metrópole e Paris que Dorme, o diretor Marcos Pimentel realiza um ensaio poético e musical sobre a vida na metrópole.
URBE, de Marcos Pimentel (Minas Gerais, documentário, 15 minutos, 35mm, 2009). Censura livre.
Ficha Técnica – Roteiro, Direção e Executiva: Marcos Pimentel / Direção de Fotografia: Mauro Pianta / Montagem: Horácio Velásquez.

 Sobre o Curta nas Telas
O projeto Curta nas Telas é fruto de uma parceria entre a Prefeitura Municipal de Porto Alegre, o Sindicato das Empresas Exibidoras do Rio Grande do Sul e a Associação Profissional dos Técnicos Cinematográficos do Rio Grande do Sul e Brasileira de Documentaristas (APTC – ABD/RS). Seu objetivo é divulgar a produção nacional de curtas-metragens, por meio da exibição dos filmes selecionados no circuito de cinemas de Porto Alegre. Em 40 edições foram exibidos 283 curtas de todo o Brasil.

Os doze curtas selecionados na 41ª edição estarão em exibição até 20 de maio de 2014.

Os próximos selecionados na 41ª edição do Curta nas Telas a entrar em cartaz serão:
CASA AFOGADA, de Gilson Vargas – 6 a 19 de dezembro de 2013, no GNC Moinhos.
DEPOIS DO ALMOÇO, de Rodrigo Diaz – 10 a 23 de janeiro de 2014, no Arcoiris Cinema.
FUNERAL À CIGANA, de Fernando Honesko – 24 de janeiro a 6 de fevereiro de 2014, no Cineflix.
5 HORAS RUMO NORTE, de Paula Sabbaga – 7 a 20 de fevereiro de 2014, no Cinemark.
UMA PRIMAVERA, de Gabriela Almeida – 21 de fevereiro a 6 de março de 2014, no Cinespaço Wallig.
PIOVE, IL FILM DE PIO, de Thiago Mendonça – 7 a 20 de março de 2014, na Cinemateca Paulo Amorim.
LINEAR, de Amir Admoni – 21 de março a 3 de abril de 2014, no Guion.
MEMÓRIAS EXTERNAS DE UMA MULHER SERRILHADA, de Eduardo Kishimoto – 4 a 17 de abril de 2014, no Espaço Itaú de Cinema.
CHAPA, de Thiago Ricarte – 18 de abril a 1º de maio de 2014, no GNC Moinhos.
A DESCOBERTA, de Ernesto Molinero –  2 a 15 de maio de 2014, no Cinemark.
DIA ESTRELADO, de Nara Normande – 16 a 29 de maio de 2014, no Cineflix.


Mais informações vocês conseguem na pagina do Curta nas Telas clicando aqui. 

quinta-feira, 28 de novembro de 2013

Cine Dica: Em Blu-Ray e DVD: Tese Sobre Um Homicídio


Sinopse: Roberto Bermudez (Ricardo Darín) é um especialista em Direito Criminal que ministra um curso bastante reconhecido. Uma nova turma está prestes a iniciar as aulas e entre os alunos está Gonzalo (Alberto Ammann), filho de um velho conhecido do professor. Gonzalo trata Roberto como um verdadeiro ídolo, o que incomoda o mestre. Já com as aulas em pleno andamento, um brutal assassinato ocorre perto da universidade. Roberto logo demonstra interesse no caso e, ao investigar os detalhes, passa a crer que Gonzalo seja o autor do crime e esteja desafiando-o a um jogo de inteligência.

Que Ricardo Darin é um ótimo ator, sendo que aqueles que assistiram Abutres, Um Conto Chinês  e o "O segredo dos seus olhos" todo mundo já sabe disso. Também não é nenhum segredo que filmes estrelados por ele cheguem por aqui e atraindo cada vez mais atenção do cinéfilo. O ator acerta mais o alvo do que erra pelo menos na maioria dos filmes que chegou por aqui sempre ele nos surpreendeu.
Na sua mais nova atuação, "Tese sobre um homicídio", é um filme policial cuja trama sempre soa familiar, mas é graças a sua atuação que faz a diferença.  Baseado em um romance de Diego Paszlowski, "Tese sobre um homicídio" não ousa nem em seu tema e tão pouco na sua construção, optando por uma trama  linear para atrair o publico, mesmo que apresente um ato final que deixa mais perguntas do que respostas.  Como bom filme de investigação, apresenta sua historia, seus protagonistas e seus conflitos interiores da maneira mais plausível possível, para então, enlaçar o cinéfilo em uma gigante bola de neve, cheia de pistas duvidosas  e um jogo de gato e rato que para o bem ou para o mal prende a nossa atenção até o fim.
O grande problema de “Tese sobre um homicídio" é o que citei acima, de sempre soar familiar em muitos momentos, principalmente para o cinéfilo mais atento e que já viu tramas policiais semelhantes. O que diferencia de outras produções, é a forma como ela se apresenta visualmente, onde a câmera se torna o olhar do protagonista e sempre fazendo a gente assistir através da perspectiva dele. Isso sem contar à fotografia que remete os bons tempos do gênero noir e uma trilha sonora caprichada que se casa muito bem em momentos de tensão.   
Apesar dos pesares, é um filme que prova que o cinema Argentino cada vez mais está querendo investir em outros gêneros. Resta saber se sua boa fase pode ou não sobreviver sem atores de quilate como Ricardo Darin.    


Me sigam no facebook e twitter. 

Cine Dica: Em Blu-Ray e DVD: Meu Malvado Favorito 2


Sinopse: Gru (voz de Steve Carell/Leandro Hassum) mudou radicalmente sua vida e agora seu negócio é se dedicar às filhotas Agnes (Elsie Fisher), Edith (Dana Gaier) e Margo (Miranda Cosgrove), deixando de lado os tempos de vilão. Ele só não contava que seu passado de "ladrão da Lua" pudesse falar mais alto e ser responsável pelo seu recrutamento, através da AVL (Liga Anti-Vilões), para salvar o mundo na companhia da agente Lucy (Kristen Wiig/Maria Clara Gueiros). Juntos, eles precisam localizar o criminoso que roubou a fórmula PX41, e Gru desconfia que um antigo "concorrente", chamado El Macho (Beijamin Bratt/Sidney Magal), possa ser o responsável por essa maldade. Para completar os problemas, o parceiro Dr. Nefário (Russell Brand/Luiz Carlos Persy) resolveu abandoná-lo e Margo está vivendo seu primeiro amor.

Lançado em 2010, Meu Malvado Favorito foi uma agradável surpresa, ao apresentar o personagem Gru, um super vilão, mas que no fundo existia um bom coração, ao ponto de realmente adotar três crianças, sendo que a principio ele havia somente pego elas para outros fins. É aquela velha lição de sempre vista em outros filmes de animação como Sherk, em que nem sempre se deve julgar o livro pela capa, mas aqui soa de uma forma fresca e muito bem vinda. Nessa seqüência, pouca coisa mudou com relação ao original, a não ser o fato de o protagonista começar ter o seu coração balançado pela nova personagem feminina da área, agente Lucy (Kristen Wiig/Maria Clara Gueiros).     
Fora isso, o ex vilão tem a missão de procurar e desvendar as artimanhas de um vilão das antigas, mas ao mesmo tempo ter que lidar com o fato de uma de suas filhas querer namorar um garoto, justamente o filho de um personagem que pode ser o vilão trama. Resumidamente, a historia não traz o mesmo frescor de novidade vista no primeiro e com isso o filme se perde em algumas situações previsíveis. Contudo, o que novamente salva o filme é sem sombra de duvida os seres amarelinhos Minions, que viraram coqueluche entre a molecada, tanto pequena quanto grande e ganharam tantos fãs, que há previsão de um filme somente deles no ano que vem.
Com filhos adotados, e com um novo patamar que o protagonista atinge no ato final desse filme, resta saber quais serão os novos rumos que o personagem irá chegar numa inevitável seqüência. 

Me sigam no facebook e twitter. 

quarta-feira, 27 de novembro de 2013

NOTA...




Me sigam no facebook e twitter. 

Cine Dica: Em Blu-Ray e DVD: RENOIR

Leia a minha critica já publicada clicando aqui.

Me sigam no facebook e twitter. 

terça-feira, 26 de novembro de 2013

Cine Dica: Em Blu-Ray e DVD: AUGUSTINE


Sinopse: Jean Martin Charcot (1825-1893), médico francês que pode ser considerado um dos fundadores da neurologia moderna, estudava as doenças nervosas, especialmente a histeria, no seu trabalho em Paris, em 1885, no hospital Salpêtrière, quando apareceu o caso da jovem Augustine, de 19 anos, retratado no filme da diretora estreante Alice Winocour.

No final do século XIX, a histeria ainda era uma doença cujos sintomas desafiavam a medicina, que infelizmente alguns associavam á processam demoníacas e o que levou a muitas mulheres inocentes para a fogueira. O trabalho de Charcot é, por isso, muito importante.  A compreensão mais profunda do fenômeno psíquico que dá origem à histeria só aconteceu com o trabalho desenvolvido por Sigmund Freud (1856-1939), que foi discípulo de Charcot.
O médico francês aplicou a hipnose na abordagem clínica da histeria, com resultados notáveis.  Por meio dela, conseguia produzir a crise histérica e seus estranhos sintomas em pacientes, diante de uma platéia médica.  Freud acompanhou as famosas conferências e estudos clínicos de Charcot, em que a idéia de um ou mais eventos traumáticos estaria na origem dos sintomas. 
Estava preparado o terreno para a emergência do conceito de inconsciente, que revolucionou o conhecimento médico e deu origem à psicologia moderna. Nisso tudo, se situa a situação de Augustine (Soko), que vive tento crises violentas, mas que acaba sendo acolhido por Charcot, para ajudá-la, mas ao mesmo tempo servindo de cobaia para suas pesquisas. A relação de ambos acaba por ficar mais profunda, para não dizer intimamente e o que leva uma cumplicidade silenciosa um com o outro.     
Embora o filme não se preocupe em explicar em que época se passa a historia, visualmente a reconstituição de época e a fotografia escura acabam por ajudar o espectador se situar no período. O visual sombrio a meu ver representa aflição e a indefinição sobre qual o caminho a humanidade podia trilhar na época, principalmente com relação à medicina que somente avançava de uma forma gradual. Cada descoberta na época era uma vitoria para se festejar e em parte o filme reconstitui bem isso.     
A dupla central da um show a parte: Vincent Lindon, no papel de Charcot, que já havia desempenhado um papel de médico, no filme “A Criança da Meia-Noite”, de 2011, tem aqui uma interpretação que nos convence a todo o momento que ele é um verdadeiro profissional da área. Já a cantora francesa Soko é Augustine, que embora apresente uma interpretação contida, acaba nos convencendo na sua atuação, principalmente nos momentos de crise. 


Me sigam no facebook e twitter.

Cine Dica: Grande Vencedor do Festival É Tudo Verdade na Sala P. F. Gastal



Grande vencedor da última edição do festival É Tudo Verdade, o documentário Mataram Meu Irmão, de Cristiano Burlan, abre na terça-feira, 26 de novembro, às 20h, a programação do evento Aquecendo o Democracine – Mostra Latinidades. Será a primeira exibição do filme no Estado, em sessão que será comentada por seu diretor. Gaúcho radicado em São Paulo há vários anos, Cristiano Burlan vem especialmente a Porto Alegre para debater com o público seu premiado documentário, no qual recupera a dramática história de seu irmão, assassinado em 2001, aos 21 anos de idade. Com uma história familiar trágica, o diretor de 37 anos que viveu no violento bairro do Capão Redondo conseguiu escapar ao triste destino de outros de seus familiares (além de Rafael, morto em 2001, seu outro irmão está preso em Cuiabá, sua mãe foi assassinada pelo segundo marido e seu pai alcoólatra morreu ao cair e bater a cabeça no meio fio de uma calçada). Mataram Meu Irmão é o segundo título da Trilogia do Luto, na qual Cristiano se dedica a recuperar a história de sua família. O primeiro filme, Construção, foi dedicado ao pai, e o próximo será dedicado à sua mãe.
 Além da exibição do elogiado documentário de Cristiano Burlan, a programação do Aquecendo o Democracine – Mostra Latinidades, que se estende até o dia 31 de novembro, inclui diversos debates e exibições de filmes, em dois locais distintos (na Sala P. F. Gastal e no Ritter Hotel). O Aquecendo o Democracine – Mostra Latinidades é uma preparação para a segunda edição do festival Democracine, marcada para o segundo semestre de 2014. Integrado à 18ª Conferência da Rede Mercocidades, o evento tem por objetivo auxiliar na compreensão da identidade do sujeito latino-americano, resgatando as marcas geográficas, culturais, políticas e sociais que o constituem. As atividades foram organizadas num conjunto de esforços entre o InovaPoa, a Secretaria de Governança Local e a Secretaria da Cultura de Porto Alegre. Toda a programação do evento é aberta ao público e tem entrada franca.


Mais informações e horários das sessões, vocês conferem na pagina da sala clicando aqui.


Me sigam no facebook e twitter.

segunda-feira, 25 de novembro de 2013

Cine Dica: Em Cartaz: Sobrenatural: Capitulo 2

NOTA: Como não havia visto o primeiro Sobrenatural na época da estréia, deixo abaixo primeiro a minha critica sobre o capitulo 1  para depois falar sobre o que eu achei de sua  seqüência.   

SOBRENATURAL  

Sinopse: A família Lambert, formada por Josh (Patrick Wilson), Renai (Rose Byrne) e os filhos Dalton (Ty Simpkins) e Foster (Andrew Astor), acaba de se mudar. Logo, uma das crianças entra em coma de forma inexplicável, o que faz os pais pensarem que a nova casa abriga algum tipo de espírito do mal. Mas eles logo se mudam do local e nos dias seguintes acabam descobrindo que o problema não estava na casa e sim no próprio filho.
  
O diretor James Wan (Jogos Mortais e o recente Invocação do Mal) e o produtor Oren Peli (diretor de Atividade Paranormal), provaram serem os homens certos do cinema de horror atual, pois com pouco dinheiro e sem abusar do sangue na tela, criam filmes de horror caprichados e que fazem o cinéfilo pular da cadeira facilmente. Neste Sobrenatural, uma família que vê sua tentativa de melhorar a rotina abalada quando um dos filhos do professor Josh (Patrick Wilson) e da pianista Renai Lambert (Rose Byrne) entra em um tipo de coma profundo, vítima de um acidente caseiro. Espíritos passam a assombrar a casa, perseguindo-os mesmo após a mudança de residência, tentando se apossar da mente enfraquecida do garoto.
Embora seja produzido por Peli, e possuir um tema semelhante, não espere um novo Atividade Paranormal, pois aqui o filme é narrado de modo tradicional e que lembra os últimos filmes de horror produzidos no final da década de 90, mas sem apelar para os excessos como violência e sangue, mas sim em algo sugestivo e bem certeiro. Assim como Invocação do Mal, Sobrenatural é um filme que remete como os filmes de horror eram apresentados ao publico antigamente: mansão mal assombrada, ruídos ao fundo, algo escondido nas sombras, portas e paredes rangendo e etc. Tudo isso, para criar um clima de apreensão e sempre esperando para que o pior surja na tela.  
Embora tenha se consagrado em um filme mais violento como Jogos Mortais, Wan soube comprar a idéia de Peli. Ao ver o filme, acredito que foi um trabalho de equipe, não de um homem só, fazendo com que a obra jamais passe o ar de pretensão de nenhum deles e se preocupando mais com a reação do publico. Patrick Wilson (Watchmen) e Rose Byrne (X-Mem: Primeira Classe), estão bem como o casal desesperado perante o fato do filho estar em estado de coma e ao mesmo tempo com as coisas estranhas que vão acontecendo na casa.   
O ato final onde é mostrado dois dos personagens principais no mundo dos espíritos, que mais parece uma realidade mais escura e ameaçadora do mundo onde eles vivem, rende inúmeros momentos que provoca verdadeiros arrepios no cinéfilo e uma forma até bem original de mostrar o outro lado desse mundo ainda desconhecidos para os mortais. Como é de costume, o final deixa um belo de um gancho para uma inevitável continuação.      


Sobrenatural: Capítulo 2 

Sinopse: No longa uma família torturada por assombrações luta para descobrir um segredo aterrorizante que os deixou perigosamente conectados com o mundo dos espíritos.

A trama começa exatamente aonde o filme anterior havia terminado, mas essa seqüência pode muito bem ser vista por aqueles que não assistiram a primeira parte. Isso foi conseguido, graças ao fato dos produtores terem criado uma pequena sub trama, onde mostra o pequeno Josh Lambert em 1985 tendo os mesmos problemas com o sobrenatural que teria o seu filho futuramente. Após isso, retornamos ao presente, com Josh Lambert já adulto (Patrick Wilson), mas agindo de uma forma estranha, após ter resgatado o seu filho do mundo sobrenatural. Para piorar, ele se torna o principal suspeito de ter matado a médium Elise (Lin Shaye).
Embora possa ser visto de uma forma independente do primeiro, os produtores também foram gênios ao saber explicar eventos não muito bem esclarecidos vistos no primeiro capítulo. Para isso, fizeram com que alguns dos protagonistas perambulassem no mundo pós morte (ou plano astral) e fazerem com que eles revisitassem tanto o Lambert pequeno do inicio desse filme, como também aos eventos vistos do primeiro capitulo. Ou seja: os produtores não só criam um engenhoso filme de horror, como também uma espécie de viagem no tempo pouco visto dentro do gênero e que com certeza muitos irão acabar se lembrando do segundo filme De Volta do Futuro como referencia.    
Além disso, não faltam referencias aos outros filmes de horror, que vai de Silencio dos Inocentes e até mesmo Psicose. Se por um lado isso possa parecer uma verdadeira salada nesta mistura, por outro prova que James Wan e Oren Peli são verdadeiros fãs do gênero e que tentam ao máximo respeitá-lo. É claro que nem tudo é perfeito, pois o filme escorrega em alguns momentos cômicos desnecessários, principalmente protagonizados pela dupla de ajudantes da médium Elise, mas que não compromete muito.
O final em si, resolve todas as pontas soltas de ambos os filmes e faz com que trama dessa família termine por aqui. Contudo, os segundos finais da historia acabam criando dois caminhos, onde á cine-série pode ir para uma nova trama independente dessa, ou inventando uma mirabolante revelação, para que a vida do casal protagonista e de seus filhos não fique sossegada por um bom tempo.       


Me sigam no facebook e twitter.

Cine Dica: Em Blu-Ray e DVD: LOVELACE

 Leia a minha critica já publicada clicando aqui.

Me sigam no facebook e twitter.

sexta-feira, 22 de novembro de 2013

Cine Dica: Estréias do final de semana (22/11/13)

Tatuagem 

Sinopse: Recife 1978. Com a ditadura militar ainda atuante mas mostrando sinais de esgotamento um grupo de artistas provoca a moral estabelecida com seus espetáculos de cabaré ensaiando a resistência política a partir do deboche. Fininha um soldado de 18 anos do interior de Pernambuco se apaixona por Clécio dono de uma trupe anarquista.


Sobrenatural: Capítulo 2

Sinopse: No longa uma família torturada por assombrações luta para descobrir um segredo aterrorizante que os deixou perigosamente conectados com o mundo dos espíritos.

Cidade Cinza 

Sinopse: Nas ruas de uma das maiores e mais desorganizadas metrópolis do mundo nasceu uma nova forma de graffiti na qual o hip hop americano foi substituído pela cultura regional brasileira. Rapidamente as obras d Osgemeos Nunca e Nina se espalharam pelas ruas de São Paulo e depois pelas galerias do mundo. No entanto uma nova lei de combate à poluição visual fez a prefeitura de são paulo cobrir suas pinturas de cinza.

  
Eu Respiro 

Sinopse: Em um ano Neil Platt fica paralisado do pescoçopara baixo. Com o seu corpo cada vez mais fraco ele tenta dar sentido a sua vida para escrever sobre quem é em uma carta a seu filho de um ano de idade. 


Vazio Coração 

Sinopse: Hugo Kari é um famoso cantor brasileiro que resolve fazer uma pausa em sua atribulada agenda para se encontrar com o pai o embaixador Mário Meneses na cidade de Araxá onde a família passava férias quando Hugo era criança. Nesse cenário de boas recordações para ambos pai e filho tentam colar os cacos de uma relação quebrada por desencontros de sonhos ideais e uma tragédia que marcou a família para sempre.


Mais uma Canção 

Sinopse: Documentário sobre Bebeto Alves, um dos nomes mais consagrados da música popular gaúcha. Investigando as raízes da milonga, gênero que ultrapassa fronteiras, Bebeto viaja da Península Ibérica ao norte da África, provocando discussões a respeito do velho embate entre música periférica e mainstream. 


Os Filhos da Meia-Noite 


Sinopse: Em 15 de agosto de 1947, a Índia conquistou a sua independência. Neste exato momento, à meia-noite, nasceram duas crianças em uma maternidade. No entanto, uma enfermeira decidiu trocá-los: Saleem, filho indesejado de uma mãe pobre, foi criado no lugar de Shiva, o filho biológico de um casal rico. A história dos dois garotos será para sempre ligada ao destino político do país, principalmente quando a Índia entra em guerra, e eles se encontram em lados opostos na batalha.


Me Sigam no Facebook e Twitter:  

Cine Dica: Em Cartaz: Blue Jasmine


Sinopse: Jasmine é uma elegante socialite de Nova York. Sua vida toma um novo rumo quando acontecimentos inesperados a levam a se separar do marido o rico empresário Hal. Em crise existencial ela decide se mudar para a casa de sua irmã Ginger que vive num modesto apartamento em São Francisco. Morando numa nova cidade e distante de seu universo Jasmine precisará reorganizar toda sua vida. O filme marca a primeira parceria entre o diretor Woody Allen e a atriz Cate Blanchett. Desde sua estreia nos EUA em julho vem sendo considerado um dos melhores trabalhos da carreira do cineasta.

Depois de dar um giro pelo mundo contando suas historias, Woody Allen decidiu novamente trazer o seu universo neurótico para o território americano após alguns anos de ausência. Assim como um bom e velho vinho, Allen prova que não será pela idade já meio avançada que irá deixar o seu talento decair e neste mais novo filme ele fortalece isso que eu digo. Como sempre, paranóias, inquietudes e duvidas novamente surgem na vida dos personagens e aqui em um grau muito maior.
Inspirado no clássico Um Bonde Chamado Desejo, acompanhamos a personagem Jasmine (Cate Blanchett espetacular), tentando se reerguer na vida, após a morte do seu marido (Alec Baldwin) na cadeia. Ao mesmo tempo, a trama vem e volta no tempo, mostrando a vida dela antes desses eventos e como a sua situação era mais glamorosa, para então depois acontecer uma grande queda. Isso acaba provocando uma Jasmine paranóica, irritada e insatisfeita com as pessoas em volta, como no caso de sua irmã (Sally Hawkins) que vive meio sem perspectivas de vida ao lado do marido grosseiro (Bobby Cannavale).
Não é preciso ser gênio em adivinhar que todo o foco da historia está voltado em Jasmine, onde se disseca toda a sua personalidade e caráter, tanto antes como depois. O filme foca principalmente ao fato de que ela sempre vivia em busca de algo maior, mas sempre através da ajuda de outras pessoas: no passado através do seu marido, ou no presente, através do mais novo bom partido (Peter Sarsgaard).
Com isso, temos um retrato de uma pessoa que mente para ela própria, que vendia a imagem da pessoa bem sucedida, mas que no final das contas se tornou um ser frustrado graças as suas ações suspeitas e que a tornou uma entidade imprevisível e com um temperamento explosivo. Arrisco dizer que aqui, Cate Blanchett nos brinda com o seu melhor desempenho da carreira, pois sua Jasmine é um ser de inúmeras camadas, onde cada uma delas pode simplesmente submergir e nos surpreender de uma forma única. O ato final nos reserva revelações surpreendes, nas quais ficamos chocados, e por que não dizer frustrados com as  ações da protagonista, mesmo quando compreendemos do porque dela ter agido assim.
Allen como sempre cria um humor único, mesmo em meio às situações, que nas quais nos meros mortais passássemos, não acharíamos menor graça. Porém, nos surpreende o fato dele saber casar entre as cenas de humor, com momentos mais pesados, fazendo a gente ter uma ligeira sensação de que entramos em outro filme, principalmente no ato final da trama. Essa mistura de humor e drama ele havia provado que conseguia fazer em Crimes e Pecados (1989) provado novamente em Ponto Final - Match Point (2005) e aqui atingindo um novo patamar dessa mistura.  
Com uma câmera elegante que jamais perde o foco das ações dos seus personagens, Woody Allen nos brinda com um filme, cujo final nos faz querer saber qual seria o próximo passo de cada um deles, principalmente com relação à Jasmine. Personagem afetada não somente pelas ações de pessoas próximas, como também desconstruída por não ter sabido administrar as suas próprias ações e criando um universo no qual ela se isola e se separa do mundo cinzento que ela tenta desvencilhar.   


Me Sigam no Facebook e Twitter:  

quinta-feira, 21 de novembro de 2013

Cine Especial: "NARRATIVAS SERIADAS: DA TV ÀS NOVAS MÍDIAS": FINAL

Começa hoje à noite o curso Narrativas seriadas: da TV ás novas mídias e portanto encerro por aqui essas postagens sobre séries de TV que eu acompanhei ao longo desses anos.  Contudo, gostaria de encerrar de uma forma especial: talvez alguns não saibam, mas  The Walking Dead é uma série baseada uma HQ premiada e talvez seja uma das primeiras adaptações televisivas cuja a fonte é uma HQ voltado para um publico mais maduro.
Sempre houve inúmeras séries de TV baseada em HQ ao longo das décadas, mas essa série de zumbis provou que HQ não é somente habitável aos seres com colantes e super poderes. Pensando nisso, solto abaixo as melhores HQ com conteúdo mais adulto que poderia ser levado para televisão.

100 BALAS

A obra máxima Brian Azzarello, Eduardo Risso é considerada como uma das melhores séries policias dos últimos anos. Quando se pensa em 100 balas, todos imaginam uma adaptação feita para HBO, mas nunca saiu do papel por um motivo ou outro. Seria super interessante nos primeiros episódios ver agente Graves entregar sua bendita maleta e ver qual o caminho o determinado personagem irá tomar.. o bom senso ou a vingança.

ESCALPO

A frase “merda jogada no ventilador” é o que melhor sintetiza  o que é Escalpo. O universo criado Jason Aaron e R.M. Guéra é um lugar onde ninguém está a salvo, sendo que tão pouco existe heróis ou vilões, mas sim pessoas que tomam um caminho sem volta. A trama policial que se passa em uma reserva indígena tem de tudo um pouco, desde referencias ao gênero western há filmes de gângster. Assim como 100 Balas, a adaptação se encaixaria muito bem na HBO.
Atualmente, a HQ ainda está em andamento no mix Vertigo da editora Panini.

PREACHER


Violência, sexo, critica á igreja, política e sobre a própria sociedade americana. Isso e tudo mais é que molda a obra máxima de Garth Ennis e Steve Dillon, que não só foi um verdadeiro sucesso de publico e critica como também despertou a irá de muitos religiosos e famílias conservadoras americanas. A jornada de Jesse Custer em encontrar Deus e responder umas poucas e boas para ele, sempre esteve em volta de boatos com relação a sua adaptação, seja para o cinema ou para TV que melhor me agradaria. Recentemente, o roteirista  Sam Caitlin do fenômeno Breaking Bad foi anunciado como possível criador do roteiro, cuja a adaptação pode ser criada pelo canal AMC.
Será que a adaptação televisiva terá coragem de ser fiel a fonte? Veremos Deus como o grande vilão de toda a trama? Só nos resta aguardar!


Y – O ÚLTIMO HOMEM 

Uma das minhas HQ preferidas dos últimos anos. Quando leio Y, imediatamente vem à mente Lost, mas não é pra menos, pois o roteirista da trama é ninguém menos que Brian K. Vaughan, que roteirizou os melhores episódios do programa. Os últimos arcos dessa HQ lembram bastante Lost, principalmente o seu final, tão inesperado e pouco reconfortante, quanto à própria trama dos passageiros perdidos na ilha.  

SWEET TOOTH – DEPOIS DO APOCALIPSE 

Alguns consideram como uma mistura de Bambi com Mad Max. Contudo, a trama escrita e desenhada de uma forma bem peculiar por Jeff Lemire vai muito além. O enredo explora até onde se separa a ciência com a verdadeira origem da fé em Deus perante o verdadeiro pesadelo que assolou a terra devida á uma praga viral. Se fosse adaptado para tv, pegaria carona com gênero de The Walking Dead, onde os protagonistas tentam sobreviver dia a dia num mundo sem esperanças.    

FABULAS

Uma das melhores séries de HQ do gênero fantástico desde Sandman. Por mais absurdo que seja ver inúmeros personagens de contos de fadas conhecidos reunidos todos juntos (e morando em Nova York), a série agradou em cheio o publico e a critica, graças ao fato de possuir tramas criativas e que não se importa em colocar personagens tão icônicos em situações das mais absurdas e geniais. Atualmente o criador anunciou que a série irá terminar na edição 150,

ZDM – TERRA DE NINGUÉM

“Todos os dias é um 11 de setembro”. Essa frase que abre essa genial série em quadrinhos é o que melhor define como ela é, pois Nova York está isolada do mundo, após a explosão da segunda guerra civil nos EUA e os que vivem lá, sobrevivem das piores formas possíveis. O dia a dia do repórter  Matty Roth em vasculhar a verdadeira face de como é realmente aquele universo, rende momentos que são na realidade uma verdadeira metáfora com relação aos americanos pós 11 de setembro.  

ESTRANHOS NO PARAÍSO


Por ultimo, mas não menos importante, a HQ que mudou a minha forma de pensar sobre inúmeros assuntos neste ano (graças ao volume Santuário), possui todos os ingredientes que uma serie com o teor mais adulto precisa ter atualmente na TV. Misturando humor, drama, romance e até mesmo momentos que lembram um filme sobre gângster, a obra máxima de Terry Moore talvez seja uma das HQ mais humanas que se existe atualmente e que facilmente qualquer um que lê se idêntica. Ver personagens tão queridos pelo publico como  Katchoo, Francine e David serem levados para a TV de uma forma decente, seria um verdadeiro sonho realizado.  

Leia também: Narrativas Seriadas: Partes 12345, 6789 e 10.

Me Sigam no Facebook e Twitter: