Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sendo frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 69 certificados),sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

quinta-feira, 31 de outubro de 2013

Cine Dica: Em DVD e Blu-Ray: Guerra Mundial Z


Sinopse: Uma terrível e misteriosa doença se espalha pelo mundo, transformando as pessoas em uma espécie de zumbis. A velocidade do contágio é impressionante e logo o Governo americano recruta um ex-investigador da ONU (Organização das Nações Unidas) para investigar o que pode estar acontecendo e assim salvar a humanidade, tendo em vista que as previsões são as mais catastróficas possíveis. Gerry Lane (Brad Pitt) tinha optado por dedicar mais tempo a sua esposa Karen (Mireille Enos) e as filhas, mas seu amor a pátria e o desejo de salvar sua família acabam contribuindo para que ele tope a missão. Agora, ele precisa percorrer o caminho inverso da contaminação para tentar entender as causas ou, ao menos, indentificar uma maneira de conter o contágio até que se descubra uma cura antes do  apocalipse. Começa uma verdadeira corrida contra o tempo, que mostra-se cada vez mais curto, na medida que a população de humanos não para de diminuir.

Guerra Mundial Z se tornou mundialmente conhecido antes mesmo do filme estrear. Isso se deve a verdadeira dança das cadeiras que a produção teve ao longo dos meses antes de chegar aos cinemas, desde troca de roteiros, finais alternativos e discussões entre produtores e o diretor Marc Foster (A Ultima Ceia). Com isso, é de se surpreender que o filme não seja um desastre total, pois embora algumas forçadas de barra, o filme diverte do começo ao fim e eleva para um novo grau os zumbis do cinema.
Interessante observar que nos últimos anos, o cinema sempre tenta apresentar os filmes de zumbi como uma espécie de metáfora com relação à realidade. No caso aqui, o filme faz uma referencia a vida desenfreada e alucinada do mundo contemporâneo, onde o ser humano está sempre em movimento, desde comprando, comendo, vendendo, destruindo, criando e etc. Tudo de uma forma acelerada e isso muito bem representado nos créditos de abertura, para que em seguida sem mais nem menos, o personagem de Brad Pitt e sua família se vêem a mercê de um enlouquecido arrastão de zumbis, que, aliás, lembram bastante os zumbis velocistas de Extermínio.  
Contudo, não espere um banho de sangue que é sempre visto nos filmes já conhecidos, pois estamos falando aqui de uma super produção de R$ 200 milhões de dólares, com astro encabeçando o elenco e que é pertencente a produtores gananciosos com interesse de pegar uma boa fatia do publico. Com isso, temos um filme menos violento, porém eficaz nas cenas de terror e suspense. Sabendo da batata quente que tinha em mãos, pelo menos Marc Foster caprichou numa direção agiu, onde a sua câmera está sempre em movimento de uma forma vertiginosa e embalado com surpreendentes cenas de ação sufocante (a cena do avião é disparada a melhor).  
O final reserva algumas surpresas, mas ao mesmo tempo previsíveis, para fazer com que o publico em geral saia do cinema satisfeito, entretido e desejando uma possível seqüência que pode muito bem acontecer.   

Me Sigam no Facebook e Twitter:

Cine Dica: Em DVD e Blu-Ray: Universidade de Monstros

Leia a minha critica já publicada clicando aqui. 

Me Sigam no Facebook e Twitter:

quarta-feira, 30 de outubro de 2013

Cine Dica: Em DVD e Blu-Ray: 2046 - Os Segredos do Amor


Sinopse: O escritor Chow Mo-Wan (Tony Leung Chiu Wan) retorna a Hong Kong para escrever um romance. Ele se hospeda em um hotel barato em Wanchai, assumindo a personalidade de playboy e conquistador. Chow inicia uma série de relações amorosas com quatro diferentes mulheres que se hospedam no quarto 2046, que fica em frente ao seu. Enquanto isso, atormentado pelas lembranças dos anos que passou em Cingapura, Chow escreve uma história de ficção científica chamada "2046". Na história os passageiros de um trem fazem uma interminável viagem rumo a um destino misterioso, onde esperam reencontrar suas memórias perdidas.

2046 foi um enorme sucesso de público e crítica. Todas as pessoas que apreciam cinema encontram excelentes razões para gostar do filme de Wong Kar Wai: a magnífica direção de fotografia, a banda sonora de uma beleza assombrosa ou ainda as interpretações inesquecíveis de um elenco perfeito. Todos estes elementos surgem impecavelmente orquestrados pelo realizador mais brilhante e sensível de sempre. Mas há um grupo que terá uma relação particularmente intensa com 2046: os escritores. Essa gente tem razões acrescidas para gostar do filme, não só pela sua linguagem marcadamente literária (as analepses, os fragmentos), mas também pelo tema e protagonista. 
O herói de 2046 é um escritor e, como todos os escritores, é uma pessoa complexa. As suas ações parecem estranhas, paradoxais e, por vezes, falhas de carácter. Chow é um sedutor nato que parece querer levar as suas mulheres ao pico da felicidade a dois, apenas para que elas depois possam sofrer uma queda ainda maior. Talvez eu não seja um tipo assim tão decente, afirma o próprio Chow em jeito de confissão. Isto deixa à vista o carácter autobiográfico do seu texto sobre o misterioso comboio que parte para 2046, onde os homens e mulheres que buscam o amor querem resgatar as suas memórias perdidas; porém, a verdadeira natureza desse lugar permanece desconhecida, porque até à data ninguém regressou de 2046.
A solução para o mistério de 2046 poderá estar numa famosa obra de um outro escritor, Stendhal, intitulada Do Amor. O essencial deste formoso livro sobre o amor-paixão pode ser resumido em três grandes divisas. Primeiro, o amor é fundamentalmente um fenômeno da imaginação. O enamoramento implica uma projeção da perfeição naquilo que amamos e, nessa medida, é uma espécie de auto-ilusão deliberada. Segundo, os melhores momentos do amor são os seus momentos iniciais. Nas incertezas e inquietações da fase de sedução estão as delícias do amor; quando chega o seu desenlace, o melhor já passou e tudo o que nos espera é a comodidade, a rotina e o marasmo. Terceiro, o amor-paixão conduz a um certo ascetismo, porque paralisa todos os prazeres e torna insípidas todas as restantes ocupações da vida.
Encontramos reminiscências desta concepção austera do amor no final do filme Casablanca. Sabemos que Rick quisera anteriormente viver o seu amor com Ilsa, quando estava com ela em Paris e a pedira em casamento. Depois, em Casablanca, vivem um segundo e inesperado pico da sua paixão amorosa. O que Rick propõe no final (e Ilsa aceita tacitamente) é que ambos evitem a tentação da comodidade na vida amorosa, para que possam preservar como um tesouro a memória dos momentos que partilharam. We’ll always have Paris. Esse Paris é tão único e irrepetível como o quarto de hotel de In the Mood for Love e 2046. O protagonista sabe-o bem e é isso que explica o seu comportamento errático. Quando Chow opta por ficar só, não o faz por capricho ou egoísmo mas sim por lucidez.

Me Sigam no Facebook e Twitter:

Cine Dica: LANÇAMENTO DA WEBSÉRIE URBANAUTAS NA SALA P. F. GASTAL


Segue divulgação do lançamento da websérie URBANAUTAS, que ocorrerá na Sala P. F. Gastal dia 31 de outubro, às 20h. 
@rte urbana. Fluxo líquido elétrico eletrônico. Luz, cor e
sombra espelhados na face da cidade. Fascinidade. Faz-se na ação.
Arte urbana. Urb@nautas.

Websérie em quinze episódios – cinco semanas apresentando os perfis de três artistas contemporâneos no seu trabalho, sob os ares da mesma cidade: Edu Tattoo, tatuador; Fernanda Chemale, fotógrafa; LfTrampo, grafiteiro. A cidade? Porto Alegre. O ano? 2013. Nosso agora nas telas do mundo, através das conexões internéticas em alta definição. 

Como funciona?
Você acessa o site http://urbanautas.net desde já, e pode assistir ao episódio-piloto com os artistas que serão apresentados nesta primeira temporada da websérie, em cinco episódios por artista. A duração do piloto, três minutos e cinquenta segundos, está na medida estimada para os demais episódios.

Na noite de 31 de outubro, noite das bruxas, serão lançados os três primeiros episódios, um de cada artista. A estreia “presencial” será na Sala P.F.Gastal, em sessão especial aberta ao público, com projeção na tela grande da sala de cinema. Em seguida a essa exibição, os episódios serão publicados no site, cada qual na página do respectivo artista. Nas quatro semanas seguintes, a cada semana Fernanda, Trampo e Edu terão um episódio seu publicado, num total de três episódios inéditos semanais da série.
Ou seja, adaptamos o conceito de temporada da série televisiva tradicional mixando-o à dinâmica interativa da web, com episódios curtos e intervalos menores de publicação dos inéditos, para na seqüência mantermos a temporada completa disponível no site Urb@nautas aos navegadores de todo o planeta, criando também a expectativa por uma segunda temporada. O lançamento será no original, com áudio em português, sendo feita a legendagem quando todos os episódios estiverem publicados. Todos os episódios são de acesso gratuito, restrito ao site. O piloto está disponível também no Vimeo. Assistir Episódio-Piloto no Vimeo. 

Lançamento:
Nosso objetivo é buscar interfaces planetárias, sempre a partir do nosso lugar no mundo. Por isso a importância do lançamento da websérie no seu próprio território. Tivemos já uma concorrida avant-premiére privada para a equipe e convidados, com a projeção do episódio-piloto – logo em seguida publicado no site http://urbanautas.net. E agora fazemos ao público portoalegrense e aos visitantes da cidade esta apresentação dos três episódios da primeira semana de Urb@nautas. Numa projeção aberta, na Sala P.F.Gastal da Usina do Gasômetro, em Porto Alegre, cidade onde trabalham os três artistas retratados, bem como o diretor da série, R. Brasil Ferrari, o músico Marcelo Fornasier, autor da trilha musical, e a produtora Vera Munhoz.
  
Urb@nautas é uma realização da EnygmaFilmes, com financiamento Pró-Cultura RS, através de edital do F.A.C. – Fundo de Apoio à Cultura, da Secretaria da Cultura do Rio Grande do Sul (Sedac/RS), e é importante mencionar que sem esse recurso seria inviável realizar o projeto. A inclusão cultural possibilitada pelo F.A.C. é fator relevante e significativo no estado, projetando horizontes transnacionais aos gaúchos.

Trechos do projeto:
“Trabalhar na criação de mecanismos libertários de interlocução na web é tarefa à qual os artistas e realizadores do audiovisual não podem e não devem se furtar. Estabelecer o diálogo entre segmentos diferenciados das artes visuais urbanas, presentes no dia-a-dia da cidade e seus habitantes, e repensar o próprio audiovisual a partir dessas formas de expressão; projetar no tempo o espaço traçado na superfície das coisas e das pessoas, descobrindo as raízes subcutâneas das tintas e das luzes que emergem dos poros e dos pixels. Dessa forma acreditamos colaborar para fortalecer a dimensão do trabalho desses artistas e das formas de expressão que representam junto ao público, seja fiel ou noviço, abrindo espaço para novas iniciativas a partir dos exemplos apresentados nos perfis e amplificando mercados para as artes nas suas diferentes formas de expressão.
Pois o que vamos mostrar na websérie urb@nautas é o perfil de uma geração que resiste e projeta seu trabalho na pele da cidade, no reflexo que emana das ruas colorindo de nuances o cinza do cotidiano. A partir de preceitos clássicos do documentário, aliados a dinâmicas nascidas da interatividade digital, cada perfil se transmuta em interferência indireta no processo do artista, cinema feito liquidificador dos traços, cores, luzes e sombras, sejam sobre a pele, o cimento, tela ou papel; mistura urbana projetada em harmonias transversais.
O fato de não ter suporte físico para distribuição reduz o impacto ambiental, pois todo o circuito entre o produtor cultural e o consumidor acontece no espaço virtual, sem gerar lixo de mídia em meios físicos nem de embalagens, envios, etc. O emprego de ferramentas de captação de imagem e som de pequeno porte e alta definição permite realizar as filmagens com equipe reduzida, economizando recursos naturais e diminuindo o impacto no meio-ambiente, além de evitarmos o consumo de energia exorbitante dessas mega-produções de inspiração hollywoodense. No aspecto ético-estético, o minimalismo proporciona a integração entre a câmera e seu objeto, neste caso os artistas e seu trabalho em tatuagem, fotografia e graffiti.
Cabe ressaltar que a exibição gratuita da série através da internet promove a democratização do acesso, a inclusão e o desenvolvimento da cultura digital, oferecendo atrativos para públicos jovens e adultos, tanto do centro quanto da periferia.”
R. Brasil Ferrari

A ESTREIA
Local: Sala P.F.Gastal (Usina do Gasômetro)
Data: 31 de outubro (noite das bruxas)
Hora: 8 da noite (20:00 horas)
Sessão gratuita, aberta ao público,
com distribuição de senhas a partir das 20:00hs e projeção às 20:30hs.

Venha degustar miniwraps da Cayenne Sabores
com cabernet Salton e assitir à sessão com a gente.
Na madrugada de todos os santos e bruxas, de 31 de outubro
para primeiro de novembro, em hora incerta e
não sabida, os três episódios serão publicados na web,
 Vultos digitais da epiderme urbana.
Navegantes das cores.
Urbanautas.
51-3225.5460 / 51-9117.8857



Me Sigam no Facebook e Twitter:

terça-feira, 29 de outubro de 2013

Cine Dica: "DYONÉLIO" TERÁ PRÉ-ESTREIA EM PORTO ALEGRE NO DIA 30 DE OUTUBRO

Longa-metragem de Jaime Lerner combina gêneros documentário e ficção para contar história do escritor gaúcho

O universo do escritor e político Dyonélio Machado (1895-1985) será apresentado pela primeira vez em Porto Alegre no próximo dia 30 de outubro, às 20h, na Sala P.F. Gastal (3º andar da Usina do Gasômetro).
 O longa-metragem inédito do diretor Jaime Lerner, "Dyonélio", esclarece a trajetória de um dos expoentes da literatura, psicanálise e do Partido Comunista Brasileiro (PCB) no Rio Grande do Sul. A produção da Manga Rosa Filmes em parceria com a Visom Digital foi um dos filmes exibidos na Mostra de Longas Gaúchos do Festival de Cinema de Gramado e entra oficialmente em cartaz a partir do dia 1º de novembro, na Cinemateca Paulo Amorim, da Casa de Cultura Mário Quintana.
No dia 30 de outubro, um coquetel para convidados será oferecido a partir das 19h. O filme "Dyonélio" será exibido a partir das 20h e a sessão é gratuita e aberta ao público – os interessados deverão retirar senhas que serão distribuídas uma hora antes da sessão.

 O Filme
Em uma produção que se apropria das linguagens ficção e não-ficção - tratando dois romances do escritor com viés documental e a vida do autor como ficção-, Jaime Lerner se propõe a explorar possíveis contradições acerca da emblemática figura de Dyonélio Machado. A narrativa pretende esclarecer a vida do escritor, psiquiatra, político e jornalista a partir do questionamento: quem foi Dyonélio? Fora um autor premiado e aclamado pela crítica em seu romance de estréia Os Ratos (1935), ou um escritor maldito que por mais de 20 anos não encontrara editor para seus textos? Seria Dyonélio um republicano chegado aos patrões do RS, ou fora um comunista perseguido, preso e cassado por suas idéias políticas?
A obra Os Ratos, de Dyonélio Machado, se consolidou como uma das mais influentes da segunda geração do Modernismo no Brasil, e o autor conquistou o prêmio Machado de Assis, da Academia Brasileira de Letras. O segundo romance do autor, "O Louco do Cati", no entanto, o jogou no ostracismo editorial. Enquanto médico, Dyonélio foi um dos precursores da psicanálise no Rio Grande do Sul. Presente nos principais periódicos gaúchos, Dyonélio foi um dos fundadores da Associação Rio Grandense de Imprensa. Militante, perseguido e preso político, Dyonélio se elegeu deputado estadual pelo PCB em 1947.
Mais do que um resgate histórico, a releitura acerca da vida e obra de Dyonélio Machado proposta por Jaime Lerner pretende aproximar o legado e os traços de humanidade deste personagem emblemático às novas gerações. O projeto "Dyonélio" teve incentivo do Fumproarte, da Prefeitura Municipal de Porto Alegre.


Pre-estreia DYONÉLIO
Dia 30 de outubro às 20h
Sala P.F. Gastal
Av. Pres. João Goulart, 551 - 3º andar da Usina do Gasômetro
www.salapfgastal.blogspot.com


PRODUÇÃO
Manga Rosa Filmes
Rua São Manoel, 1261/702
Porto Alegre – Rio Grande do Sul – Brasil
(51) 3279-1771 – (51) 3279.1772
www.mangarosafilmes.com.br
 
ASSESSORIA DE IMPRENSA:
Adriano Cescani e Robledo Milani
Phosphoros Novas Ideias
Porto Alegre – Rio Grande do Sul – Brasil
(51) 3012.6810 – (51) 8184.1561
phosphoros@phosphoros.com.br – www.phosphoros.com.br


Me Sigam no Facebook e Twitter:

Cine Dica: Em DVD e Blu-Ray: Um Lugar Qualquer


Sinopse: Acompanhamos um recorte da vida do ator Johnny Marco (Stephen Dorff): famoso, rico, separado e sem nenhuma perspectiva do que fazer na vida, Johnny não tem nada para fazer para passar seus dias: entre ficar sentado no sofá olhando para frente e comparecer aos compromissos do trabalho, Johnny dorme com mulheres desconhecidas que se oferecem para ele por ser famoso. Sua vida se resume a simplesmente isso. Até o dia em que precisa ficar com sua filha Cloe.

Não, não espere uma reviravolta. O filme não tem nenhuma. Não espere a filha traumatizada pelo divórcio dos pais dando lição de moral no pai, não há nada assim. Não espere situações embaraçosas envolvendo o estilo de vida do pai perante a filha, até tem, mas de maneira bem sutil e sem estardalhaços.
O filme divide: alguns adoram e outros acham ruim por ser muito parado. Eu gostei! O filme tem cenas longas, poucos diálogos e os que tem, são curtos. A edição é lenta, não tem cenas cortadas de um ângulo para o outro. Nada que passe ação! Tudo para demonstrar o vazio da vida de Johnny.
A filha de Johnny é Cleo (Elle Fanning), uma jovem de 11 anos inteligente e com a vida típica de uma menina de classe alta: estuda, faz um monte de esportes, estuda, vai para acampamentos e tem pais divorciados. É sua presença que faz Johnny questionar o seu vazio e mostra que existe algo que de sentido à sua vida. Isso é demonstrado por pequenas atitudes de Johnny e poucas falas. Não há nenhum discurso redentor.
Gostei de ver o ator Stephen Dorff em um papel principal em um bom filme. Ele está sempre relegado a filmes ruins e papéis pequenos em bons filmes (como em Inimigo público).O filme de Sofia Coppola é assim: lento, parado, sutil e delicado. Para alguns, pode ser cansativo. Para outros, apenas um pedaço da vida de uma pessoa: sem efeitos especiais, sem mudanças drásticas, sem lições de moral.


Me Sigam no Facebook e Twitter:

segunda-feira, 28 de outubro de 2013

Cine Dica: SOLIDÕES


Sinopse: Com Vanessa Giacomo no elenco, o cantor e compositor Oswaldo Montenegro lança novo longa. "Solidões" vai do riso ao drama, do musical ao documentário, da comédia romântica à sátira cruel, em questão de segundos, sempre com a solidão focalizada com humor e emoção em todos os seus aspectos. O roteiro, a direção e a trilha são assinadas pelo artista.

Em seu segundo longa metragem (o primeiro foi “Léo e Bia") Osvaldo Montenegro  explora várias facetas da solidão, que aliás, esta presente em algumas de suas musicas. Em pouco mais de uma hora e meia de projeção, somos pegos a uma enorme teia de eventos, de inúmeros personagens, onde o principal tema é a solidão desses seres:  o homem (Pedro Nercessian) que encontra uma versão sua vinda de uma realidade alternativa. Uma garota (Vanessa Giácomo) que tem amnésia após (segundo ela) ter tido um ataque de raiva. Um garçom (Eduardo Canto) que coleciona frases e compartilha com uma solitária no bar (Kamila Pistori). Musico cheio de talento tentando a sorte o quanto pode na cidade carioca e dentre outras historias.    
O roteiro feito pelo próprio cantor, usa inúmeras metáforas para se discutir os inúmeros significados sobre a solidão. Algumas acertam ao adicionar uma grande dose de profundidade e que fazem o espectador se emocionar, principalmente na participação de figuras ilustres do nosso país, como o nosso velho palhaço Cocada.  Claro que nem todas as passagens onde se procura o significado da solidão ou sobre o que é solitário na vida, acaba meio que soando forçado demais. Bom exemplo disso é quando o personagem de Pedro Nercessian conversando com sua contra parte, cita inúmeras coisas que são solitárias, mas que por vezes não faz muito sentido. 
Em contra partida a trama é repleto de frases engenhosas. Exemplo: "Ilha é aquele pedaço de mim que sobrou de tudo o mais que foi destruído". Além disso o filme é repleto de musicas inspiradas, nas quais a maioria delas é composta ou cantadas pelo próprio cantor. É com essas musicas, mais a trilha sonora e uma fotografia caprichada, é que fazem com que o filme jamais perca o ritmo.  
Não há como se esquecer da engenhosa montagem feita  pela equipe, que faz com que as inúmeras sub-tramas fluem muito bem uma sobre a outra e jamais fazendo com que o espectador se perca durante o percurso. Devido a isso, o filme pode soar até mesmo como um verdadeiro clipão, ou um musical, mas no saldo geral o filme é uma mistura de tudo um pouco, chegando até mesmo em algumas passagens parecer um documentário. Bom exemplo disso são os depoimentos de pessoas comuns sobre o que é para elas o significado da palavra solidão, sendo que algumas são emocionantes e outras muito engraçadas. 
Embora sendo curto o filme (inicialmente seria quatro horas de duração), cada ator tem os seus personagens bem aproveitados durante a trama. Merecem destaque os ótimos desempenhos de Vanessa Giácomo, Kamila Pistori e Pedro Nercessian. Contudo, quem rouba a cena é próprio Oswaldo Montenegro ao interpretar ninguém mesmo que o Diabo, em uma das melhores passagens do longa.  
Bonito, frenético  inteligente e reflexivo, Solidões nada mais é do que uma obra experimental, mas que foi muito além disso e provando que  o nosso cinema tem muito mais a oferecer do que podemos imaginar. Basta ter empenho e teimosia como do Osvaldo Montenegro, em querer ir contra a maré do cinema convencional.  

NOTA: O filme teve pré-estreia no ultimo sábado no Cineclube Zero Hora no Cine Espaço Itáu, mas irá estrear já neste final de semana.   

Me Sigam no Facebook e Twitter:

Cine Dica: Narrativas Seriadas


Apresentação

Enquanto os grandes estúdios de cinema têm se voltado cada vez mais para resultados comerciais, a TV vem se tornando terreno fértil para a experimentação, liderando uma grande transformação no cenário televisivo mundial. Quem sai ganhando é o público, que é brindado com tramas densas e inteligentes como as de Breaking Bad; Game of Thrones; Mad Men e Homeland.

De olho neste mercado, o Netflix - cujo negócio era inicialmente apenas distribuição - começou a investir em conteúdo próprio, incluindo o prestigiadíssimo House of Cards, indicado a quatro categorias dos prêmios Emmy. Essas mudanças têm gerado especulações no mercado de que o Netflix estaria se tornando a nova HBO, devido à qualidade de seus projetos e dos nomes de peso que consegue reunir (como David Fincher e Kevin Spacey). Este formato resulta não só em programas mais ousados, mas também revoluciona e redefine o que é “assistir”. Jamais a audiência teve tamanho poder de agenciamento como hoje.

Objetivo


O curso NARRATIVAS SERIADAS: DA TV ÀS NOVAS MÍDIAS, ministrado por Sheron Neves (colunista do blog "Em Série", da Zero Hora) vai discutir a narrativa seriada e a TV contemporânea, além dos novos formatos dedistribuição e exibição. O curso apresentará essa evolução e vai projetar o que podemos esperar da TV nos próximos anos, incluindo o impacto da web, que vai afetar cada vez mais a forma como assistimos e interagimos com a TV.

Cronograma

Aula 1 (21/Novembro)
As diferenças entre TV aberta, TV paga e TV paga Premium;
Histórico da TV de qualidade: como The Sopranos nos preparou para Breaking Bad;
As temáticas-tabu, as tramas complexas e a estética cinematográfica;
Novas demandas e novas formas de distribuição;
A revolução trazida pelo Netflix e pela web.


Aula 2 (22/Novembro)
Telespectador ou participante? O novo comportamento da audiência;
A Social TV e o “assistir conectado”;
Panorama e análise da teledramaturgia atual;
O que muda com a narrativa transmídia;
O marketing das séries;
Fãs: muito além dos Trekkies.


Ministrante: Sheron Neves

Publicitária com especialização em Marketing; Professora, Mestre em “História do Cinema” e doutoranda em “Estudos de Televisão” pela Birkbeck, University of London. Colunista dos blogs da Escola de Criação da ESPM; Televisuale O Café, além de editar seu próprio blog, Meditations in an Emergency, onde escreve sobre suas três paixões: televisão; marketing e transmídia storytelling. Recentemente passou a assinar o blog Em Série, da Zero Hora / ClicRBS. Já ministrou para a Cena UM os cursos “HBO: A TV que não diz que é TV” e “A Vez das Séries: O melhor do Cinema foi para a TV?”.

Curso "NARRATIVAS SERIADAS: DA TV ÀS NOVAS MÍDIAS"
de Sheron Neves

Data: 21 e 22 de novembro (quinta e sexta)
Horário: 19h30 às 22h
Local: Centro Cultural CEEE Érico Verissimo (Rua dos Andradas, 1223 - Centro Histórico - Porto Alegre - RS)


Realização: Cena UM
Promoção: Centro Cultural CEEE Érico Verissimo / Grupo CEEE / Governo do Estado do RS
Patrocínio: Back in Black

Me Sigam no Facebook e Twitter:

domingo, 27 de outubro de 2013

NOTA: EM BREVE NO MEU BLOG...


Me Sigam no Facebook e Twitter:

quinta-feira, 24 de outubro de 2013

Cine Dica: Em Cartaz: OS SUSPEITOS (2013)


Sinopse: Em Boston um pai de família deve lidar com o desaparecimento de sua filha e de um amigo dela. Quando suspeita que o detetive encarregado das buscas já desistiu de procurar pelo culpado este pai desesperado começa a desconfiar de todas as pessoas ao redor. Fazendo sua própria investigação ele encontra o principal suspeito e decide sequestrá-lo.

A trama em si não trás nenhuma novidade para o  gênero policial/suspense,  mas é no seu desenvolvimento é que faz a diferença e o cineasta  Denis Villeneuve é que cria a verdadeira proeza. Consagrado no Canada pelo seu filme Incêndios, Villeneuve  poderia muito bem pegar o roteiro criado por Aeron Guzikowski e criar uma trama redonda, previsível, com começo, meio e fim. Mas em vez disso, ele não só se aprofunda gradualmente nas reações das pessoas com relação a perda de seus entes queridos, como também ele cria uma bela parceria com o fotografo Roger Deakins, onde ambos criam uma atmosfera sombria, pesada e que por vezes representa muito bem o estado de espirito dos personagens em cena.        
Comparado por alguns com o filme Sobre Meninos e Lobos, a trama nos apresenta duas famílias (aparentemente) felizes, mas que logo vêem suas vidas desmoronarem no momento que suas filhas desaparecem. A partir dai se tem inicio a duas tramas em uma: de um lado temos o pai de família Keller Dover (Hugh Hackman, espetacular), que não mede esforços para tentar encontrar sua filha, que para isso, sequestra e tortura o principal  suspeito, Alex Jones (Paul Dano). Do outro lado temos o detetive Loki (Jake Gyllenhaal, ótimo), que vai há fundo no universo dessa pequena cidade para encontrar as duas desaparecidas e acaba dando de encontro com segredos e horrores que alguns escondem daquele lugar. 
Em ambos os casos, a trama testa os nervos da dupla (e do espectador), ao ponto de se surpreenderem com eles mesmos. Embora sejam pessoas comuns, suas ações acabam sendo imprevisíveis e os resultados finais acabam levando eles para um caminho sem volta. Tanto Jackman como Gyllenhaal nos brindam com desempenhos que mais parecem os ultimo papeis de suas carreiras: se por um lado Jackman cada vez nos convence que pode se distanciar muito bem da sua imagem como Wolverine,  Gyllenhaal não tem que provar mais nada que é um dos melhores atores dessa nova safra da ultima década, pois com o seu loki, ele transmite que é uma pessoa que possui demônios interiores, no qual ele se enfrenta a todo momento e isso é muito bem representado pelo cacoete nos seus olhos nos momentos de tensão. 
Com um elenco primoroso que ainda inclui Viola Davis, Maria Bello, Terrence Howard e Melissa Leo, Os Suspeitos somente falha em alguns momentos onde ele se alonga mais que deveria, mas que felizmente tudo acaba sendo bem amarrado num ato final em que termina em aberto e fazendo com que a trama ainda continue nas mentes daqueles que assistiram. Não é um filme para todos, até mesmo para aqueles que buscam um bom suspense, mas que vão acabar encarando um filme diferente, que vai contra as suas expectativas e por isso só já é imperdível. 


Me Sigam no Facebook e Twitter:  

Cine Dica: FILME JARDIM ATLÂNTICO ESTREIA NA SALA P.F. GASTAL



Entre os dias 29 de outubro e 03 de novembro, a Sala P.F. Gastal da Usina do Gasômetro (3º andar) promove a estreia do musical Filme Jardim Atlântico, dirigido por Jura Capela, uma das obras brasileiras mais elogiadas dos últimos tempos. 
Filme Jardim Atlântico narra a liberdade e o aprisionamento gerado pelo amor. A obra é um musical em homenagem ao Brasil, a pátria amada, o jardim do Oceano Atlântico. A relação transformadora pela qual passa o protagonista (Pierre), sempre correlacionada à exuberância brasileira, é o fio condutor para falar de sentimentos amorosos utilizando a música como forma de narrativa. A exibição será em blu-ray, no projetor de alta definição do espaço, o que assegura a qualidade da projeção. 
Segundo o crítico Ruy Gardnier, há muitos filmes em Filme Jardim Atlântico: “musical, drama de relacionamento, surrealismo submarino, documentário de carnaval, celebração da pátria (...) estamos dentro de uma montanha-russa sensorial, no mesmo patamar de lirismo delirante, excessivo e caleidoscópico de um Holy Motors (de Leos Carax) ou dos últimos filmes de David Lynch, mas com singularidade suficiente para a imaginação seguir caminhos próprios”.   
A trilha sonora original é assinada por Pupillo e conta com interpretações de Céu, Catatau, Ryan, Mariana de Moraes, Ava Rocha e Emiliano Sette, Junio Barreto, Tomas Improta e Luisa Maita. No elenco, estão os atores Sylvia Prado, Mariano Mattos Martins e Fransérgio Araújo. 
 As filmagens foram realizadas no arquipélago de Fernando de Noronha (novembro de 2008 e julho de 2009), durante o Carnaval de Olinda e de Recife (fevereiro de 2009), nas dependências do Palácio Quitandinha na cidade imperial de Petrópolis/RJ, (agosto de 2009), no Jardim Botânico do Rio de Janeiro e na praia do Grumari/RJ (julho de 2010).
 Em julho de 2009, a equipe do filme realizou o feito inédito no cinema nacional e na história do mergulho brasileiro ao filmar a 60 metros de profundidade no mar de Fernando de Noronha, registrando imagens na Corveta 17, naufragada em 1984. Por conta do grau de dificuldade do mergulho, poucos são os que se aventuram na submersão, sendo possível observar roupas dos tripulantes, talheres e vestígios detalhados de outros utensílios da Corveta 17.
 O filme foi viabilizado com incentivo do Funcultura (fases de Finalização e Distribuição) e patrocínio da empresa Neoenergia. Foi selecionado para a 36ª  Mostra Internacional de Cinema, em outubro, em São Paulo, e para a IV Semana dos Realizadores, no Rio de Janeiro em Novembro/2012.

 Jura Capela

Diretor, roteirista e produtor do Filme Jardim Atlântico
 Nasceu em Recife, 1976.  É cineasta, videoartista e fotógrafo. Integrou vários grupos artísticos em Pernambuco tais como Canal 03 (1996) e o coletivo Telephone Colorido com o qual co-dirigiu o curta-metragem Resgate Cultural – O Filme (2001), premiado em diversos festivais nacionais de cinema. Também neste contexto realizou as exposições Estéreo / Fundação Joaquim Nabuco (FUNDAJ – Recife, 2000), e Quebrem um Ovo no Seu Pau / 45º Salão de Artes Plásticas de Pernambuco (Recife, 2003). Participou no 47º Salão de Artes Plásticas de Pernambuco (Recife, 2012) com instalação sobre o estado das artes de Recife desde 1930.

 Em sua filmografia soma a direção do curta Copo de Leite (35mm, cor, 2004), co-direção da média-metragem Shenberguianas (35mm, cor, 2005), e a direção do longa-metragem Paranã-Puca – Onde o Mar se Arrebenta, (digital, cor, 2010) - troféu Redentor Novos Rumos de melhor filme no Festival do Rio, 2010. Colaborou na direção de fotografia de muitos cineastas da sua geração. Idealizou e produziu o festival de cinema Sapo Cururu, que contou com oito edições desde 2005 em Olinda e Recife.

Mais informações e horários das sessões, vocês conferem na pagina da sala clicando aqui. 

Me Sigam no Facebook e Twitter:  

Cine Dica: SERRA PELADA

SERRA PELADA - A LENDA DA MONTANHA DE OURO estreia no CineBancários



O CineBancários estreia dia 25 de outubro, com três sessões diárias, SERRA PELADA - A LENDA DA MONTANHA DE OURO de Victor Lopes, documentário recém exibido no Festival É Tudo Verdade 2013, Festival do Rio 2013 e vencedor do FICA 2013. O filme retrata a situação da "corrida do ouro" na década de 80, misturando imagens captadas ao longo dos anos, arquivos da época e testemunhos das pessoas que realmente participaram do fenômeno. Está sendo lançado no país depois de 10 anos de filmagens e um longo processo de montagem.

Sinopse: Na década de 80, no coração da floresta amazônica, 115 mil homens extraíram 100 toneladas de ouro, carregando nas costas uma montanha de 150 metros de altura. Hoje, Serra Pelada se transformou num lago, cercado por miséria, disputas e lendas.
Em cartaz de 25 de outubro a 10 de novembro no CineBancários, com sessões às 15h, 17h e 19h. Ingressos: R$ 6,00 para o público geral e R$ 3,00 para bancários e jornalistas sindicalizados, idosos, estudantes e clientes do Banrisul.

Ficha Técnica:
Gênero: Documentário
Duração: 100 minutos
Lançamento (Brasil): 2013
Direção: Victor Lopes
Roteiro: Maurício Lissovsky e Victor Lopes
Produção: Produtor executivo: Rodrigo Letier e Roberto Berliner | Direção de produção: Henrique Castelo Branco e Eudes Santos
Co-produção: TVZero
Victor Lopes é diretor, roteirista e professor. Em 1990 dirigiu o média-metragem de ficçãoVênus de Fogo, exibido pela TV Bandeirantes e Channel Four. O vídeo foi premiado no Brasil e na Itália e integra o acervo do MOMA de Nova Iorque. Dirigiu as séries Noções de Coisas, escrita por Darcy Ribeiro, e FreeJazz (direção com Roberto Berliner). Realizou também programas para a TV Futura Multishow, History Channel e Arte-France.

Mais informações e horários das sessões, vocês conferem na pagina da sala clicando aqui. 

Me Sigam no Facebook e Twitter:  

terça-feira, 22 de outubro de 2013

Cine Dica: Em DVD e Blu-Ray: DEPOIS DE MAIO


Sinopse: Região de Paris, início da década de 1970. Gilles é um jovem estudante imerso na atmosfera criativa e política da época. Como os seus colegas, ele está dividido entre o investimento radical na luta política e a realização de desejos pessoais. Entre descobertas amorosas e artísticas, sua busca o leva à Itália e ao Reino Unido, onde ele deverá tomar decisões essenciais ao resto de sua vida.


Impressionante como o diretor Assayas conseguiu captar toda a atmosfera setentista da geração "Flower Power" desde o figurino até a acertada trilha sonora e compôs uma obra que se não é genial pelo menos tem a honra de mostrar a juventude atual a força de um grupo de jovens verdadeiros revolucionários que tinham entre seus ideais algo mais que levantar bandeiras em frente as câmeras de tv e bradar frases de ordem sem saber ao certo porque estão lutando. Assayas acompanha a trajetória desses amigos de forma imparcial, apenas mostras os fatos e o rumo de cada um deles que pauta sua luta através do desenvolvimento cultural e intelectual. É exatamente por seguir este caminho que ele acertou em cheio no longa. Merece ser visto, principalmente por esta geração carente de ideais e ídolos!


Me Sigam no Facebook e Twitter:  

Cine Dica: Obra-prima de Fassbinder na Sessão Aurora


A Sessão Aurora apresenta neste sábado, dia 26 de outubro, às 17h, na Sala P.F. Gastal da Usina do Gasômetro (3º andar), o filme Precauções Diante de uma Prostituta Santa (1971), de Rainer Werner Fassbinder. A sessão marca o lançamento do quinto número do fanzine Zinematógrafo. A entrada é franca. 
Lançado em 1971, Precauções Diante de uma Prostituta Sagrada é o décimo-primeiro longa-metragem que Fassbinder exibia desde sua estreia, em 1969, com O Amor é mais Frio que a Morte. Interpretada por nomes de peso como Lou Castel, Eddie Constantine, Hanna Schygulla, Margarethe von Trotta, Ulli Lommel e o próprio diretor, a obra traz um olhar tão visceral quanto lírico às convulsões de um set de filmagem. Não há diretor, não há dinheiro, sobram as intrigas entre operários do cinema e artistas ególatras. São muitos os filmes que retratam o cinema em crise, mas aqui, distante da metafísica de um Oito e Meio ou das soluções agridoces de um A Noite Americana, a crise que Fassbinder explora é a dos nervos e vem da pele, dos corpos, numa aproximação intensa entre violência, beleza e erotismo.   
 Apoiado por canções de Ray Charles, Elvis Presley e Leonard Cohen, Fassbinder aproveita sua trama metalinguística para colocar em cena um domínio absoluto de diversas variantes da linguagem cinematográfica: dos longos planos-sequência à montagem precisa, da mise en scène maneirista aos tempos estilhaçados, poucos filmes encarnam com tanto gosto o cinema moderno, seja pelas escolhas estéticas ou pelo olhar em relação ao próprio fazer artístico.

Precauções Diante de uma Prostituta Santa
(Warnung vor einer heiligen Nutte)
Dirigido por Rainer Werner Fassbinder
(Alemanha/1971, 103 minutos)
Com: Lou Castel, Eddie Constantine, Rainer Werner Fassbinder, Hanna Schygulla, Margarethe von Trotta e Ulli Lommel.

Exibição em DVD com legendas em português.

Me Sigam no Facebook e Twitter:  

segunda-feira, 21 de outubro de 2013

Cine Dica: O Melhor do Nosso Cinema: Á Deriva


Sinopse: Aos 14 anos, Filipa (Laura Neiva) passa as férias em sua casa de praia com os pais e os irmãos. Seu pai, Matias (Vincent Cassel) é como um herói para ela. Francês, naturalizado brasileiro, ele é um importante escritor existencialista, mas sente dificuldades para escrever seu próximo livro, sobre separação e confiança. Ao contrário da mãe, Clarice (Débora Bloch), que sempre está preocupada com o lado prático das coisas, Matias prefere levar uma vida tranqüila e se divertir com seus filhos.Quando não está em eventos sociais com os pais, Filipa sai com um grupo de amigos que também passa as férias no local. Lá, eles aos poucos vão descobrindo juntos os sentimentos e a sexualidade. Um dos garotos, Arthur, demonstra estar interessado na jovem, mas ela ainda não se sente preparada para assumir nenhum tipo de relacionamento maior que uma simples amizade. Assim, ela acaba dando esperanças para a amiga Juliana, que está gostando do rapaz.Além dos problemas típicos da adolescência, Filipa faz uma descoberta que a deixa À Deriva. Mexendo na gaveta de seu pai, ela fica sabendo que ele tem uma amante, uma americana que mora em uma casa próxima. A confiança que a menina tinha em Matias vai se tornando frágil, e ela não sabe se deve ou não contar para sua mãe. Quanto mais o tempo passa, mais a perfeita vida em família de Filipa se torna insuportável, com os pais brigando todo o tempo. A relação dela com Arthur e com seus pais faz com que aquele seja um verão que mudará totalmente sua vida.

Mesmo não adicionando a mesma estética ambiciosa, ou uma trama bizarra (e genial) de seus filmes anteriores como Cheiro do Ralo, À Deriva foi reconhecido pelo próprio diretor na época do seu lançamento como o seu trabalho mais maduro, cheio de ambição e fazendo que o inicio da trama soe familiar para o publico em geral que tem passado ou passou por algo parecido em suas vidas. O ator francês Vincent Cassel (Pacto dos Lobos, Irreversível) e amante da trama (atriz americana Camilla Belle) dão toque internacional de um filme que vem abocanhando altos elogios desde  á época que foi exibido em Cannes anos atrás. Como já não bastasse isso, o filme apresentou o mais novo talento, Laura Neiva que havia sido descoberta por acaso em um perfil do Orkut,, vencendo outras 600 atrizes na disputa pelo papel.
Com o sucesso no festival e sucesso de critica tanto aqui como lá fora, Heitor Dália acabou ficando mais do que pronto para criar novos filmes provocadores e diferentes de tudo que se já viu. Á Deriva por mais que seja ótimo, e que seja  somente uma prova que existe normalidade na cabeça do diretor, ele pode sim fazer um filme que possa fazer com que se comunique  com o publico em geral e que acabara encontrando pontos em comum com a historia.

Me Sigam no Facebook e Twitter: