Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sendo frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 69 certificados),sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

quinta-feira, 26 de setembro de 2013

Cine Dica: Em DVD e Blu-Ray: Segredos de Sangue

"AS VEZES PRECISAMOS FAZER COISAS RUINS PARA NÃO FAZERMOS COISAS PIORES"

 India Stoker

Sinopse: No dia do aniversário de 18 anos de India Stoker (Mia Wasikowska), seu pai sofre um acidente de carro e morre. A convivência desta garota tímida com a sua mãe (Nicole Kidman) torna-se ainda mais problemática, fato agravado pela visita dos parentes durante o funeral. Entre os familiares presentes, está o tio Charlie (Matthew Goode), um aventureiro que passou a vida inteira entre as cidades da Europa, sem dar sinal de vida. India nunca soube da existência desse homem, mas logo a sua presença traz à tona o sombrio passado da família Stoker.

Na maioria das vezes, um diretor estrangeiro de grande prestigio em seu país de origem, acaba não tendo uma estréia satisfatória quando filma pela primeira vez em território americano. Felizmente esse não é o caso do sul coreano Park Chan-wook, cineasta consagrado graças a sua “trilogia da vingança”, conhecida principalmente pelo filme do meio, Old Boy, que fez o mundo ter um olhar mais atento, não somente pelo cineasta como também dos filmes que vinham de lá. O resultado final em território gringo não é só satisfatório, como também surpreende ao criar um ótimo filme, com uma trama que não trás muitas novidades.
Escrito pelo ator Wentworth Miller (da série de TV Prison Break) a historia poderia ser filmada por qualquer um, mas que acabaria correndo o risco de ter um resultado pra lá de desastroso. Porém, Park Cahn Wook injeta ao máximo originalidade no modo em que é conduzido essa trama, começando na forma em que ele filma: sua câmera esta sempre acompanhando os protagonistas, assim como também ela própria apresenta a trama para o espectador(por vezes em simetria), sem que alguém fale sobre o que esta acontecendo.
O inicio do filme, já da uma pista do que virá a seguir, pois tudo começa com a morte do patriarca da família. Habilidoso como ninguém, o cineasta somente apresenta sons do tal acidente, enquanto apresenta os demais personagens e as letras dos créditos iniciais vão surgindo em lugares pouco convencionais. Imediatamente surge Charlie (Matthew Goode, de Watchmen) que se diz irmão do falecido e que aos poucos vai se infiltrando na forma de sedução, nas vidas da mãe e filha, que são interpretadas por Nicole Kidman e Mia Waskowska (Alice no País das Maravilhas).
Basicamente o filme é voltado somente nesta trindade, cheios de ambigüidade, onde aos poucos se é descascado quem são eles realmente por dentro e por fora. India, aliás, é a personagem mais complexa, pois se isola dentro de sua mente cheia de mistério e fazendo com que ela não tenha uma relação muito amistosa com a mãe, sendo que essa ultima não se mostra muita afetada pela morte do marido e começa há ter suas atenções voltadas para Charlie. Interessante é a forma como esse personagem se infiltra na vida das duas, de uma forma sedutora, perigosa e que faz principalmente India descobrir coisas de si própria que antes desconhecida.
Além da ótima direção autoral que Wook passa para nos, o filme também ganha pontos graças ao ótimo desempenho dos três astros principais, ao começar Mia Wasikowska: consagrada no filme de Tim Burton, Wasikowska a principio vivia sofrendo criticas devido a suas atuações por vezes inexpressivas. Mas bastou atuar em filmes de qualidade, em que desafiassem o seu modo de interpretar, que fez com que ela chegasse aqui surpreendendo com sua personagem Stoker, que chega há ser mais assustadora do que seu próprio tio. Isso se deve graças à frieza que ela passa em seu rosto e fazendo com que tenhamos um grau cada vez mais elevado de tensão no decorrer do filme.
O mesmo vale pelo ótimo desempenho de Matthew Goode, que embora já desde o começo seu personagem não esconde que é um louco com segundas intenções, é graças à ótima interpretação do ator que faz com que o personagem se torne mais interessante do que tem a oferecer. Nicole Kidman por sua vez quase é eclipsada pelo desempenho dos seus parceiros de cena. Porém, sua personagem realmente cresce no ato final da trama, onde ela bota para fora tudo que sente pela filha, num momento de desabafo e sinceridade crua.     
Embora a origem da historia no qual move todos os personagens da trama possa soar um tanto que previsível, o ato final felizmente nos entrega momentos com que faz que a gente se encolhe na poltrona, esperando pelo pior e faz com que a gente enxergue os melhores momentos de Park Chan-wook quando apresentou a sua "trilogia da vingança" para o mundo. Um começo bem promissor para esse genial cineasta, num país que cada vez menos se está valorizando a visão autoral dos diretores que querem passar algo de original para o espectador que assiste. 

Me sigam no facebook e twitter.

Nenhum comentário: