Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sendo frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 69 certificados),sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

quinta-feira, 16 de maio de 2013

Cine Especial: François Truffaut: O Homem que Amava o Cinema: Parte 9


Nos dias 18 e 19 de maio, eu estarei participando do curso François Truffaut: O Homem que Amava o Cinema, criado pelo Cena Um e ministrado pela coordenadora e curadora da Sala da Redenção da UFRGS, Tânia Cardoso de Cardoso. Enquanto os dias da atividade não chegam, por aqui, estarei postando um pouco sobre os principais filmes desse diretor, que foi um dos pilares que sustentou o surgimento do movimento Nouvelle Vague.
  
As Duas Inglesas e o Amor 

Sinopse: No começo do Século 20, o francês Claude e a inglesa Anne se conhecem e se tornam amigos. Tempos depois, eles se reencontram no País de Gales e Claude se apaixona por Muriel, irmã dela. Obrigado a se separar por um ano de Muriel, a pedido da família dela, ele termina o romance e começa a se envolver com Anne.
  
Henri Pierre Roché, o mesmo autor do livro que em 1961 havia originado o clássico Jules & Jim, foi novamente inspiração para Truffaut realizar, dez anos depois, mais um ótimo tratado sobre o “amor a três”: Duas Inglesas e o Amor, a trama flui a passos largos, permeando com eficiência os pontos de vistas dos três personagens centrais. Como sempre, Truffaut evita o piegas e foge das fáceis armadilhas cinematográficas de maneira direta, quase minimalista, numa época em que o termo sequer existia. As Duas Inglesas e o Amor é um filme inesquecível sobre amores roubados, felicidade e vidas fracassadas.  

O Último Metrô 

Sinopse: Na Paris de 1942, Steiner é um judeu forçado a abandonar o país. Sua esposa, uma atriz, dirige o teatro para ele. Ela tenta manter o teatro funcionando e contrata Bernard Granger com ater principal. Mas Steiner, na verdade, está escondido no porão. 

O Último Metrô foi um dos últimos e melhores filmes do mestre François Truffaut. No elenco, os astros Catherine Deneuve e Gérard Depardieu brilham nos papéis principais. Se em A Noite Americana o cineasta faz uma declaração de amor ao cinema, aqui é uma verdadeira declaração de amor ao teatro. A trama se passa num dos momentos mais trágicos  da história do mundo e de seu país: os anos em que a França esteve dividida em duas partes, uma invadida, ocupada fisicamente pelas tropas nazistas, e a outra que se fingia de livre. Mas apesar disso, novamente Truffaut dirigi a trama com carinho, nos passando até mesmo a idéia de que as situações mostradas na trama, podem na realidade ser uma bela mistura de ficção com a própria realidade que ele presenciou na época. O que não seria novidade nenhuma, já que boa parte de sua filmografia (a partir de Os Incompreendidos) tem um pouco de tudo do que ele vivenciou ao longo da vida.
Vale lembrar que O Último Metrô foi o primeiro de uma grande série de filmes em que Catherine Deneuve e Gérard Depardieu trabalhariam juntos, dois dos mais belos e mais talentosos atores do cinema francês da época. A lista dos dois juntos é extensa: Le Choix des Armes (1981), Je Vous Aime (1981), Fort Saganne (1984), Drôle d’endroit pour une reencontre (1988), Les Cents e une Nuits de Simon Cinéma (1995), Tempos que Mudam/Les Temps qui Changent (2004) e Potiche – Esposa Troféu (2010). 

Me Sigam no Facebook e Twitter:  

Nenhum comentário: