Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sendo frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 69 certificados),sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

sexta-feira, 10 de maio de 2013

Cine Especial: François Truffaut: O Homem que Amava o Cinema: Parte 5


Nos dias 18 e 19 de maio, eu estarei participando do curso François Truffaut: O Homem que Amava o Cinema, criado pelo Cena Um e ministrado pela coordenadora e curadora da Sala da Redenção da UFRGS, Tânia Cardoso de Cardoso. Enquanto os dias da atividade não chegam, por aqui, estarei postando um pouco sobre os principais filmes desse diretor, que foi um dos pilares que sustentou o surgimento do movimento Nouvelle Vague.  

Fahrenheit 451 

Sinopse: Guy Montag (Oskar Werner) é um bombeiro que vive numa solitária e isolada sociedade, em que os livros são proibidos pelo Governo. É seu dever queimar todo livro que tenha sido visto pelas autoridades ou denunciados pelos informantes. Montag acaba se envolvendo com Clarisse (Julie Christie), uma apaixonada pela literatura, o que o leva a ler livros de forma clandestina. É através deste relacionamento que Montag passa a questionar os motivos que justificam a determinação do governo de queimar toda e qualquer obra literária.

Embora lançado em 1966, o filme continua mais atual do que nunca: baseado na obra de mesmo nome do escritor norte-americano Ray Bradbury, o filme é considerado por muito cinéfilos o melhor do gênero da ficção científica de todos os tempos. Trama toca em um assunto espinhoso, que é a censura contra a cultura, mais precisamente contra os livros, onde em um futuro todos eles são pegos e queimados.
A trama é uma critica forte contra os meios de comunicação como a televisão, por exemplo, que emburrece cada vez mais e mais a civilização. Na historia, acompanhamos personagens que vivem meio que zumbis, numa sociedade controlada a cada 24 horas, mas que pouco se importam com isso. François Truffaut disse numa determinada época, que não ficou muito satisfeito com o resultado final desse filme, sendo que esse foi o primeiro e ultimo filme dele em língua inglesa. Segundo as suas próprias palavras, ele gostava bem mais na versão dublada em francês, o que não deixa de ter certa lógica, já que o diretor fez praticamente todos os seus filmes na frança, e a linguagem exercida na trama, soaria bem melhor mesmo em seu país de origem.
Criticas a parte, não importa qual língua o filme esteja, sendo que à mensagem que passa funciona até hoje, principalmente com seu final cheio de esperança, onde prova que não importa qual poder existe ou existira que queira nos dominar, ele jamais irá nos tirar o nosso conhecimento, enquanto nos estivermos firmes com os nossos desejos pelo saber.

 Me Sigam no Facebook e Twitter:  

Nenhum comentário: