Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sendo frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 69 certificados),sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

quinta-feira, 11 de abril de 2013

Cine Dica: Em Cartaz: MAMA



Sinopse: Há cinco anos, as irmãs Victoria (Megan Charpentier) e Lilly (Isabelle Nélisse) desapareceram da sua vizinhança sem deixar vestígios. Desde então, seu tio Lucas (Nikolaj Coster-Waldau) e sua namorada Annabel (Jessica Chastain) têm procurado por elas. Mas quando, incrivelmente, as crianças são encontradas vivas em uma decrépita cabana, o casal se pergunta se as meninas são os únicos hóspedes que eles receberam em sua casa. À medida que Annabel tenta apresentar às crianças uma vida normal, ela começa a se convencer que existe uma presença maligna em sua casa.

Embora seja somente o produtor (assim como O Orfanato), não resta duvida que Mama, do começo ao fim pertence a Guilherme Del Toro, o que acaba então sobrando muito pouco para o novato cineasta Argentino Andrés Muschietti, que acabou chamando atenção do primeiro, a partir de um curta metragem do mesmo nome. Ao assistir Mama, não pude deixar de me lembrar da obra prima do cineasta que foi O Labirinto do Fauno, sendo que aqui, todo aquele clima de conto de fadas gótico está presente na obra. Enlaçado com velhos ingredientes (mas eficazes) do cinema de horror da ultima década (vide Chamado, O Grito, A Entidade), desde as sombras em movimento há espíritos cabeludos, que acabam gerando sustos instantâneos.
Contudo, mais do que um filme de terror, o filme explora os dois lados distintos da vida materna: de um lado temos um espírito obsessivo (a Mama), que após ter tido um fim trágico em vida (num flashback sensacional), não mede esforços para proteger seus novos rebentos numa casa abandonada, as irmãs Lilly e Victoria, que após o fim trágico de seus pais (devido ao que aparentou ser uma briga conjugal), adota as crianças na floresta e fazendo com que elas se tornassem meio que selvagens. Por outro lado, temos Annabel (a ótima Jessica Chastain), uma roqueira gótica, que quer passar longe da realidade de ser mãe, mas graças ao fato do namorado dela (Nikolaj Coster-Waldau) ser justamente o tio das crianças (e que quer adotá-las), terá que aterrissar forçadamente numa realidade, que aos poucos terá que aprender a gostar. Com essas duas estranhas mães adotivas, se tem um retrato da obsessão e do lado desnaturado maternal que as crianças passam hoje em dia, que para o bem ou para o mal, fazem com que elas amadureçam precocemente.      
Mas é claro que estamos falando de um filme de terror, sendo que esses questionamentos ficam um tanto de lado, quando o suspense, efeitos, edição, luz e escuridão, formam um mosaico de imagens impressionantes, que quando elas se chocam, fazem com que o espectador que assiste salte da cadeira sem pestanejar. Vale lembrar, que as meninas Megan Charpentier e Isabelle Nelisse são na realidade o grande destaque do elenco. Ao mesmo tempo em que elas nos amedrontam com um comportamento um tanto que incomum, após terem vivido por alguns anos na cabana, elas também possuem certa graça, que encanta não só Annabel, mas também o público que assiste.
Infelizmente o filme não escapa de uns furos gritantes (como vistos nos primeiros minutos do filme) e peca erroneamente quando tira a malvada Mama das sombras, o que acaba perdendo um pouco do seu lado sinistro (isso graças a uns efeitos visuais primários). Embora tenha esses pesares, os minutos finais nos brindam com situações imprevisíveis, que de uma forma ou de outra, foge um pouco do convencional dentro do gênero. Abaixo, segue o curta Mama de 2008, que deu origem ao longa metragem. 


      Me Sigam no Facebook e Twitter:    

3 comentários:

renatocinema disse...

Se o filme pertence a Del Toro.....preciso assistir.

urgente.

Marcelo C,M disse...

Assista então meu amigo.

renatocinema disse...

Assisti devido a produção de Del Toro e realmente é um trabalho com a cara desse pequeno mestre.

Não acho seu melhor trabalho no terror, porém, acima da média.