Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sendo frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 69 certificados),sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

quinta-feira, 28 de março de 2013

Cine Especial: O QUE É UM DOCUMENTÁRIO?: Parte 10


Nos dias 26 e 28/Março; 02 e 03/Abril, estarei participando do curso "O que é um Documentário?", criado pelo Cena Um e ministrado pelo jornalista Rafael Valles. Enquanto os dias da atividade não chegam, por aqui, estarei postando sobre últimos documentários nacionais e internacionais que eu assisti nos últimos anos.
  
Bullying


Sinopse: Em 2011, cerca de 13 milhões de crianças americanas sofreram algum tipo de bullying, seja na escola, no ônibus, em casa, no bairro em que mora ou através de celulares ou da internet. Este documentário busca analisar esta situação, levando em conta tanto as vítimas quanto quem pratica bullying, além do porquê de tamanho silêncio em torno do assunto, tendo como parâmetro da realidade nos Estados Unidos.

Hoje em dia é comum cada vez mais ouvir casos de Bullying, mas que infelizmente isso só foi mais sentido agora (devido a casos de mortes), pois no meu tempo de escola já havia esses casos, que na época nos chamávamos síndrome do “Karate Kid”. Para o bem ou para o mal, antes tarde do que nunca, pois graças a inúmeros meios de comunicação (como rede sociais) esses casos foram cada vez vistos com mais atenção, tanto pelos os pais, como também os educadores que convivem no dia com essas crianças na escola. Embora existam pessoas duras com relação a não demonstrar certos sentimentos, é preciso ter um coração de pedra para não se comover com o dia a dia de algumas crianças que esse documentário registra.
Com um numero cada vez maior de suicídios registrados em território americano e de outros países, o documentário investiga o dia a dia de algumas dessas crianças: Alex, por exemplo, é constantemente ameaçado, unicamente por possuir um corpo fragilizado e uma boca diferente das outras crianças. Num primeiro momento, os pais dele simplesmente não tinham idéia da situação que ele vivia no dia a dia, tanto dentro do ônibus escolar, como também na escola. Para piorar, a diretora da escola se mostra (aparentemente) não ter nenhuma noção da situação em que ele ou outras crianças de lá viviam, que segundo suas próprias palavras “todos são anjos”.
O filme não busca uma solução exata, mas sim passa um alerta para que esses casos não se repitam mais. No ato final, a união dos pais e de crianças que sofreram ao longo dos anos por serem diferentes das outras, faz nascer uma chama de esperança, tanto para essa geração, como para a próxima.   

Me Sigam no Facebook e Twitter: 

Nenhum comentário: