Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sendo frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 69 certificados),sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

terça-feira, 30 de outubro de 2012

Cine Dica: Em Cartaz: GONZAGA - DE PAI PARA FILHO



Sinopse: A relação entre o sanfoneiro Luiz Gonzaga (1912-1989) e seu filho, o cantor e compositor Gonzaguinha (1945-1991), dois artistas, dois sucessos. Um do sertão nordestino, o outro carioca do Morro de São Carlos; um de direita, o outro de esquerda. Encontros, desencontros e uma trilha sonora que emocionou o Brasil. Esta é a história de Luiz Gonzaga e Gonzaguinha, e de um amor que venceu o medo e o preconceito e resistiu à distância e ao esquecimento.

Breno Silveira pegou o gosto de fazer filmes que reconstituem a vida de celebridades do universo musical, sendo que Gonzaga: De Pai  para Filho se fecha uma espécie de trilogia iniciada com 2 Filhos de Francisco e A Beira do Caminho. Com a chegada do centenário do Rei do Bailão, era uma questão de lógica que houvesse uma adaptação sobre a vida do cantor, que felizmente nas mãos de Silveira, consegue fazer com competência e sem cair num lugar comum. Para o ponto de partida, o cineasta foi engenhoso na criação da trama, se baseando nas gravações de áudio gravadas por Gonzaguinha no inicio dos anos 80, onde se ouve a conversa que ele teve com o seu pai e na sua tentativa de ambos  se entenderem.  
Nesta viagem no tempo, o cineasta constrói minuciosamente a trajetória da criação do mito, que por sua sorte, soube bem escolher os três interpretes que dariam vida a Gonzaga no decorrer do filme. Adélio Lima, Land Vieira e Chambinho do Acordeon estão ótimos interpretando Gonzaga em determinadas épocas especificas, porém, é Julio Andrade que da um verdadeiro show de interpretação, ao passar para o espectador, toda a dor que Gonzaguinha sentia em não se entender com o seu pai. Embora Gonzaga seja o foco principal, me pergunto se não seria interessante ter um filme sobre a trajetória solo de Gonzaguinha e novamente com Julio de Andrade. Já que Silveira pegou o gosto de fazer esses tipos de filmes e com empenho, um filme derivado desse seria questão de lógica e muito bem vinda.  
Com uma boa  reconstituição de época, embalada com as mais belas paisagens do nosso país, Gonzaga: De Pai para Filho, é um bom filme sobre a redenção de duas gerações, que embora diferentes, tem muito mais em comum do que se possa imaginar. 


  Me  Sigam no Facebook e Twitter

2 comentários:

Celo Silva disse...

Ótimo texto. Concordo que gostaria de ver uma spin off de Gonzaguinha, o filme deixou gostinho de quero mais em relação a vida dele.

Abraço.

Marcelo C,M disse...

Valeu Celo