Quem sou eu

Minha foto
Sapucaia do Sul/Porto Alegre, RS, Brazil
Sendo frequentador dos cursos do Cine Um (tendo já 69 certificados),sou uma pessoa fanática pelo cinema, HQ, Livros, música clássica, contemporânea, mas acima de tudo pela 7ª arte. Me acompanhem no meu: Twitter: @cinemaanosluz Facebook: Marcelo Castro Moraes ou me escrevam para beniciodeltoroster@gmail.com

Pesquisar este blog

quarta-feira, 26 de setembro de 2012

Cine Dica: Em Cartaz: DREDD



Sinopse: O juiz Dredd (Karl Urban) vive na megalópole Mega City Um, um oásis de civilização na Terra Maldita, cerca de 120 anos no futuro. Bastante temido pelos infratores da lei, ele acumula os cargos de polícia, de juiz e ainda tem o poder de executar suas sentenças. Um dia, ele é encarregado de treinar uma candidata a juíza com poderes mediúnicos (Olivia Thirlby), e neste primeiro dia de teste os dois enfrentam a maior e mais perigosa traficante de drogas do local (Lena Headey).
  
A primeira vista, Dredd parece Robocop, mas diferente do clássico dos anos 80, Dredd não pode deixar o seu lado humano surgir durante o trabalho, pois se fizesse isso seria morto. Seguindo 100% do seu dever como policial (e Juiz), Dredd é incorruptível, sem dó, mas motivos é o que não faltam para manter essa posição imutável: Mega City Um é uma representação das grandes cidades violentas do mundo atual, no qual o único meio de colocar controle em meio ao caos, é ser rígido contra o inimigo (e a si mesmo), para não amolecer perante o inferno.
Baseado numa clássica HQ inglesa, o filme de Pete Travis é simples: retratar um dia de trabalho de Dredd nas ruas violentas da cidade. Ao mesmo tempo, ele é recrutado para avaliar uma novata (Olivia Thirlby), que possui poderes de telepatia e juntos mergulham dentro de uma favela em forma de torre de babel, onde nos interiores mais obscuros, é comandado pela mão de ferro Ma-Ma (Lena Headey). É isso a trama, nada mais, sendo que o espectador é jogado junto com dupla, em meio a esse inferno de violência do interior do prédio, que em muitos momentos lembra uma favela real comandada por bandidos irracionais, assassinos, que não existam em cometer atos terríveis, mesmo colocando em risco os inocentes que vivem no mesmo prédio.   
O filme não perde tempo em dar lições de moral para quem assiste, sendo que a única que passa, é de jamais baixar á guarda. Muito embora, a personagem de Olivia Thirlby seja uma representação de nos mesmos perante aquele lugar, em que ela passa conflitos e dilemas internos sobre o que ela está se metendo. Entretanto, ela tenta de todos os meios não fazer com que isso lhe atrapalhe num momento critico, mesmo quando ela encara o horror de suas ações. Enquanto isso, Karl Urban tem uma interpretação eficaz interpretando Dredd, mesmo usando a todo o momento um capacete que cobre boa parte do seu rosto, mas graças a sua voz grave, e gestos minuciosos do seu corpo, ele passa para o espectador que é uma pessoa segura de suas ações e que não passa em nenhum momento arrependido no que faz. Pode não ser um modelo correto para aqueles que são a favor da paz, mas em territórios hostis como esse (nenhum pouco diferente de outros filmes como Tropa de Elite), ele é a pessoa certa no lugar certo.
Mas uma das grandes surpresas do filme fica por conta presença magnética de Lena Headey (vista em 300), que cria uma aura trágica vinda da personagem Ma-Ma, que embora seja um monstro, nos acabamos por compreender os elementos que a levaram a se tornar. Com um olhar frio, e uma cicatriz no rosto, Headey se sobressai numa interpretação certeira, em momentos imprevisíveis e que se sobressai em momentos chaves da trama. Alias, ela protagonista de cenas inesquecíveis, onde a sua personagem ingere uma droga chamada  Slo-Mo, onde o usuário acaba enxergando tudo de uma forma mais lenta do que o normal. É neste ponto, que o filme nos brinda com uma das mais belas imagens em câmera lenta do ano, que enlaçado com um 3D que explora ao máximo a profundidade dos cenários. Sangue, fumaça, e estilhaços, são simplesmente jogados na cara do espectador, que embora alguns possam se chocar, não há como não se maravilhar em cenas tão bem feitas e delirantes.
Cru, direto, e certeiro, DREDD nada mais é que uma visão barra pesada sobre a violência das grandes metrópoles atuais. E mesmo que os agentes dos politicamente corretos tentem tapar o sol com a peneira, é bom eles pensarem em tomar providencias para não chegarmos ao ponto de precisarmos ter um juiz em cada esquina de nossa cidade.  


Me  Sigam no Facebook e Twitter

4 comentários:

LEO disse...

Excelente matéria, Marcelo....

Hj em dia tá cada vez + raro encontrar filmes q nem o "Dredd", onde os personagens centrais não entram em "crises de consciência" por terem q matar bandidos e/ou adotarem uma linha + radical!!!

o Dredd é o próprio SISTEMA fazendo uma "limpa" pra impedir o avanço desigual da criminalidade (q se sobrepõe ao cidadão comum)!!!

uma pena q o filme foi mal de bilheteria... talvez por ser 18 anos e pela pouca populariade do Dredd fora da Inglaterra!!!

Abs!!

Marcelo C,M disse...

Pois é Leo, mas o bom é que Dredd tem aquela aura de cult, que aos poucos vai sendo reconhecido pelo publico.

Marcelo C,M disse...
Este comentário foi removido pelo autor.
renatocinema disse...

PEGUEI UMA CÓPIA HOJE.

.